sexta-feira, 11 de março de 2016

Um caso prático (o Santo)













12 comentários:

Anónimo disse...

Caro Miguel, e que tal enviar isso para tribunal? se não confia nos de cá, envie para o continente.

Anónimo disse...

Caro Santo,

É muito simples: Miguel Silva neste caso devia ter logo recorrido Procurador de Justiça. Simples, curto e grosso!

Designado pela Assembleia da República – com maioria qualificada dos seus deputados –, o Provedor de Justiça é mandatado para, no período de quatro anos, com possibilidade de ser reeleito uma vez por igual período, receber as queixas de todas as pessoas, singulares ou coletivas, que se sintam prejudicadas por atos injustos ou ilegais da administração pública ou que vejam os seus direitos fundamentais infundadamente violados.

Cobertura nacional do caso seria garantida!

Anónimo disse...

A mim parece-me que o "amigo" está a acordar tarde!
Entretanto, suspeito que com tanta aldrabice feita ao longo dos anos no que diz respeito a licenciamentos para obras privadas e públicas terá havido alguma conivência técnica, nos pareceres, da sua parte. Uma vez que não há um árbitro externo que tome a iniciativa de fazer uma investigação geral, eles até podem procurar um processo específico em que tenha sido cúmplice dessas aldrabices, ativamente ou por omissão, para lhe fazerem um processo disciplinar.
Neste mundo não basta ter razão...Na prática a única coisa que pode fazer, se tiver documentos que comprovem a existência de crimes graves, é remeter esses documentos para PJ e nem por ai há garantia que façam uma apurada investigação. Já passei por algo semelhantes e nem tinha rabos de palha com que pudessem pegar e entretanto já se passaram uns 10 anos, sendo que de 3 em 3 anos chamam-me para esclarecimentos de que realmente não necessitam.

amsf

amsf

Anónimo disse...

Tanto jovem desempregado disposto a dar o litro para que isto ande para a frente. E andam vocês a engonhar com inutilidades! Você também, ó "Santo"! Se é funcionário público, vá masé trabalhar que andamos a pagar-lhe impostos para trabalhar, não é para passar o seu horário de expediente a escrever estas baboseiradas! Todos vocês são uma cambada de inúteis incompetentes! Incluindo você, seu "Santo".

Anónimo disse...


Sr.º Calisto,

Fresquinha: Sabia que o assessor técnico especialista da SRARN no Porto Santo , o tal que foi nomeado pela secretária regional atendendo à sua competência elétrica no ambiente pediu um GABINETE para trabalhar.

Solução óbvia- na Direção Regional no Porto Santo, claro.

Não é que o ex autarca e agora especialista de palmeiras disse que

" NÃO ACEITO PORQUE NÃO TEM DIGNIDADE PARA TRABALHAR CÁ."

E esta ?

Parece que lhe vão dar um gabinete feito à medida e com mais encargos para o senhor desenvolver a sua competência uma vez que o mesmo encontra-se eletrizante de vontade de trabalhar.

Mas o GABINETE TEM DE TER DIGNIDADE.

Bonito

Eu, o Santo disse...

Quanto ao Provedor de Justiça e a Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos fica para uma próxima vez...

Eu, o Santo disse...

Anónimo das 12:39.
Já vi que não se importa com ilegalidades.

Então está a sugerir que Miguel Silva trabalhe para os outros ganharem o dinheiro?

Mas Miguel Silva apresentou um estudo sobre barragens que criava valor para a região. Era uma alternativa as obras na frente mar do Funchal.
Logo a seguir nomearam um indivíduo para impedir a sua progressão.
E depois com a Continuidade transferiram no.

Como já muitas vezes expliquei, aqui na Madeira o mérito não é beneficiado, antes pelo contrário é perseguido.

Eu, o Santo disse...

Caro amsf,
De acordo com o próprio, nunca foram perguntar a Miguel Silva quem eu sou.
Volto a história de Miguel Silva: foi submetido a junta médica por alegadamente no decurso das suas funções ter apresentado um comportamento erróneo... Mas acontece que ele estava de licença de paternidade há três meses (portanto não estava a trabalhar há três meses).
O indivíduo que o submeteu a junta médica passou a parar o carro junto da moradia de Miguel Silva.
Se Miguel Silva o tivesse agredido, teria sido despedido.

Então, caro amsf, porque é que acha que não investigaram seus pareceres com o intuito de o pressionar? No intuito de no mínimo deixar de ceder material para estas publicações.
Com a sua teoria levanta duvidas sobre a honestidade de Miguel Silva. Qual é o seu interesse nisso?

No fundo está a dizer que eu sou Miguel Silva...

Anónimo disse...

Caro Santo

Não o conheço nem a esse Miguel Silva mas parece-me que ficou claro que são a mesma pessoa! Não é assim? Não investigaram os pareceres do Miguel Silva para fins legais porque isso seria abrir uma caixa de pandora.
A pergunta que faço a esse Miguel Silva é o porquê de só agora ter aberto os olhos?! Suspeito que o problema não é ético mas simplesmente de se sentir ultrapassado no interior do "regime". Se colaborou com o "regime" porque pensou que o "regime" valorizava o mérito é porque é muito ingénuo. Se não foi ingénuo é porque o que o motiva não é a ética mas a ambição e consequentemente a vingança por não ter sido devidamente recompensado/valorizado.

amsf

Anónimo disse...

Tenho acompanhado a campanha do Santo, e observado o amsf: ele aconselha a não protestar, a não fazer participações criminais, e mesmo quando concorda está a desvirtuar o que é dito, como por exemplo, quando alegou que os corruptos que deram cabo disto tudo são de todos os partidos.
NINGUÉM SE ENGANE, ISTO É NÓS CONTRA ELES!

Agora, pega nas acusações dos laranjas e utiliza-as contra um individuo que claramente não os grama.
Diz que ele em termos pejorativos que ele foi ingénuo, quem é que nunca foi?
Diz que o interesse do Santo é dinheiro, mas quem é que não gosta de dinheiro?
Qual é o partido que costuma fazer estas acusações aos seus opositores?

Qual é o interesse, neste momento, em que seja declarado que o Santo seja Miguel Silva? É para fazer participações criminais, ou processos civis ou inquéritos disciplinares?
Seja como for isso é do interesse dos laranjas, mais uma vez...

Como alguém disse: "é mais fácil enganar um amigo, que tirar a um inimigo..." é mais fácil que o público acredite numa calúnia de um aparente amigo, que na difamação de um inimigo.

Anónimo disse...

"Não investigaram os pareceres do Miguel Silva para fins legais porque isso seria abrir uma caixa de pandora".

Eu, o Santo disse...

Caro amsf,
Só tenho a dizer que a lei portuguesa permite que aceda gratuitamente ao processo que denunciou, com as diligências e autos feitos pelo MP ou PJ.
Mais ainda pode sugerir linhas de investigação e diligências a executar por essas entidades.
No fim, ainda pode se tornar assistente do processo (mas isto já custa dinheiro, a volta de 300 €) para dizer de sua justiça a um juiz sobre o processo.
Se não gostar do resultado, sempre pode denunciar publicamente o caso e os envolvidos (pois o segredo de Justiça finda), e em seguida fazer participação criminal dos envolvidos...
Se a carapeta serve, usa-se.