quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Fim de Ano


O céu não está azul, mas o tempo satisfaz e o Funchal anima-se para os momentos de glória de São Silvestre








FLOR DO MENINO JESUS



Nome científico: Euphorbia leucocephala
Nome vulgar: Flor do Menino Jesus
Porte: Arbusto
Família: Euphorbiaceae
Origem: América Central (desde o sul do México até São Salvador)

Local das fotografias: O meu quintal – Ilha da Madeira

Observações: Este arbusto é irmão das poinsétias (Euphorbia pulcherrima), também conhecidas por estrelas-de-natal e manhãs-de-páscoa. Numas e noutras as verdadeiras flores são pequeninas. As estruturas vistosas são folhas modificadas. Neste caso as brácteas brancas envolvem minúsculas flores aromáticas.


Euphorbia leucocephala - 30.12.14


               
Texto e fotos: Raimundo Quintal

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Para descontrair


Mandam-nos esta peça de Santo António para baixo



Santo António em estado de sítio!
Na Farmácia de Santo António não param de entrar utentes; são tantos que o responsável da mesma já pediu reforços de trabalhadores que se encontravam de férias natalícias.
Um famoso clube para os lados do Madeira Shopping (VETERANOS) já disponibilizou uma carrinha de 9 lugares à Farmácia.
A fonte interna da Farmácia garante que este surto que se abateu hoje de manhã na Freguesia está directamente ligado aos resultados das eleições internas do PSD Santo António (65% M. Albuquerque e 35% M. António).
Sintomas:
RESSACA! 
O M. António(BOSS da ANONA) ontem às 23h30 telefonou aos capatazes do Movimento do FARMVILLE (Profirios etc) a dar ordens para extinguir o movimento, a notícia caiu como uma BOMBA, muitos  não gostaram desta atitude e descarregaram com Mistura de VINHO SECO do FAIAL e Sumo de limão da ILHA e Pesçocos de Galinha de um fornecedor local.

Imprensa destaca grande vitória de Albuquerque


A comunicação social de hoje em geral oferece grande relevo às eleições internas do PSD-M e ao triunfo de Miguel Albuquerque. As televisões generalistas e as vocacionadas para a informação mantiveram os telespectadores ao corrente do que se passava no dia eleitoral.

Hoje, o jornal 'i' destaca o facto de ter sido o "candidato anti-Jardim" a chegar à liderança





O Público diz que foi uma vitória clara de Albuquerque a enterrar o jardinismo




O DN fala da troca de Jardim por Albuquerque a marcar o fim do jardinismo



O JN diz que Albuquerque acaba com 40 anos de poder jardinista




Na Madeira, até o JM se rende à evidência dos resultados a favor do candidato que aquele jornal atacou durante dois anos até ao próprio dia eleitoral


A RTP-Madeira fez uma boa cobertura do dia de ontem, mantendo os telespectadores informados. Quanto aos comentadores, um pouco óbvios e arredondados, mas fizeram-se ouvir



segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Eleições no PSD-M


(Fotos GREGÓRIO CUNHA)

ALBUQUERQUE ELEITO LÍDER DO PSD
COM UMA VANTAGEM CONCLUDENTE






Jardim sai de cena vergado sob humilhante derrota. É Miguel Albuquerque a devolver-lhe, com todas as letras, o epíteto de "desempregado político"



Miguel Albuquerque sagrou-se hoje líder do Partido Social Democrata da Madeira, cargo em que será investido no dia 10 de Janeiro, quando da abertura do congresso laranja.

O antigo presidente da Câmara do Funchal recebeu os votos de 64,06% dos militantes que acorreram às urnas. Para o seu rival Manuel António 35,94%.

