sexta-feira, 28 de julho de 2017

Desqualificação política



Paulo Cafôfo e o Lazareto:
mentira e/ou desonestidade





Com esta sorridente despreocupação, o recandidato da Confiança à Câmara do Funchal disse que abordar novas construções para o Lazareto é "falar no vazio". Porque, assegurava ele, nada deu entrada na CMF. Como num jogo de palavras: diz que não entrou nenhum projecto, mas esconde a aprovação à pressa de um Pedido de Informação Prévia que vincula a Câmara a deixar avançar o projecto, mesmo que o novo PDM já esteja em vigor. 


Quem tenha visto a oportuna peça emitida no Telejornal da RTP-M terça-feira passada deve ter pensado: por que diabo andam a fazer a vida negra ao presidente da Câmara do Funchal?!
Entrevistado nessa peça do noticiário sobre o badalado projecto de construção de um assustador edifício para o Lazareto, iniciativa empresarial que vem provocando veementes protestos por parte dos moradores da zona, Paulo Cafôfo deitava água na fervura com o inseparável sorriso a inspirar 'confiança', aliás mote da sua campanha: em suma, insistiu em que deviam estar todos tranquilos porque não entrara projecto nenhum na Câmara e, assim sendo, estava-se a "falar no vazio". Ou seja, tratava-se de um projecto-fantasma de tipo desconhecido, sem quaisquer dados sobre a volumetria do "possível investimento". Disse ele.





Já no domingo anterior, o 'Gabinete de Apoio à Presidência da Câmara do Funchal' recorrera à imprensa para desmentir as denúncias dos residentes na zona do Lazareto, garantindo que não havia projecto nenhum e que todos os esclarecimentos já haviam sido prestados aos interessados - os queixosos.
Mau! Afinal, os moradores andavam a divertir-se, inventando receios de que uma ou duas construções tipo Savoy estariam a ser cozinhadas para os seus lados? 

Estamos a pegar no assunto porque as posições de Cafôfo na TV e do Gabinete de Apoio na imprensa surgiram como reacção ao artigo do Fénix do Atlântico aqui publicado sobre a matéria em causa faz hoje, sexta-feira, oito dias. 
Como os Leitores se recordam, veiculámos a seguinte situação, com base nas informações dos moradores: 
- um grupo denominado Novo Milénio Lda, com o barão do cimento Avelino Farinha à cabeça, pretendia levar por diante os projectos aqui acima referidos, um no Largo do Lazareto, ravina incluída, e outro na zona do Cemitério dos Judeus; 
- o projecto (ou os projectos) teria sido entregue na Câmara para ser aprovado a velocidade supersónica, até 20 deste Julho, porque a 21 começava o novo PDM a ser discutido e adeus ambição de construções megalómanas, porque o novo PDM deve reduzir os índices quase para metade e o início da discussão suspende tudo;
- cientes da situação, os moradores insinuaram-se junto da Câmara, apresentando , entre mais pedidos, um abaixo-assinado; 
- não houve respostas ou explicações nenhumas da Câmara aos interessados; 
- ...pelo que se supunha que a edilidade estaria disposta a deixar avançar o projecto dos promotores.

O que os moradores tentavam era conseguir as boas graças da Câmara no sentido de se evitarem as tais construções de última hora. Em nome da qualidade paisagística do seu sítio. Porque, à luz da legislação em vigor, o projecto estaria dentro dos parâmetros legais. 

Mas se queria dar o jeito ao promotor e a legislação o permitia, por que não tratou Cafôfo simplesmente de fazer aprovar tudo a favor de Avelino e estaria tudo consumado? Só pode ser por uma razão: o primeiro edil funchalense pretendia deixar passar o processo fora das vistas até depois das eleições de 1 de Outubro. Assim, ficava bem visto com o promotor e evitava ouvir dos moradores, até Outubro, que no Lazareto estava na forja mais um 'Savoy'.

