sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Comunicado


Jovens do BE estranham
declarações do presidente da AAUMa


A Comissão Coordenadora de Jovens do Bloco de Esquerda - Madeira vem estranhar e discordar das declarações proferidas por Carlos Abreu, o recente eleito presidente da Associação Académica da Universidade da Madeira (AAUMa), que em declarações à RTP Madeira, durante este fim de semana, recusou o fim das propinas e simultaneamente requer mais apoios. O responsável desta Associação de Estudantes, reconheceu que a UMa fez um estudo técnico, onde participaram 350 alunos desta instituição em que a sua esmagadora maioria reconhece ter grandes dificuldades económicas para conseguir prosseguir os seus estudos e mais de metade terá admitido mesmo desistir por este motivo. 


Estranhamos, pois, que perante esta realidade gritante na nossa Região, se defenda a medida da aplicação de propinas e o atual modelo, onde, nesta instituição é fixada a propina máxima. Com tais declarações, o referido presidente não estará, certamente, a representar todo o universo de alunos deste estabelecimento de ensino superior. Uma vez eleito à cerca de um mês, queremos acreditar que o mesmo profere tal reação pelo facto de ainda não sentir o pulso e as dificuldades reais sentidas por muitos dos alunos da Universidade da Madeira, os quais este deve honrosamente representar. A Comissão Coordenadora de Jovens do BE Madeira, entende que o atual modelo de financiamento do Ensino Superior é desadequado e não serve o estudante, não é um garante de um Ensino Superior Público inclusivo, não promovendo o princípio da universalidade do ensino e o espírito da Constituição da República Portuguesa. Sublinhe-se que Portugal é dos países onde o financiamento público direto é dos mais baixos da Europa (54%), ficando bastante abaixo da média da União Europeia, (78,1%), provocando uma sobrecarga excessiva ao orçamento das famílias. Embora nos pautemos por mais e justas medidas de apoio social, bem como incentivos para os alunos com dificuldades económicas e suas famílias, não conseguimos compreender tais afirmações. Todos conhecemos a realidade que assola a nossa Região, onde a ajuda chega a cada vez menos estudantes com carências económicas. Perante o cenário de forte crise económica em que vivemos atualmente, somos confrontados com um número elevado de alunos, os quais nem espelham a realidade das estatísticas, que abandonam a possibilidade de tentar ingressar no Ensino Superior na nossa Região. Reconhecendo a existência de desinvestimento nesta área da educação, por parte dos sucessivos governos anteriores, valorizamos a importância da medida positiva adotada pela Assembleia da República para travar os aumentos das propinas, mas a mesma é em nosso entender insuficiente. Teremos de defender, um modelo de financiamento, que não penalize as instituições de ensino e que alargue as possibilidades de acesso ao ensino superior a todos que o queiram fazer. Por fim, é nosso entender, que a comunidade educativa e os agentes políticos, se encontram cada vez mais confrontados com a urgência e necessidade de fazer um amplo e sério debate sobre o Pagamento de Propinas, a Gratuitidade do Ensino Público e Politicas de Educação para o Ensino Superior na Região Autónoma da Madeira. 

A Comissão Coordenadora de Jovens do Bloco de Esquerda - Madeira

2 comentários:

Anónimo disse...

A Comissão Coordenadora de Jovens do Bloco de Esquerda que dedique algum do seu tempo a compreender os processos subjacentes ao funcionamento desta empresa, perdão, associação.

Raghnar disse...

E fazer um part-timezito, abdicando de alguma ou outra festarola? Isto hoje é só "direitos" e os deveres ficam sempre para "outros"...