O resultado de hoje significa o fim do jardinismo que dominou, nos últimos 40 anos, tanto o PSD regional como a Madeira. 
A passagem de testemunho está longe de pacífica. O jardinismo morre como poder, mas persiste na vontade do seu mentor e intérprete. Jardim sai contra a sua vontade. E estaria hoje a disputar as eleições internas não fora o empate técnico da corrida que fez em 2012 contra Miguel Albuquerque. O receio de perder desta vez levou-o a indicar e apoiar um candidato emergente do seu governo, Manuel António Correia, que acabou derrotado nesta segunda volta eleitoral.
O ainda líder do partido desencadeou uma campanha anti-Albuquerque insistente, diária, utilizando para disparar as insinuações mais torpes nas páginas do Jornal da Madeira e nos próprios actos públicos em que participou. Ainda hoje, dia das eleições decisivas, o chefe 'despedido' publicava na última página do gratuito JM um comunicado rebatendo afirmações de Albuquerque no debate de sábado passado na TV, frente a Manuel António.
Mais gritante ainda foi a declaração pública de Jardim, já esta tarde, em plena zona da urna onde votou, prometendo luta no futuro a Miguel Albuquerque. Sem citar o nome, já que nem era preciso, referiu-se à "ameaça reaccionária" que se propõe entregar o poder aos "senhores do antigamente", em "subordinação a interesses económicos".
Sabe-se perfeitamente que Jardim se refere a Miguel Albuquerque porque é esse o seu discurso desde que o ex-autarca funchalense resolveu candidatar-se à liderança do partido.

Depois da luta obsessiva para, primeiramente, continuar a imperar na presidência das Angústias, e depois impedir o sucesso de Miguel Albuquerque, a conclusão é só essa: aquele que chefiou o PSD-M quase 40 anos sai humilhado com a dupla derrota.
E o assunto acaba aqui. Jardim é o passado. Hoje abrem-se as portas do futuro, rumo à implantação na Madeira de uma democracia normal. Porque, a não ser assim... a luta continua.

Miguel Albuquerque apresentou-se a estas eleições internas prometendo renovação, obviamente em ruptura com o escaqueirado jardinismo de que os militantes fugiam em passo de corrida.
"Renovação de mentalidades, de atitudes e de objectivos", acenava o agora vencedor no seu programa levado aos filiados social-democratas. Já nas eleições de 2012, depois de conhecida a vitória de Jardim 'por uma unha negra', Miguel afirmara: "Quebrei o falso unanimismo que desde há anos estava a estagnar a prática do nosso partido no seu pensamento, na sua postura, nas suas acções políticas." Era uma importante "abertura de novo ciclo no PSD-M" conseguida pelo "único candidato que desafiou a situação vigente".
À partida para as eleições do passado dia 19, agora complementadas com 2.ª volta, Albuquerque propunha-se transformar o partido, porque "a Região precisa de um PSD forte e consistente". E não de um PSD "distante dos interesses da população, apático e desmotivado".
O eleitorado viria sancionar a mudança de estilo na liderança da Rua dos Netos. De um estilo autoritário, arrogante, intolerante numa linha nova de "fazer política, onde se respeite a vontade do povo e a oposição por ele eleita", onde haja "capacidade para acolher e reflectir no que as pessoas comuns sentem e dizem".
Uma directa para Jardim: é preciso "acabar com a excepção que existe ao nível do País, não permitindo, na Madeira, que os políticos possam acumular a reforma com o vencimento público".
Enfim, Miguel Albuquerque veio prometer o recrutamento de "novos protagonistas políticos" tendo em vista a renovação do PSD-M com os mais capazes.
Os militantes do PSD-M ouviram Miguel Albuquerque. Agora, é hora de festejos. Ao nível regional, os olhos estão na noite de São Silvestre. O fogo de artifício e as garrafas de champanhe festejarão, mais do que os tempos que chegam, o enterro de um regime que se tornou intragável.
O derrotado de hoje, Manuel António, fez o máximo que estava ao seu alcance. Lançado por Jardim para responder ao primeiro anúncio de candidatura de Albuquerque, não conseguiu libertar-se desse estigma. Graças, sobretudo, à guerra que o chefe alimentou incessantemente contra o seu inimigo.
Quanto a Miguel Albuquerque, afinal não é ele o 'desempregado político' de que o chefe moribundo falava quando da saída daquele da Câmara do Funchal.