A Câmara mentiu. A começar pela afirmação peremptória de que forneceu as explicações solicitadas pelos moradores. Ninguém recebeu explicação nenhuma. 
Depois, piorou. Paulo Cafôfo apareceu diante das Câmaras a jurar que não entrou semelhante projecto - do edifício - nos serviços competentes. Realmente, não entrou projecto nenhum. O que não iliba o homem da 'Confiança': não mentiu, mas praticou grosseira desonestidade que envergonha os seus munícipes.

Cafôfo disse diante das Câmaras da RTP terça-feira, 25 de Julho, que abordar qualquer hipótese de construção para o Lazareto era "falar no vazio", reforçando: "Não sabemos que tipo de projecto nem que volumetria ou sequer que características terá este possível investimento." Ou seja: estamos a falar do que não existe.
Acontece que mais de mês e meio antes, com data de registo em 13 de Junho, a empresa Novo Milénio - Empreendimentos Imobiliários, Lda, fizera chegar às mãos do Presidente da Câmara cópia do "parecer favorável" da Direcção Regional do Ordenamento do Território e Ambiente (da SRARN) "sobre a Informação Prévia para a Construção de um Edifício de Habitação Colectiva - Localizado na Praceta do Lazareto". 

Um mês e meio depois, portanto, Paulo cafôfo referia na TV ter havido "investidores que abordaram numa primeira fase a autarquia, mas que nunca avançaram com nenhum projecto ali para aquela zona". O tal jogo com a palavra 'projecto'.
Mas vejamos: para o efeito prático que interessa, aprovar o projecto ou aprovar o Pedido de Informação Prévia para a construção vai dar no mesmo. Porque este último reveste-se de carácter vinculativo. Recorde-se que a Informação Prévia comummente vincula as entidades competentes na decisão sobre um eventual (no caso mais do que certo) pedido de licenciamento.
Ou seja, os promotores não avançaram com o projecto, porque não tinham tempo de o preparar, mas, com uma minúcia bem concatenada entre as partes, conseguiu um parecer positivo, atribuído pela Câmara no abençoado dia 20 de Julho, véspera do início da discussão do novo PDM. Ou aprovavam ou deitariam a trama toda a perder.
Nessa reunião municipal plenária do dia 20, o assunto passou distraidamente entre os dedos dos vereadores da oposição. Um deles confessa-nos nem ter reparado de quem era o projecto (ou 'pedido de parecer') ou sequer do que realmente se tratava. Acrescenta o vereador que só deu pela dimensão do problema na página do Fénix, um pouco mais tarde. "Foi aí que eu soube também do abaixo-assinado dos moradores, porque na Câmara não nos facultaram o documento. Nem tão-pouco os moradores nos entregaram o abaixo-assinado."
Já com o tempo a pedir praia, todos os vereadores deram o voto favorável ao assunto - aliás dentro da legalidade, como acima dizemos. 
Foi aprovada então a proposta de deliberação dos técnicos da Câmara, que por sua vez tinham o parecer positivo da Secretaria do Ambiente. O parecer favorável aprovado seguia em frente com apenas duas condicionantes: eliminação do piso -1 tal como era proposto; salvaguarda da distância de 10 metros entre o edifício proposto e a crista da arriba.

Paulo Cafôfo acha melhor não "falar no vazio". Mas a acta da reunião do plenário a que ele preside não é no vazio que fala. A acta do dia 20 fala muito concretamente do Processo do Novo Milénio - Empreendimentos Imobiliários, Lda (proc.º 15971, sub-proc.º 2017000259), relativo ao Pedido de Informação Prévia para a obra de construção de um edifício de habitação colectiva, a levar a efeito no Caminho e Praceta do Lazareto, freguesia de Santa Maria Maior, tendo a Câmara deliberado, por unanimidade, deferir, de acordo com a informação da Divisão de Gestão Urbanística (datada de 2017/07/17).

