terça-feira, 11 de julho de 2017

REPORTAGEM



Parque de estacionamento
"Galerias S. Lourenço"
 Funciona de Forma Irregular


Na altura da reportagem, era este o aspecto à entrada do parque de estacionamento


Parque de estacionamento junto do Palácio S. Lourenço não emite facturas aos utilizadores nem apresenta sinalização adequada. Denúncias de utentes chamaram a atenção das entidades fiscalizadoras, que já confirmaram as alegadas desconformidades.


GIL CANHA com K-Parques

Confrontadas com as queixas, as entidades competentes fizeram uma acção de inspeção, que veio a confirmar os atropelos à legislação. Os quais, presume-se, seriam já de longa data. O resultado da vistoria foi o levantamento de vários processos à gerência do parque Galerias S. Lourenço. (A Câmara Municipal do Funchal não participou, porque um dos sócios do parque, Mr. Michael J. Blandy, tem chorudos negócios com a autarquia)
A suspeita de estarem a ser praticadas diversas irregularidades no parque das Galerias S. Lourenço foi denunciada ao K-Parques há meses, por um utente que solicitou anonimato e que apontou então uma série de desconformidades. A começar pela sinalização exterior. A luz do sol não deixa os condutores lerem a informação que está escrita no painel electrónico situado na esquina junto da “Casa do Turista”, e assim não conseguem saber se o parque está ou não completo. Informações estas que devem estar bem visíveis, para não criar os constantes engarrafamentos na Rua das Fontes, artéria que tem como única saída o própria parque.

Quando um condutor entra na citada rua, ainda tem de percorrer cerca de 50 metros até à entrada do parque. Estando o estacionamento cheio, já não consegue fazer inversão de marcha; caiu numa armadilha e tem de ficar ali a levar seca até conseguir entrar.  E a situação agrava-se quando os comerciantes da Rua das Fontes estão a descarregar/carregar mercadorias para os seus estabelecimentos. Então, a artéria vira um verdadeiro pandemónio.
Para agravar, à saída do parque para a Calçada de São Lourenço, não há sinal obrigatório para virar para a esquerda. Muitas pessoas viram para a direita e dão com o carro de frente para a esquina do baluarte do Palácio de S. Lourenço, o que prova “a má sinalização da artéria”, segundo frisou o nosso utente queixoso. 
Já no interior do parque, a gestão do mesmo deixa também muito a desejar. A começar pela aparente incongruência no horário de funcionamento, que tem um aviso surreal, a informar que após a meia-noite há uma cobrança duma taxa extra de penalização nocturna de 10 euros.
As alegadas irregularidades prosseguem nos acessos interiores aos lugares de estacionamento, uma vez que dentro do parque, além de não existir sinalização de trânsito, também não são claras as marcas no pavimento (ver foto), o que dificulta a circulação e execução de manobras dos veículos. E porque as marcas não estão dimensionados por forma a permitir a fácil circulação de todos os veículos, ‘colide’ também o facto de que a empresa, para rentabilizar todo o espaço disponível, apertou os estacionamentos de tal forma gananciosa, que grande maioria deles nem têm as medidas regulamentares, o que obriga a uma verdadeira ginástica com o volante por parte dos condutores que têm o azar de se meter naquela “caixa de sapatos” (não são palavras nossas, são do utente denunciante).
Precária é também a sinalização à saída do parque, onde levanta sérias dúvidas o facto de este único acesso poder situar-se a uma distância inferior a 10 m de um entroncamento de esplanadas, o que atenta contra a lei vigente.
No rol das irregularidades denunciadas, acresce ainda a não emissão de recibos de pagamento, a não afixação do quadro de pessoal da empresa e a alegada inexistência de livro de reclamações.