Miguel, Rui Abreu e demais operacionais quando a deliciosa vitória chegava aos bocados, de toda a Madeira.

RESULTADOS FINAIS DAS INTERNAS PSD-M


 







RIBEIRA BRAVA

Albuquerque - 169
Manuel António- 71

PORTO SANTO

Albuquerque - 125
Manuel António- 42


S. MARTINHO

Albuquerque - 295
Manuel António- 131

JARDIM DA SERRA

Albuquerque - 56
Manuel António- 16

MACHICO
Albuquerque -137
Manuel António- 37

SANTO ANTÓNIO

Albuquerque -223
Manuel António- 135

CONFIRMADÍSSIMO

ALBUQUERQUE É LÍDER DO PSD-M

64% - 35%


É oficial: Miguel Albuquerque venceu as eleições de hoje ascendendo à liderança do PSD-M.
Em declarações ao Fénix, o novo chefe do Laranjal disse-de satisfeitíssimo com o resultado, acrescentando porém que a hora é de pensar no futuro.
O próprio Albuquerque salienta o facto de ter vencido em nada menos de 46 freguesias da Região. Bem como valoriza o grande número de militantes que acorreu às urnas. 
O novo líder seguiu os resultados a partir do Orquídea, dirigindo-se neste momento para a sede de campanha, na Rua dos Ferreiros.
A festa da consagração do vencedor ocorrerá dentro em pouco no Largo do Chafariz.
Mas a música já está no ar.

PONTA DO SOL

Albuquerque - 139
Manuel António- 188


BOAVENTURA

Albuquerque - 18
Manuel António- 11

ALBUQUERQUE NOVO LÍDER PSD-M
COM 64% DOS VOTOS


NÚMEROS NÃO OFICIAIS.


Albuquerque no seu quartel-general - Hotel Orquídea


Foto GREGÓRIO CUNHA


CANHAS
Albuquerque - 91
Manuel António- 124


MADALENA
Albuquerque - 19
Manuel António- 19



SÃO VICENTE

Albuquerque - 74
Manuel António- 56

Albuquerque - 76
Manuel António - 26

ARCO DE S. JORGE

Albuquerque - 18
Manuel António - 12


ILHA
Albuquerque - 9
Manuel António - 36

Para descontrair


Jardim na sede de Albuquerque...

Foto GREGÓRIO CUNHA

...no plasma, claro.

Resultados


Ribeira da Janela

Albuquerque - 8
Manuel António - 3


Os primeiros resultados dão vitória a Miguel Albuquerque. Mas trata-se de uma freguesia pequena, que não constitui qualquer indicação de voto quanto ao resto da Região. Basta dizer que na primeira volta o vencedor na Ribeida da Janela foi um candidato, Cunha e Silva, que nem sequer passou à segunda ronda.

2.ª Volta ao Laranjal


ABRIL EM DEZEMBRO
















Miguel Albuquerque ou Manuel António Correia: um deles ganha hoje o direito à liderança do PPD-Madeira. O que significa, essa é que é essa, que o jardinismo mergulha em agonia terminal para sucumbir de uma vez por todas no arrancar do congresso de 10 e 11 de Janeiro.
Agora, pelas 4 da tarde, abrem as urnas que até às 9 da noite estarão à disposição dos cerca de 7 mil filiados social-democratas.

Ao fim da manhã, Manuel António conversava na Av. Arriaga com o seu colaborador Bruno Pereira e com uma figura da área socialista, David Caldeira. Adivinha-se do que se falava. 