Há três dias, depois de todo este processo em que tomou parte activa, como Presidente da Câmara, Paulo Cafôfo alardeava na televisão, sem se dispensar daquele sorriso de quem está descansado quanto à veracidade do que afirma:
"Houve já investidores que abordaram numa primeira fase a autarquia, mas nunca avançaram com nenhum projecto ali para aquela zona. O PDM está em revisão, há sempre possibilidade de alguma construção, obviamente dentro dos parâmetros. Eu não sei bem que empreendimento ou que dimensão possa existir... Neste momento, temos de estar tranquilos porque não deu entrada qualquer projecto, portanto, sem isso, estamos a falar no vazio. Não há, nem sabemos que tipo de projecto nem que volumetria ou sequer que características terá este possível investimento."    
Para finalizar, eis um dos documentos que o Mayor garante não existirem. Bom, isto se ele não vier dizer outra vez que só fala de projectos para cima.
Que vazio de ideias!





55 comentários:

Anónimo disse...

Paulo Cafofo é mentiroso compulsivo.
Mente a propósito dos valores da dívida da CMF, mente a propósito da redução da dívida, mente a propósito dos prazos de pagamento a fornecedores, mente a propósito dos investimentos na rede de água, mente a propósito do Lazareto, etc etc etc
Enfim, como o Dr. Prada escreveu outro dia numa carta do leitor do Diário de Notícias, nem é (baixa) política, é uma questão de (mau) carácter. Nem mais.

Anónimo disse...


Deus perdoai-lhe pois é uma doença. Ele tanto mente e tanto repete mentiras que julga que está a dizer a verdade.
Já os funchalenses não vão perdoar-lhe

Anónimo disse...

Daqui por pouco mais de 2 meses o Funchal vai um(a) novo(a) presidente, aí sim a cidade vai ter outra governação

Anónimo disse...

Cafofo quando perderes a eleiçoes autarquicas vais lavar os dentes 5 vezes por dia até o resto da tua vida.

Anónimo disse...

Mas ele diz que defende os munícipes e coisa e tal e blá, blá, blá. Fonix mas quem é que vota nestes gajos...além do mais se ele ganha o Pereirinha vai levar coice....Coitado tanto lutou para presidente não vai passar de um simples concorrente....hahahaha

Anónimo disse...


Ainda estou a vê-lo na televisão a negar há um par de dias. Como negou no Diário de Notícias. Que enorme lata. Que falta de vergonha.

Anónimo disse...

Paulo Cafofo até poderia ter dito logo que tinham aprovado pois não estava a violar lei nenhuma. Estava de acordo com o PDM
Nem eticamente era censurável.
Mas quis dar uma de amigo das pessoas, que está atento às preocupações das pessoas, etc.
Para apenas ganhar mais uns votos.
E apenas por isso mentiu.

Anónimo disse...

Continuem e votem nesse mentiroso! Bastou o homem vestir um colete nos incêndios pq não sabia o q fazer na proteção civil e eis que já é o melhor! Votem nele! Inspira muita confiança !

Anónimo disse...

Só falta vir agora o presidente da câmara a enrolar, a dizer que o que foi aprovado foi um pedido de informação prévia e não um pedido licenciamento. Para quem não sabe é praticamente o mesmo. Leiam o RJUE que está no DL 555/99, artigos 14 a 17, nomeadamente 17 n1
"1 - A informação prévia favorável vincula as entidades competentes na decisão sobre um eventual pedido de licenciamento e no controlo sucessivo de operações urbanísticas sujeitas a comunicação prévia"

O município fica vinculado ao que pedido de informação prévia que aprovou. É como se tivesse licenciado.

Nao venha brincar com palavras pois a emenda será pior que o soneto. Ainda ficará mais evidente a sua desonestidade






Anónimo disse...

O AFA meteu o Cafôfo no bolso.
Foi supersônico. Quase tão rápido quanto levou este requerimento a ser aprovado.
Ainda se percebe que ao fim de muitos anos, estreitam-se as cumplicidades que depois se fique na mão de alguns empresários.
Mas ao fim de 3 anos. Logo alguém que vinha para mudar, que tinha criticado as práticas anteriores.
Estou desiludido. Lamento Presidente, mas desta vez já não leva o meu voto. Sinto-me enganado.

Anónimo disse...

Se isto for bem denunciado na imprensa e na TV pela oposição, adeus eleições para o Cafôfo.
Isto tem que ser aproveitado e bem divulgado.

Anónimo disse...

Nem Cafofo nem Leal, há alternativas.

Anónimo disse...