Utentes queixam-se da falta de sinalização adequada no espaço: a seta já não existe

Reações

Responsável incontactável
De acordo com a informação que consta da máquina de apoio ao estacionamento, a empresa ARRIAVA, Lda. é a responsável pelo lucrativo parque, muito procurado por ser próximo da Sé e da Rua da Alfândega. Na tentativa de obtermos esclarecimentos sobre o funcionamento deste parque privado, solicitámos a uma funcionária da papelaria do Centro Comercial, que dá apoio ao parque, o contacto do sr. Michael John Blandy, sócio gerente da ARRIAVA, Lda. A senhora, para nos despistar, disse primeiramente que desconhecia o senhor, depois que ele tinha ido almoçar cozido-com-orelha, ao Restaurante Os Combatentes, e que talvez aparecesse pela tarde, e, finalmente, confessou que não estava autorizada a dar o contacto pessoal do explorador.
A alternativa foi deixar recado, na vã expectativa de sermos contactados. Como só em Maio as entidades oficiais deram resposta conclusiva à denúncia, recorremos então à esposa do senhor Michael Blandy, que, um pouco alterada, também negou o nosso Pedido. Ainda assim, decidimos fazer uma última tentativa junto da funcionária da papelaria, e novamente esta se recusou a deixar recado com o nosso contacto. Entretanto, já se passou mais de um mês e o silêncio continua a falar mais alto.
Fiscalização da C.M.F não confirma
Sendo um parque de estacionamento aberto ao uso público, compete à Câmara Municipal a fiscalização e a instrução de processos de contra-ordenação. Mas como há uma parceria público-privada com o DN, de Mr. Blandy, a autarquia não intervém neste estacionamento nem “vai atrás de denúncias de utentes ressabiados”, garante. Aliás, segundo confirmámos na autarquia, os serviços de fiscalização estão neste momento centrados e atarefados com o Parque de Estacionamento “Amazónia”, e só para depois das eleições é que terão pessoal livre para outras fiscalizações.  

30 comentários:

Anónimo disse...

Ò Cafofo utiliza os serviços de fiscalização da Camara como maquina politica , só fiscaliza e persegue quem a ele se opõe , para todos os outros a ordem é fechar os olhos.
O mais grave é que todo o Funchal tem conhecimento disto e embora se trate de um crime o MP continua a assobiar para o lado e á procura de quem rouba um papo seco.

Anónimo disse...

Eu próprio já apanhei secas na rua das Fontes para entrar nesse parque, depoi queria voltar para trás e não consegui! Aquilo é uma autêntica vergonha, e a CMF não faz nada! É o facilitismo do srº cafôfo para com as pessoas ricas desta terra!

Anónimo disse...

Se a câmara fosse uma entidade séria, fazia uma fiscalização generalizada aos parques existentes, alguns deles sem qualquer tipo de regras, sem sinalização nem outras obrigações que a lei impõe. Estão à vista de todos.
Ao não o fazer, não só demonstra não ser neste momento uma entidade séria, como é manipuladora e, utiliza os meios que dispõe para a perseguição política dos adversários de Cafofo.
Esta é a transparência da Mudança, agora travestida de Confiança.

Anónimo disse...

E o DN fará agora uma reportagem sobre os estacionamentos do Funchal ?
E o repórter já perguntou ao Filipe Malheiro o tele fone da gerente do parque de estacionamento Amazônia, ou perdeu o interesse ?
O DN continuará com as reportagens de sarjeta ?

Anónimo disse...

Hoje no Renovadinhos, Cardoso Jardim volta à vergalhada nos renovadinhos.
Começa no chefe, malha no Betinhos e no Sem Malícia. Descansa o Cervejeiro.
Que ele é que fez, que ele é que foi bom, etc. O costume.
Ao falar do PAEF, Cardoso Jardim omite, como sempre, que foi ele a arrear as calças e a assinar o fim da autonomia, no fundo o seu grande legado para a história.
Aguardamos o capítulo de amanhã.

Anónimo disse...

Depois deste, podiam fiscalizar o do Europa, logo ao lado da CMF... medidas irregulares, falta de segurança contra incêndios, etc

Anónimo disse...

Já agora e o parque Europa. Aquilo e um perigoso .