Manuel António Correia, que conseguiu chegar à 2.ª volta graças aos quase 30% de votos alcançados dia 19, passou a manhã na Secretaria do Ambiente, de que ainda é titular. Mas não se esquivou às conversas sobre o importante dia que se vive, ali mesmo, na Placa Central da Avenida Arriaga. O candidato não estava eufórico, mas também não se deixou dominar pela ansiedade em face do que está para acontecer nestas 5 horas de votação. Reagia naturalmente muito bem quando os populares faziam questão de se aproximar para lhe desejar felicidades. Mas a esta hora já nada depende dos candidatos.

Miguel Albuquerque passou a manhã de hoje a atender chamadas de cá e de fora - depois dos intensos contactos com simpatizantes nas últimas horas.

Já Miguel Albuquerque esteve até há pouco sem espaço para se movimentar, agarrado que ficou ao telefone em função da autêntica avalancha de chamadas recebidas tanto da Madeira como do exterior. Tudo relacionado com o grande dia que se vive na Região. Quanto ao seu estado de espírito... Pois, não prevê novidade relativamente ao sucedido na primeira volta.

Como se habituar à democracia

Esta eleição no PSD-Madeira transborda das paredes do partido em direcção à sociedade madeirense em geral.
Miguel Albuquerque é considerado um democrata que cultiva o diálogo.
Manuel António Correia, no debate televisivo de sábado, disse do seu desejo de que a posse do governo que sair das regionais antecipadas ocorra no dia 25 de Abril. Um sinal de que o painel de candidatos social-democratas nesta segunda volta tem os olhos postos na implantação de uma democracia plena cá na Região.
Não sabemos como será esta desacostumada Madeira numa democracia normal:
- onde o diálogo não seja praticado na forma do insulto
- onde o cidadão não viva agachado com receio de ser achincalhado na praça
- onde os jornalistas possam trabalhar sem receio de serem expulsos da Região
- onde se entenda o relacionamento com o Estado de forma firme e sem o menor sinal de subserviência, por causa das tentações incuráveis do centralismo de Lisboa, porém num plano civilizado que enfim institucionalize a troca biunívoca de interesses constitucionalmente estipulados
- onde não se vejam plasmados diariamente na imprensa ultrajes à inteligência da população
- onde não se criem facções para as atirar umas contra as outras, no objectivo macabro de dividir para reinar
- onde as pessoas possam concordar ou discordar, pensar e exprimir-se frontalmente sem receio de purgas e de extermínios políticos ou laborais
- onde ao novo parlamento a eleger sejam disponibilizadas as condições regimentais e intelectuais para um funcionamento que não seja nem pior nem melhor do que nos outros pontos do Globo

Oposição: fim das férias

Desconhecemos como será viver na democracia normal que o povo há um par de anos decidiu instaurar - farto da canga de uma ditadura ao estilo coreano que não largou a Madeira nestes 30 anos.
Mas será salutar, certamente. 
Depois deste espaço de tempo a ver o que se passava no partido maioritário, a oposição terá de voltar ao trabalho. Com algum tempo para se habituar ao convívio democrático sonegado pelo soberano da Tabanca, hoje politicamente moribundo. Exigindo que o adversário que lhes aparecer do lado laranja cumpra os propósitos democráticos e de mudança expostos durante a campanha interna.
O futuro dos madeirenses não se afigura fácil. Basta ver a crise que não isenta nenhuma parte do Planeta. E juntar-lhe a desgraça financeira feita de buracos em que o regime tribal do jardineirismo deixa a Região. 
Mas se, ao menos, o grito de liberdade for tão forte que se faça ouvir nas Desertas e nas Selvagens, e dado que um qualquer 'jardinismo sem Jardim' é impossível, então, por mais sacrifícios que o futuro imponha ao povo, a Madeira terá renascido das próprias cinzas.


ONDE VÃO ATRACAR OS NAVIOS DE CRUZEIRO?