Mas isto não era o que outros tinham pensado para a praia do toco, há uns anos atrás? E o que vale o lazareto hoje? É uma zona que não precisa de requalificação urbanística?

Anónimo disse...

Requalificar uma Zona nao é autorizar Monstros Cafofos. Depois do Savoy que teve a assinatura final cafofinha, agora mis Um. Por isso o Acelino diz que o Xafofo é o novo Unico importante

Anónimo disse...

Precisa de requalificação , mas não tapando os residentes que lá moram há muito tempo

Anónimo disse...

Onde anda o José Francisco e a LPM?
Como podem negar estas falsidades do seu candidato?
Num país civilizado já estava no olho da rua.
Mau de mais para ser verdade.

Anónimo disse...

Esta pouca vergonha tem de ser denunciada por todos os candidatos à Câmara Municipal do Funchal.
E que andam a fazer o Diário de Notícias e a RTP Madeira que deram palco ao Presidente da Câmara para negar factos que meia dúzia de dias depois se provam que eram verdadeiros?
Estou à espera do Diário de Notícias e da RTP Madeira que venham agora desmentir o que o Presidente da Câmara disse há menos de uma semana. Enquanto não o fizerem eu e a minha família não vão mais comprar o Diário nem sintonizar na RTP Madeira. Isso é certo.

Anónimo disse...

Não vi nem uma linha no DN de hoje sobre o tema? Nem na RTP Madeira se debruçaram um segundo sobre o mesmo.
Era importante por o Cafofo a falar a dizer mentiras, que tinha recebido os moradores, que não tinha entrado qualquer projecto. Agora que o Fenix lhes dá de bandeja um motivo de reportagem à seéria (já agora era tão fácil falar com um dos subscritores do abaixo assinado para provar como não foram recebidos por ninguém na CMF)
Que raio de criterios jornalísticos é que usam? Uns as 2a, 4a e 6a e outros as 3a, 5a e sábados.
Ainda são piores que Cafofo.
Vergonhosos

Anónimo disse...

Cafofo não tem emenda.
São mentiras de mais em tão pouco tempo.
E mentiras por coisas sem grande importância.
Assim se vê a sua ética ou melhor falta dela.

Anónimo disse...

Como se diz em bom madeirense, mente com quantos dentes tem.
É um indivíduo com mau carácter.

Anónimo disse...

Isto devia ser notícia nacional para Costa e Bernardo Trindade, no sofá das suas mansões no rectângulo, virem que tipo de pessoa estão a tentar impor aos funchalenses. Será que não têm nem um pingo de vergonha ou um problema de consciência? Será que se revêem neste tipo de comportamentos? Digam qualquer coisinha...

Anónimo disse...

Do que não precisam os funchalenses são das mentiras crônicas do seu presidente da Câmara. Disso não precisam

Anónimo disse...

Como é possivel um presidente da camara mentir assim descaradamente. Afinal em vez de defender os funchalenses anda escondendo e protegendo os patos bravos.

Anónimo disse...

eu não sou cafofo fique bem claro mas aquela Lazareto está muito mal tratado , eu não ficaria chocado com algo parecido ao projeto do toco , não tira as vistas as pessoas que já vivem lá e requalifica a zona , bonzinho era uma promenade desde a Barreirinha até ao Vila Mar e claro o Vila Mar ser transformado em algo turístico onde as pessoas pudessem ir a um restaurante a um bar , ter um parte hoteleira .
As crianças que agora andam por lá seriam transferidas para a aquela Escola de São Martinho a nova que tem muito melhores condições e estariam melhor instaladas e não como agora que parecem jogadas para um canto da Cidade

Anónimo disse...

Não sou contra a construção, mas sou sem dúvida contra a mentira. E isso é o que está aqui em causa.
Cafofo, como presidente eleito, nunca deveria ter mentido. E se os moradores fizeram um abaixo assinado, ele tinha toda a obrigação do mundo de responder ou até receber os moradores e explicar o que estava a ser solicitado.
MENTIR É TAPAR O SOL COM A PENEIRA - NUNCA.
E o problema do CAfofo é não enfrentar os problemas e mentir, mentir, mentir...