Anónimo disse...

O srº Blandy a esta hora já telefonou para o Zé Câmara para deixar o Gil Canha da mão! Estes tipos são como o Arturinho da CDU, têm um prazer sádico de se agarrar a uma tabaibeira! Depois lixam-se!

Anónimo disse...

Seria importante a CMF e o srº Cafôfo fiscalizar os Parques de Estacionamento à volta do Mercado, nomeadamente o Parque Oudinot, Parque Anadia e Parque Insular! Têm muito por onde pegar e caçar as irregularidades! Eu quero ter a máxima segurança quando entro num destes parques!

Anónimo disse...

O parque da Insular às sextas-feiras e sábados de manhã é uma autêntica vergonha! Criam bichas de carros até à rua Fernão Ornelas! Quando é que a CMF e o srº Paulo Cafôfo resolvem aquele problema?

Anónimo disse...

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA:

Após o director Oliveira ter constatao a total impossibilidade do repórter Drumond em conseguir o telefone da gerente do estacionamento Amazônia, e, esgotadas todas possibilidades de investigação, e após proposta do director-geral Câmara ao presidente da administração Blandy, o DN anuncia a contratação da jornalista de investigação Felicia Cabrita, experimentada profissional, para conseguir descobrir um dos maiores mistérios da investigação jornalistica da Madeira no período da autonomia.
Aquela experimentada profissional terá uma espinhosa missão, já que nem o porteiro do estacionamento, nem o irmão da dita gerente, nem o gato deste, Bonifácio, revelaram a informação pretendida.
Caberá à jornalista Felicia iniciar todo o processo de investigação, sendo que o repórter Drumond, por indicação do patrão Blandy, servirá de lacaio daquela prócer do jornalismo.
Segundo as nossas fontes, foram dadas todas as condições exigida pela jornalista Cabrita. Estadia no Clif-Bay, com refeições no Il Gallo D'oro, e carro com choffeur, que será o repórter Drumond. Para além do cachet cobrado por Felicia Cabrita, que nos dizem não ser nada baixo.
Espera-se assim, que um dos maiores mistérios até hoje existentes na Madeira, tenha resolução, que sabemos não poder ser muito rápida, dado as grandes dificuldades até agora intransponíveis para o repórter Drumond.
Aguardemos serenamente.

Anónimo disse...

O do Oudinot, em cada três lugares só cabem dois carros. O do Europa, ainda pior.

Anónimo disse...

Este Cafofo não engana ninguém! É só favores ao Diário de Noticias e ao seu proprietário!!! Agora mais esta do parque de estacionamento das Galerias São Lourenço!!! UMA VERGONHA ESTE COMPADRIO!!! Basta ver nas edições destes dias o favorecimento (ÀS CLARAS) do Diário à campanha de Cafofo! O DN traz publicidade do Funchal Jazz e o JM, nicles!!!! CAFÔFO, ÉS PIOR QUE AS PESSOAS IMAGINAM!!!! É POR ESTAS E POR OUTRAS QUE VAIS PERDER AS PRÓXIMAS ELEIÇÕES, VAIS VER SÓ!!!!

Anónimo disse...

Os Kapas do Fénix estão realmente de parabéns! Fazem reportagens que nos outros órgãos de c. social são abafados, ou são fretes. Quem diria que o srº Blandy iria provar do "veneno" que anda a destilar noutras catacumbas?

Anónimo disse...

Com ferro mata com ferro morra! Se todos fizessem assim o Diário não fazia jornalismo de má qualidade.

Anónimo disse...

O DN Madeira não tem nada a ver com o que era há uns anos atrás. Parece que a informação deixou de ser o seu objetivo. Agora não passa de um pasquim. Porque é que não dá noticias sobre estas coisas. E não é só o problemas dos parques, tanta coisa vai mal na Madeira, tantos favorecimentos, que precisavam ser denunciados, mas o DN continua a fazer de conta que não vê o que se passa. Que nojo de comunicação social que temos na Madeira.

