quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Curso prático e rápido de Savoy Aplicado - 3.ª Lição



Se esta rua fosse minha...

Nem as envolventes, como na zona da Rua Imperatriz, escapam aos cuidados dos projectistas.



No capítulo referente ao "relacionamento formal e funcional com a envolvente", chamaram-nos à atenção os planos dos arquitectos para a Rua Imperatriz D. Amélia. Trata-se de conservar uma "marca tradicional" na zona onde evolui essa rua, "de modo a ajudar à revitalização dessa artéria com a introdução de comércio, restauração, bares e fazendo a ligação pedonal à artéria principal, a Avenida do Infante por uma rua tipo 'boulevard' (que já abordámos aqui) que acede à Praça do Turista, espaço público agora mais integrado e generoso à utilização pública", propuseram os homens do escritório de arquitectos.

Do projecto anterior ultrapassado pelo novo, a Rua Imperatriz D. Amélia aparece reabilitada de forma a ser "um novo eixo comercial na cidade para usufruto desta". Passando a mesma artéria a estar "intimamente ligada ao Jardim da Imperatriz que será igualmente reabilitado". Está decidido! E ainda: "A nível de imagem arquitectónica, as fachadas nesta rua terão um conceito plástico de 'rua antiga' como memória saudosista do início do século passado."


E como chegaram os projectistas a estas ideias? Partiram da constatação de que o novo projecto teria como principal alteração "a mudança da linguagem arquitectónica em todo o seu conjunto", passando para uma "linguagem moderna e actual mais leve e adequada à volumetria do edifício de modo a ter menor impacto na envolvente e paisagem". 

Nessa linha de estilo, o Savoy Antigo serviu de inspiração na introdução de alguns elementos estéticos no 'drop off', em toada revivalista.
Um pormenor importante: "A introdução de materiais nobres, de longa duração e manutenção fácil predomina em toda a edificação exterior e interior."
Agora todas aquelas alterações dedicadas à Rua Imperatriz...? É tudo nosso? 

14 comentários:

Anónimo disse...

São arquitectos ou filósofos?

Anónimo disse...

Lá tretas dizem eles que cheguem...

Anónimo disse...

O Cafofo já se conseguiu livrar de uma garrafa daquele espumante do avô Caldeira.
Despachou-a para o Basso.
Sempre dá para lavar peças, durante a assistência no rally.

Anónimo disse...

Uma palavra para os arquitetos filósofos sobre a vossa memória descritiva.
Eu sou saudosista mas não desta merda que os senhores criaram.

Anónimo disse...

É justo que para a inauguração convidem o Calisto. Nada como uma aula no próprio edifício.

Anónimo disse...

Tanta tangarelice basófia e nem conseguiram sacar a licença da CMF para fazer aquela obra de arte, digna de um Foster ou de um Calatrava?
Como gostamos de bater recordes do Guiness, dizem que é a maior obra privada em Portugal. E eu digo que nasce sem licença.
Onde já se viu. Cafofo que explique ao Ministério Público.
Porque permite que a obra continue sem licença? Se mandarem a obra parar como é? Também vai empurrar as culpas para o PSD. Temos vindo recentemente a concluir que é rapazinho para isso e muito mais...

Anónimo disse...

Luís Calisto, esperemos que numa das próximas lições aborde o tema da falta de licença para alterações que entraram na CMF em Março deste ano mas que estão em obra desde sempre. Antes que à pressa, tipo Lazareto, aprovem uma licença qualquer supersônica. E manda cumprimentos com o artigo ao Ministério Público

Anónimo disse...

Quanto a dita falta da licença tenho só que dizer:
Cumpra-se a lei. Tem a palavra o MP.
O nosso Sócrates e o nosso DDT não estão acima da lei. Os de lá pensavam que sim e vão acabar na cadeia

Anónimo disse...

De que está o MP e a PJ à espera para investigar?
Que o Savoy lhes caia em cima?
Aquilo é monstruoso, mas julgo que não chega ao edifício do tribunal

Anónimo disse...

AFA se mandarem parar a obra, se precisares de um engenheiro para fazer contas da indemnização que vais pedir a Câmara do Funchal, eu candidato-me.

Anónimo disse...

Andam muitos a falar no Ministério Público.
Pergunto eu, sou assim um pouco "sobre si", por isso tenho dúvidas, os eleitores vão continuar a votar no PPD/PSD ou PS depois disto tudo? Se votarem nestes dois, acrescento o CDS que teve uma figura de proa metida nesta pouca vergonha até à medula, não confirmam que gostam de tratamento digno do MPLA da família Dos Santos?
Votem nesses abutres e depois queixem-se. Infelizmente agora até o BE com o Sim à mudança se solidarizou com este desgraça.

Anónimo disse...

Muito triste termos Governos Regionais e Câmaras Municipais que só apoiam grupos económicos prejudiciais à economia da Madeira e Porto Santo como é o caso do Grupo AFA e Sousa.

Anónimo disse...

Aquilo vai ficar tudo 5 Estrelas com orgulho para a cidade.
Apenas falta cumprir a promessa do partido dos renovadinhos que era:
Rotunda entre a Av Infante e a Av Luis Camões.

Anónimo disse...

Anda aqui muito leitor ingénuo! Estão à espera do Ministério Público para quê? Eles andam a dormir na forma há mais de 20 anos! Vejam o que se passou na Quinta do Lorde, onde um empresário construiu um empreendimento numa reserva natural, rede natura 2000 da União Europeia e zona do Parque Natural da Madeira. Quando a quinta pertencia aos Padres Crúzios, nem um bloco poderiam cimentar. Vejam o que foi construído ali sem que o MP impedisse aquela violação da leio. Se estão à espera no MP na mamadeira, esperem sentados para não se cansarem!