Anónimo disse...

Ao comentador das 09.38
Eu só fico profundamente chocado com as repetidas mentiras do nosso Presidente da Câmara.
Quanto ao resto, em vez de um, até podem fazer dois Emprise State Buildings lá. É-me indiferente.

Anónimo disse...

É mentira e desonestidade juntas, a la Pepsodent!

Anónimo disse...

Avelino dixit: "Paulo Cafôfo é um segundo Alberto João Jardim".
Porque será?

Anónimo disse...

A zona do Lazareto necessita de ser requalificada. Precisa de uma nova dinâmica, é uma zona habitacional com alguma degradação, sem movimento económico e que certamente será bem-vindo uma nova vida para aquela zona. Os candidatos à CMF deviam apresentar as suas ideias para aquela zona. Um empreendedorismo hoteleiro é uma hipótese, caso seja para manter a vista dos moradores, terá que ser numa cota baixa. É uma questão de abrir o debate, apresentar ideias, soluções inovadoras e conseguir um largo consenso de todos.

É grave o Fénix ter acesso a documentos administrativos da CMF. Onde é que está a ética e o profissionalismo? Isto, para mim, é grave. Nem falo do conteúdo dos documentos, se servem para apertar com o Paulo Cafôfo, é um procedimento grave e que quebra uma relação de confiança que deve existir entre a Autarquia e o Munícipe.

Anónimo disse...

O Cafofo acabou de perder o meu voto. Eu ia votar nele porque era preciso ir contra as promessas mentirosas do PSD. Mas o Cafofo mentir assim. Vou votar num partido mais pequeno daqueles que diz as verdades. Não precisamos de mentirosos.

Raghnar disse...

"É grave o Fénix ter acesso a documentos administrativos da CMF. Onde é que está a ética e o profissionalismo? Isto, para mim, é grave. Nem falo do conteúdo dos documentos, se servem para apertar com o Paulo Cafôfo, é um procedimento grave e que quebra uma relação de confiança que deve existir entre a Autarquia e o Munícipe. "

Sim, já "eleitos" pelo povo mentirem com os dentes todos é perfeitamente normal e aceitável. E claro que não "quebra a confiança" entre autarquia e munícipes. Ah como bom seria se o povo apenas tivesse acesso ao seu sorriso pepsodent e aos discursos pagos a peso de ouro às empresas de comunicação...

Isso sim serviria para "reforçar a confiança"!

Anónimo disse...

É grave a Fénix ter acesso a documentos administrativos ? eles são públicos a partir do momento em que são entregues aos interessados , por outro lado compete aos funcionários zelar pela defesa do interesse publico , já que os órgãos de fiscalização , as policias e o Ministério Publico entraram de ferias há mais de três anos , fica pelo menos a denuncia publica .
Bem haja a Fénix que é a única voz de denuncia do saque que está a ser feito.

Anónimo disse...

Afinal, deu a entrada na CMF um projecto urbanístico para a zona do Lazareto? Ou somente deu a entrada na CMF um pedido de parecer prévio, onde se explanou as áreas urbanísticas, de modo a saber se era possível avançar com a fase de elaboração do projecto urbanístico?

Pelas palavras de Paulo Cafôfo nenhum projecto urbanístico deu entrada para aquela zona. Houve contactos, tal como o pedido de parecer prévio comprova, mas nada de significativo. Ninguém sabe que volumetria terá, nem tão pouco em que consiste o dito projecto, já que aparentemente esse projecto urbanístico é inexistente. Pelo parecer prévio, cá publicado, deu-se a conhecer que medidas urbanísticas estão autorizadas para aquela zona em específico.

Pedir um parecer prévio, segundo dados de um futuro projecto urbanístico, é bem diferente de apresentar um projecto ou sequer que vá ter aquelas medidas. Mas se dizem que o Paulo Cafôfo mentiu, então o Fénix podia cá publicar o projecto urbanístico que deu entrada na CMF, se tem acesso a um pedido de parecer, certamente conseguirá acesso a um projecto. Caso contrário, na minha modesta opinião, o Paulo Cafôfo mentiu coisa nenhuma.