Anónimo disse...

Alguém que me recorde se fizer o favor mas aquele "Parque" existe há quantos anos? 3???? Ah pois.. acordam agora, tem piada!

Anónimo disse...

Tenho 66 anos e nunca vi uma coisa tão bem feita. O Canha pegou na reportagem sobre o Parque Amazónia e só alterou no texto o nome para Blandy, e o local, Galerias São Lourenço. É genial e inteligente desmascarar os gajos que passam a vida a cantar de galo.Mas que bem feito! LOL

Anónimo disse...

Os cafofianos andaram para aqui a falar do parque do Canha... eu bem disse que vinha tempestade a caminho! É tão bom provar o veneno que mandam aos outros... se tem gosto amargo comam pastilhas de hortelã pimenta.

Anónimo disse...

O que vai mal nos outros não desculpa a aldrabice qye vai no Amazônia oh sr Canha

Anónimo disse...

O DN acabou quando o Sr. Blandy anunciou a José Câmara que iria encerrar o mesmo, se, após um determinado período o DN nâo saísse do vermelho.
Para pôr o diário a dar lucro, Câmara elaborou um plano de "vendas", o qual todos conhecemos.
É vender a quem dá mais. Sejam entidades públicas ou privadas. Vender publicidade, serviços e eventos.
O DN nunca facturou tanto em publicidade como actualmente, e, nunca ganhou tanto dinheiro como agora.
Isso tem um preço.
É a passagem do jornalismo sério e independente, para o jornalismo de sargeta, como alguém aqui já apelidou.
Mas assim o Sr. Blandy nâo o fecha.
Tâo simples quanto isto.

Anónimo disse...

Só agora é que o estacionamento está com irregularidades???
Há quantos anos foi inaugurado este centro comercial???
Não sou "cafofiano", mas que eu saiba este centro comercial foi inaugurado na era Albuquerque, ou não?...
Dito isto, então quem licenciou o referido estacionamento "enxergou" bem todos os requisitos agora reclamados pelos utentes???
Cada um "engole" o que quer...

Edgar Silva disse...

Não se percebe; mas até se compreende a intenção, a camara que deve fiscalizar os seus parques e os privados; planeia uma ação de fiscalização a um e só um parque...privado...é como se a policia fizesse uma operação stop só ckm a intenção premeditada e planeada de fiscalizar uma só viatura...

Anónimo disse...

Agora com a Felicia Cabrita é que o DN descobre o telefone da irmã do Gil Canha.
Será que ela vai perguntar ao Filipe Malheiro ?

Anónimo disse...

Anónimo das 14:05 você ainda não percebeu que os dois parques passam recibo, como inventaram uma coisa, levaram com a mesma moeda do outro lado. Uma coisa de genial e que pôs a malta toda a rir...

Anónimo disse...

O David Caldeira também é sócio desta armadilha para ratos!

Anónimo disse...

Cmf Antes de tentarem arrumar a casa dos outros deviam dar 7 voltas a propria casa.Aqui se faz aqui se paga

Anónimo disse...

Toda a gente devia fazer o mesmo, sempre que o Diário fizesse uma reportagem por encomenda, o(S) visado(S) devem fazer uma igual aos donos do Diário, para eles aprenderem!

Anónimo disse...

O David Caldeira, guru engana Ingleses e branqueador do Jardinismo não diz nada do seu parque alçapão de parolos? Não ataquem o Blandy, esse é um desgraçado!

Anónimo disse...

Amigo Gil Canha,
Bem denunciado este caso.
Dava-lhe também o mote para estudar o caso dos parques de estacionamento geridos pela exma Câmara Municipal. Aquilo é um barril de pólvora. Nao cumpre com regras básicas de segurança. Aquilo que exigem aos privados não estão a cumprir. Os sistemas de segurança contra incêndios estão inoperantes. Aquilo é um desastre e um perigo para os utentes.
Continue a denunciar estas poucas vergonhas.