domingo, 25 de novembro de 2012

Madeira ao Vivo



Máquinas atentas
 

O negócio não pára. É verdade que a fraca intensidade registada nas chuvas, comparativamente ao que os avisos 'vermelhos' ameaçavam, acabou por não render, por enquanto (e em definitivo, esperamos), aquilo que os empresários das retroescavadoras previam. Mas, esta manhã, lá estavam camiões e mais camiões, retroescavadoras e mais retroescavadoras, em cima da marina do Funchal, para limpar o que a Ribeira de São João trouxera da montanha para baixo.
Pouco substancial, mas em tempo de crise é aproveitar o que há. E lá os carros da Tecnovia entravam para carregar e saíam com umas poucas de pedras.






8 comentários:

Anónimo disse...

Se limpam é que limpam, se não limpam é que não limpam e são irresponsáveis... enfim, quem entende?

Luís Calisto disse...

Em minha opinião, é muito fácil entender: basta ir ao fundo da questão (ou seja, ao fundo da ribeira).
Entretanto, quem diz que não se deve limpar?

Anónimo disse...

Nesta critica tenho que discordar. É verdade que acaba por ser um negócio, mas este modo de actuar é o mais correcto e merece um aplauso. Visto que o alerta vermelho foi prolongado até às 21h de hoje, é essencial, não deixar que ocorra grande acumulação de inertes, retirando-os enquanto as condições atmosféricas calmas permitem. Uma das razões das ribeiras terem transbordado tão facilmente no 20 de fevereiro foi por isto não ter sido feito após o dia 18 de fevereiro de 2010 (dia de grande precipitação)

Luís Calisto disse...

Caro Comentador
Concordo consigo a cem por cento. Limpar antes que choremos por não ter limpo as ribeiras.
Não era bem nestas águas que eu falava, porém reconheço que o dia exige mais acção - e limpeza - do que remoques.

Anónimo disse...

É verdade que temos tido uma sorte sem igual (principalmente ontem) com todas as células a nos passarem ao lado, contudo, mesmo assim, no areeiro (ao contrario dos outros locais) os valores de precipitação que caiu durante a noite roçam os valores do 20 de Fevereiro. Para ser mais preciso, a precipitação acumulada no período temporal de maior intensidade (das 0h às 3h) foi de: 31,9mm+42,5mm+45,1mm= 119,5mm . Valores dignos de respeito. Muita pedra deve ter sido arrastada, e estar parada ainda a montante, aguardando por mais quantidade de água que a arraste até jusante. Mas concluindo, estão a actuar bem. Mais vale prevenir do que remediar.

Luís Calisto disse...

Antes assim. Pelo menos ficamos mais descansados, embora, como diz, uma próxima chuvada possa arrastar a pedra desta vez detida a meio caminho.
Obrigado pelo esclarecimento.

Anónimo disse...

E quando a pedra chegar cá abaixo é para deixar nas ribeiras para que não haja suspeitas. Enfim... É mandar blocos e comunas limpar com as mãos e carregar tudo nas costas!

jorge figueira disse...

A pedra também dará para um monumento ao logro. Poderão iniciar a estátua cidadão Augusto Pestana que hoje, na coluna do cidadão do JM,cavalga a ignorância dos destinatários da sua mensagem atribuindo à comunicação social o alarme criado.