Luís Calisto disse...

12.57

A propósito do repto lançado por este senhor ao Fénix:
Essa poeira lançada sobre um assunto tão claro deve ser mais uma das 'brilhantes' tácticas da LPM - que tão caras estão a custar aos funchalenses.
Mas, se acaso se trata de dislexia do senhor, aproveite as férias para meter um explicador de Português e depois releia o texto.
Mais nada se pode fazer, num caso ou noutro.

amsf disse...

Caro 12:57

A mim preocupa-me o facto da legislação sobre pareceres prévios garantir o direito, por um ano, ao peticionário de usufruir da legislação presente mesmo que entretanto o PDM seja mudado de forma mais restritiva. Quanto a isto o câmara nada pode fazer pois não é a responsável por esta legislação. Aquele parecer prévio tinha que ser dado e quanto a isto a CMF nada podia fazer. No entanto o Cafofo devia saber que por um ano, a empresa que pediu o parecer prévio pode apresentar um projecto que respeite as condicionantes actualmente existentes e talvez devesse ter alertado para esse fato na peça da RTP/M. Claro que os orgãos de comunicação social não transmitem na integra o que é dito e também o Cafofo não tinha que dar ali uma lição de direito. Podia é ter aproveitado para puxar a brasa à sua sardinha e afirmar que as alterações no PDM que propõe pretendem evitar novos Savoys.
Claro que toda esta polémica não é inocente e não se sabe se a CMF terá respondido ao responsável pelo abaixo-assinado. É fácil promover um abaixo-assinado e depois afirmar que não receberam resposta porque esta não enviada é a cada um dos peticionários.

Quando não há informação oficial só resta à população acreditar no que ouve e como sabemos nesta altura há muita gente interessada em manipular até porque enquanto nos entretemos com isto não nos entretemos com situações que penalizariam outros.
No que diz respeito à comunicação não tenho dúvidas que a CMF está a trabalhar mal. Até parece que não sabem que se a verdade chega depois do boato ter triunfado a opinião pública já não tem condições psicológicas para acreditar nela pois foi cúmplice no seu alastrar.Ouve-se dizer: "sempre soube que ele não era de confiança" mas nunca "tenho que reconhecer que fui injusto na avaliação de fulano e andei a difama-lo mas agora vou retirar, junto dos amigos e conhecidos, tudo o que disse sobre ele".

Anónimo disse...

Gostaria que este blog, fizesse o mesmo com os documentos administrativos do GR e da ALM! Acho impossivel porque os mesmos andam sempre escondidos, nem trabalhadores, nem outras pessoas, incluindo politicos os conseguem. Como nos serviços de Cafofo, os mesmos tornam-se publicos, nos organismos dominados pelo PSD, isso nunca se passa !

Anónimo disse...

Esta tralha cafofiana anda desesperada e depois para tapar as mentiras do srº cafôfo dizem que não é legal publicar alguns documentos da CMF. Ao jornalista é permitido publicar tudo desde que se enquadre na lei de imprensa, estatuto do jornalista e código deontológico! há jornalistas que preferem ser presos, do que divulgar as suas fontes de informação, porque não são obrigados a isso, chama-se sigilo profissional, e preferem ir presos do que dizerem em tribunal qual foi a sua fonte de informação! há ainda grandes jornalistas nesta região! E é um dever dos jornalistas informar a população das "moroscas" que se "cozinham" em algumas autarquias. É pena é o MP estar a dormir há muitos anos na Madeira!
O cafôfo é o melhor aliado dos "patos bravos" e "tubarões" da mamadeira!

Anónimo disse...

Gostei do texto do anónimo das 12:57. O Paulo Cafôfo não mentiu. Concordo consigo Senhor anónimo. Misturar alhos com bugalhos é no que dá.Desde que, obsessivamente, seja para ataques de caráter. Assim não.
Quanto à dívida da Câmara do Funchal, aconselho, meus senhores e minhas senhoras, à leitura do DN do dia 27 de julho. O gráfico está muito bom. Clarinho como água. Cafôfo mentiu? Claro que não. A dívida deixada pela anterior vereação reduziu? Muito.Reduzir a dívida foi muito bom.Como diz o senhor do anuário financeiro ( DN de 25 de julho),sim senhor, porque há a Lei das finanças locais e há uma lei que se chama dos compromissos e dos pagamentos em atraso que trás muitas obrigações.

