domingo, 4 de dezembro de 2016

Esclarecimento



PSD-Machico acusa maioria PS de aproveitamento político


Relativamente à noticia publicada na edição de ontem, do JM, com o título ‘Câmara acusa o Governo de «negligência grosseira»’, o PSD/Machico solicita a publicação do presente esclarecimento.

Num claro aproveitamento político do atual executivo camarário, foi presente um voto de protesto na última reunião camarária, pela Igreja Matriz de Machico estar em risco de ruína devido à negligência grosseira das autoridades regionais, o qual mereceu o voto contra dos vereadores do PSD na autarquia, pelos seguintes motivos:
  1. Em 2003, foram detetadas anomalias na estrutura das capelas laterais da Igreja Matriz de Machico, tendo existido uma rápida intervenção do Governo Regional, com a realização de estudos e avaliações necessárias para a sua recuperação. Desde essa altura, a monitorização tem sido constantemente realizada pelos técnicos abalizados da DRAC, atual Direção Regional da Cultura, continuando a ser feita nos dias de hoje;
  2. A intervenção já realizada pelo Governo Regional, efetivamente não solucionou em definitivo o problema de estabilidade das referidas Capelas do Espírito Santo e de São João. Contudo, nunca foi posta em causa a estabilidade estrutural da Igreja Matriz de Machico;
  3. No Orçamento do corrente ano foi possível inscrever uma verba de 160 mil euros para a concretização da referida empreitada de recuperação das capelas, tendo sido aberto procedimento concursal para o efeito, tal como exigido pela lei;
  4. Ao referido concurso, que exigia habilitações especiais aos concorrentes em matéria de recuperação de património, concorreram várias empresas. A celebração do contrato de adjudicação ocorreu em novembro, sendo que a proposta mais vantajosa foi no valor de 110 mil euros, valor sobre o qual a empresa adjudicatária deverá prestar a devida caução e cumprir com os trâmites legais das adjudicações, devendo a obra iniciar-se a muito curto prazo, com uma poupança de 50 mil euros relativamente ao inicialmente previsto;
  5. É falso que em todo este processo alguma vez tenha existido “negligência grosseira”das entidades regionais. Aliás, só se compreende a apresentação deste voto de protesto por duas simples razões:
  6. O executivo camarário socialista sabe que a obra está a iniciar-se e quer chamar a si os louros do início da empreitada;
  7. O aproximar das eleições autárquicas, e desta forma ir “envenenando” a população de Machico como forma de desviar a atenção para aquilo que foram três anos de inércia e sem qualquer melhoria das condições de vida das pessoas.
  8. O Governo Regional sempre mostrou estar atento aos problemas de recuperação,
       preservação e valorização do nosso património regional e local, sendo que em Machico são muitas já as        intervenções, tais como a recuperação do Solar do Ribeirinho, do Solar de São Cristóvão, da Capela de São Roque e da valorização da zona envolvente à Capela do Senhor dos Milagres;
  1. Aliás questiona-se: Que fez este executivo camarário nestes três anos de mandato que já decorreram em prol do património da Machico? Nada!


Machico, 4 de dezembro de 2016
O Presidente da Concelhia de Machico
Élvio Encarnação

2 comentários:

Anónimo disse...

É de partir a rir. O PSD a acusar outros partidos de destruir o património!!! Vamos lá ver e destruição das ribeiras do Funchal, o Forte São João Baptista em Machico, o Forum de Machico, o Forte do Pico no Funchal, o Forte São Tiago..tudo da tutela do Governo Regional. Quem tem telhados de vidros não deve atirar pedras

Anónimo disse...

E a diocese não tem um dinheirinho para cuidar do seu património?