ESTÃO A SER GASTOS 18 MILHÕES DE EUROS (COM FINANCIAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA) NA CONSTRUÇÃO DUM CAIS NA BAÍA DO FUNCHAL PARA ACOSTAGEM DE NAVIOS DE CRUZEIRO NA FACE EXTERIOR.
REPAREM, POR FAVOR, NO COMPORTAMENTO DA MONUMENTAL OBRA PERANTE ONDAS DE 1 METRO DE SUDESTE.




Texto e Vídeo: Raimundo Quintal

Programa de Actividades da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal para 2015



Caros Amigos / Caríssimas Amigas,

Envio, em anexo, o Programa de Actividades da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal para 2015.
Para além das actividades de plantação e manutenção das plantações na extremidade mais alta do Parque e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, das sementeiras e repicagens no viveiro na Quinta Jardins do Lago e do percurso pedestre com regularidade mensal, o programa indica as datas das visitas guiadas  da segunda edição de "Jardins com Histórias", uma iniciativa que será posteriormente divulgada em detalhe.

Faço votos para que no próximo ano se junte aos voluntários da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal no trabalho de recuperação da biodiversidade no maciço montanhoso central da ilha da Madeira. A primeira jornada está agendada para o sábado, 03 de Janeiro.

Saudações ecológicas,
Raimundo Quintal







José Manuel Rodrigues
em tempo de antena hoje 


domingo, 28 de dezembro de 2014

2.ª Volta ao Laranjal


MIGUEL DESCONTRAI NA CALHETA




Na véspera da corrida final aos votos do Laranjal, Miguel Albuquerque andou pela zona oeste da Madeira. As imagens mostram a visita do Delfim à lapinha do quartel dos Bombeiros da Calheta.


2.ª Volta ao Laranjal


As derradeiras contas de K666

O agente K666 acompanhou connosco a corrida interna no PSD-Madeira. A horas da eleição final, deixamos o seu último estudo sobre a popularidade de que os contendores Albuquerque e Manuel António gozam nas redes sociais.
A palavra a K666:



Chegados à reta final das internas do PPD e com dois delfins na contenda, apresentamos um balanço ao score de popularidade de Miguel Albuquerque e Manuel António nas redes sociais.


1. MIGUEL ALBUQUERQUE: lidera destacadíssimo as preferências dos internautas, com 8687 fans. Por outro lado, como era espectável, uma vez que é o candidato que, à partida, tem mais hipóteses de ganhar a disputa eleitoral, na última semana foi, de entre os candidatos na corrida, aquele que arrecadou mais novos simpatizantes, aumentando 242 nos últimos 7 dias. Finalmente destaca-se pela interatividade dos apoiantes, registando uma média elevada de interações nos últimos dias.

2. MANUEL ANTÓNIO: Tem pouco mais de um terço de "fans" do que o seu rival. Poder-se-á admitir que a avaliação do Prof. Marcelo possa ter influência nesta contabilidade. Segundo o Professor, Manuel António é o herdeiro do "PSD rural" e Miguel Albuquerque do "PSD urbano", podendo, por isso, arriscar-se a hipótese de o eleitorado do primeiro estar menos familiarizado com as novas tecnologias e, entre as batatas e as semilhas, dar-se menos às coisas do facebook. Mas isso somos nós a especular! Em todo o caso, na última semana Manuel António não tem capitalizado muito e o nível de interações dos seus apoiantes é muito inferior do seu adversário direto.

Nota final: a avaliar pelo barómetro das redes sociais o delfim Manuel António corre o risco de ser despachado amanhã com o ilustre, mui querido e sempre adorado e venerado Rei da Tabanca, pois segundo consta nas fileiras dos apoiantes de Miguel Albuquerque, falta apenas um "anoninho" para vencer a eleição.

Cá estaremos para novas sondagens!

Assim, sendo, caro Calisto, damos por findo esta nossa missão... mas andaremos por aí.