Anónimo disse...

E o que andaram a fazer os vereadores da oposição especialmente o srº Artur Andrade da CDU e o srº José Manuel Rodrigues do CDS? São os melhores aliados do srº cafôfo! Que pouca vergonha é esta?

Anónimo disse...

Lá que a zona do Lazareto precisa de requalificação,precisa.Mas senhores, com juízo.O território e as pessoas que o habitam, merecem atenção e respeito.E também merecem respeito os que o habitarão no futuro. Requalificar exige conhecimentos, muitos conhecimentos: Técnicos,ambientais, éticos, sociais,arquitectónicos.Palpites todos dão. Sabedoria é que não é para todos.

Anónimo disse...

Com o drº Gil Canha na CMF estas "jogatanas" não eram possíveis de cozinhar! Foi por isso que cafôfo lhe retirou os pelouros do urbanismo. Os "patos bravos" esfregaram as mãos de contentes, logo que Gil Canha foi expulso da Autarquia! Mas tenho esperança que o srº Gil Canha volte o mais rápido possível para combater esta podridão, em que uns podem fazer tudo e a maioria não pode fazer nada!

Anónimo disse...

Ó das 12.57 e outro das 15.30.
O Cafofo não mentiu. Apenas não disse a verdade.
Conversa de advogado.
Sabedoria popular: Cafofo mentiu descaradamente.

Anónimo disse...

Hahahahhahahahahah você tem piada

Anónimo disse...

Estão todos enganados, Cafofo esqueceu-se do que tinha aprovado uns dias antes
Ao Sr. Presidente, recomendo Memofante

Anónimo disse...

Deixemos de brincar com as palavras. O PIP é, grosso modo, um licenciamento. A aceitação deste pedido vincula a câmara municipal na decisão sobre o licenciamento. Houve um comentário que até copiou o artigo 17 do RJUE.
É uma meio mais expedito, que hoje toda a gente usa, por ser mais célere e que depois de aprovado, sendo vinculativo para a câmara, é facílimo converter em licenciamento.
O Presidente da Câmara sabia disto e até tenho a certeza que estava sincronizado com o promotor. Os demais vereadores foram "patos", no meio de tanta deliberação à presa na reunião de 20 de Julho, esta passou sem "espinhas". Vejam a acta no site da CMF que é um documento publico. Pagina 24.
Recomendo aliás ao Presidente da CMF de não vir a dizer que o que disse é verdade, que não entrou um projecto, mas um PIP, blá blá.
Ainda se enterra mais. Ainda ficará mais evidente a sua desonestidade.
É melhor dizer que se esqueceu, se bem que o que ele mandou escrever no Diário foi dois dias depois da aprovação e o que ele disse na televisão foram 5 dias após a aprovação...


Anónimo disse...

Ao das 12.57 e ao das 15.30

Se mentiu!bRecomendo a leitura do RJUE dos artigos 14 a 17.

Como mentiu quanto às contas. Não está em causa a redução da dívida. Está em causa que mentiu quanto ao valor inicial da divida (94milhões) e não mais de 100 milhões ou mais de 110 milhões, como disse e escreveu. E não reduziu nem 45 milhões, nem metade da dívida, como disse e escreveu, reduziu 32 milhões, que é um terço.

Como mentiu quanto a tantos outros temas.

Aliás, a começar a fazer inveja ao Pinóquio...

Anónimo disse...

Tenho, não tenho ?
Dou baile em especialistas da LPM.

Anónimo disse...

Não senhor anónimo das 19:58, o Presidente Paulo Cafofo não mentiu sobre a dívida. O senhor que vá ler o diário de notícias sobre o valor da dívida.Foi a 27 de julho e está tudo preto no branco.Até tem percentagens em relação à dívida e aos valores ( Dívida da Câmara dá para todos os gostos).Então o gráfico está clarinho, clarinho. O povo tem cabeça.E não gosta de quem faz dívidas aos milhões e milhões.Se todos ficassem a dever como é que os fornecedores pagavam aos seus trabalhadores? E como pagavam os impostos ao fisco e à segurança social?

