quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Questão Venezuela


Lopes da Fonseca pede a Costa
apoio rápido para os emigrantes



O primeiro-ministro António Costa não tem conseguido responder com a celeridade que a situação impõe aos problemas por que passam os emigrantes madeirenses na Venezuela. Quem o diz é o presidente do CDS-PP António Lopes da Fonseca, que esta quinta-feira deu a conhecer à comunicação social o trabalho que o partido tem realizado ao nível nacional, quer no Parlamento, quer junto do Governo. 

Numa dessas iniciativas, com data de 8 de agosto, o Grupo Parlamentar do CDS na Assembleia da República endereçou quatro perguntas ao ministro dos Negócios Estrangeiros sobre o agravamento da situação na Venezuela, mas até ao início da tarde desta quinta-feira o governo não tinha respondido.

1- Tem o Governo Português condições e capacidade de garantir canais de acesso a apoio e ajuda humanitária, por forma a fazer chegar aos portugueses e lusodescendentes bens essenciais, sobretudo medicamentos?

2- Se lamentavelmente a situação de conflito na Venezuela se vier a agravar, colocando em causa, de forma generalizada, a segurança da comunidade portuguesa, está o Governo em condições de assegurar, numa situação de contingência, a evacuação dos portugueses e luso-descentes residentes naquele país?

3- Que diligências políticas e que tipo de apoio jurídico está o Governo Português aprestar, tendo em vista a libertação dos presos políticos, designadamente dos que sejam portugueses, luso-descendentes ou com ligações a Portugal?

4- Está neste momento o Governo Português a planear reforçar os meios de apoio, designadamente de apoio social, aos portugueses e luso-descendentes que se vejam forçados a regressar a Portugal?

António Lopes da Fonseca diz que gostaria de ver António Costa responder a estes assuntos de Estado e da governação com a mesma rapidez com que vem à Madeira tratar de questões partidárias, e lembra que os emigrantes que estão a regressar à Madeira precisam de apoios em áreas como habitação, trabalho, educação, apoios que não estão a ser disponibilizados ao Governo Regional. 
Texto e foto: PP


5 comentários:

Anónimo disse...

Lá vai os Cubanos ficarem descalços outra vez com nova chulice, afinal os impostos na Madeira para que são.
Este é um filho gastador que não sei se valerá a pena o sustentar.
É casos: 20 Fevereiro, Incendios, agora os retornados da Venezuela, mas atenção dar apoio só aqueles que por cá nasceram, os outros muchachos não são madeirenses e muito menos portugueses.

amsf disse...

É a economia da catástrofe. E com a vantagem da máquina fiscal da Madeira acabar por ficar com mais de 20% do donativo da República, essencialmente sob a forma de IVA.

Anónimo disse...

Que tal ajudarem os Madeirenses para que nao sejam obrigados a emigrar??? HIPOCRITAS!!!!

Anónimo disse...


Santa Cruz

Finalmente uma candidatura BOA EM SANTA CRUZ.

Anónimo disse...

Este senhor do rectângulo percebe é de frangos fumados.