K666








2.ª Volta no Laranjal


DEBATE CONFRANGEDOR

Jaime Ramos transformou-se na 'ovelha negra' do partido... na maneira de ver dos puritanos amnésicos: tu tens apoio do Jaime...; Jardim vai passar esta noite a rir; a oposição também, embora inconscientemente




O debate desta noite na RTP-Madeira com Miguel Albuquerque e Manuel António frente a frente... não existiu. Façam-nos esse favor. Esqueçamos aquelas 4 horas de massacre - se não foram 4, foram mais. Os senhores candidatos que vão lá para a finalíssima de segunda-feira ver quem ganha o lugar de chefe do Laranjal. Sem grandes conversas mais, por hoje. 
Manuel António arrancou ao ataque. De outra forma não poderia ser. Competia-lhe encurtar distâncias. Agitar a batalha, para derrubar o adversário.
Miguel Albuquerque fez por defender as suas posições. Neutralizar a agressividade de quem precisava de ser agressivo. Empatar. Defender a vantagem.
Resultado destas tácticas: um rotundo e desesperante zero-zero-nada.
Manuel António atacou, pois. Mas mal. Disse que conseguiu os seus objectivos - chegar à segunda volta. Ao passo que Miguel não conseguiu o seu objectivo. Que era ganhar logo à primeira.
Miguel defendeu pior. Não foi capaz de perguntar coisa deste género: então tu com 29% é que conseguiste um objectivo, ao passo que eu, com 47%...
Manuel António atacou mais: eu não faço negócios na vida política...
Miguel não se defendeu assim: queres que abra o livro?
Manuel António disparou que Miguel é ralativista, actua conforme o momento.
Miguel não respondeu: então dizer o que dizes do jardinismo, que te demarcas do mal feito e te identificas com o bom, que mais relativista pode haver?
Percebemos a discrição do melhor colocado, Miguel. Quanto menos ondas nesta fase, melhor. O tal empate.
Mas exigia-se mais.
Sobretudo quando Manuel António apareceu a diabolizar Jaime Ramos. MAC insinuou que Albuquerque ficaria futuramente dependente do ainda secretário-geral.
Ora, como pode um candidato que ganhe o partido ficar dependente de outro candidato que obtém 47 votos dos militantes?! 
E mais: Manuel António percebeu há quanto tempo que Jaime Ramos é um diabo à solta, um assassino e corrupto que queima quem estiver próximo de si? Descobriu isso há meia dúzia de semanas?
Depois, o reformismo. Manuel António reivindica esse projecto, reformista. Propõe-se protagonizar o ciclo que se segue ao jardinismo. O candidato indicado pelo inventor do jardinismo, Jardim, a ser o reformador do jardinismo! 
A mesma trapalhada na discussão gaga e atropelada sobre a Fundação Social Democrata.
Manuel António ao ataque, como lhe competia. Na onda da maçonaria, trilateral, ingleses, o surrealismo do seu chefe.
Incompreensivelmente, Miguel Albuquerque abdicando de uma defesa que seria tão fácil - e até proporcionadora de um ataque demolidor, arrasador. Nada. 
A oposição deve estar a rir. Embora sem jamais se ter mostrado capaz de menos mau.
Agora... rir sem parar e com justificada vontade é direito do ainda chefe do PPD. Se viu aquela hipótese de debate, que gargalhada! 
Da nossa parte, e para defesa de pessoas nossas amigas como são os dois contendores, vamos fazer de conta que este debate não existiu.

sábado, 27 de dezembro de 2014

2.ª Volta ao Laranjal


ALBUQUERQUE vs MANUEL ANTÓNIO

Esta noite na RTP-Madeira








Debate depois do telejornal.
Manuel António Correia no objectivo de neutralizar a diferença de quase 20% de votos favorável a Miguel Albuquerque à primeira volta, dia 19.
A grande disputa, com resultados concretos, será na segunda-feira.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

2.ª Volta ao Laranjal


MIGUEL NA NOITE DO MERCADO
DA RIBEIRA BRAVA

O candidato à liderança do PSD Miguel Albuquerque também não abranda. Não se esqueceu da Ribeira Brava nas tradições de Natal.