Anónimo disse...

Este projecto não existe, não foi apresentado, nem discutido em reunião de Câmara, não está em qualquer acta. Este projecto foi inventado pela oposição para fazer a Coligação perder votos. O eleitorado, os Funchalenses, não são estúpidos.
Quem apresentou o projecto do Toco foi o Miguel Albuquerque, quando a Rubina Leal era Vereadora e também apoiava o referido projecto.

Anónimo disse...

O das 12.41, ou você tem um fino humor ou quer mesmo fazer-nos passar por estúpidos.

O projecto, sobre forma de PIP - Pedido de Informação Prévia, existe, foi apresentado e não compreendo a razão (dada a habitual demora), foi aprovado em reunião de câmara municipal do funchal de 20 de Julho, passadas uma par de semanas, presidida por Paulo Cafôfo, como conta da acta e de vários outros documentos.

Cafofo 3/4 dias depois de aprovar diz que não entrou projecto, não sabe do que estão a perguntar-lhe, etc etc.

Cafofo devia pedir desculpa a todos os funchalenses.

Nem que fosse alegando falta de memória!!!!

Anónimo disse...

Paulo Cafôfo não mentiu sobre a dívida.
Pedir desculpa quem e porquê?
Haja decência e memória.

Anónimo disse...

Comentador das 20.35

Cafofo mentiu e de que maneira sobre a dívida. Várias vezes quer sobre o valor que herdou da gestão anterior, quer sobre o valor da redução.
E a mentira foi tanta que até se desmentiu a si mesmo uma das vezes. Se se desmentiu, significa que uma das vezes disse a verdade, quando em 2014 disse e escreveu que tinha herdado uma dívida de 94 milhoes de euros da vereação anterior (veja o site da CMF) e este ano já disse, mentindo,, que a dívida herdade tinha sido superior a 100 milhões de euros e também disse e escreveu, mentindo, que a dívida era de 110.000 mihloies.. Se quiser vou digo-lhe as edições do DN onde isso está escarrapachado.
Você deve ser dos tais que tem memória selectiva.
Devia pedir desculpa por essa mentira e por muitas mais. Só este ano, ja mentiu umas 6 x, que eu me lembre.
Mas não necessita de pedir desculpa, os funchalenses não vão desculpá-lo a 1 de Outubro.

Anónimo disse...

Bom, mesmo que seja 94 Milhões, Pergunto:
O que é que estes estupores do PSD na Camara dirigidos pelo Albuquerque Promessas Falsas fizeram para gastar tanto dinheiro do erário público? Ou agora querem passar sabão macaco para branquear tudo isto.
Divida astronómica que eu agora tenho de pagar enquanto os outros levaram as luvas.
Isto apenas numa Camara com cerca de 110.000 habitantes, deveriam estar a participar nalgum concurso de ver qual era o que espatifava mais dinheiro.
E ninguém vai preso! Agora para deitarem areia nos olhos e não se lavarem com sabão macaco veem para cá discutir 94/100/110 como se essa diferença fosse abismal, apenas são de diferentes leituras quando se interpreta o mês em que decorreu a divida.
No dia das Eleições esta cambada de despesistas, corsários e salteadores vão levar com pau no lombo para tomarem juízo.
Realmente só desovergonhados e sem pingo nas ventas é que veem para cá com esta conversa de encher chouriços. Vou comprar uma remessa de espelhos para lhes enviar.
Nos dias de hoje e a versão dos factos não devemos roubar 1 euro que é considerado roubo, mas sim 2 euros que já é um investimento.

Anónimo disse...

Ó das 22.08, estavas inspirado.
Até se podia discutir finanças públicas. Mas com tanto ressabiamento é melhor não.

Anónimo disse...

Espero mesmo que não haja perdão para esse traste!
E que a 1 de outubro ele desapareça da Câmara de um vez por todas!!!