terça-feira, 6 de dezembro de 2016

OPINIÃO


A festa tonta do PS, PSD, CDS, 
“bloco” comunista e partido comunista




Reacionariamente, em termos bafientos como no tempo da ditadura, vejo os cinco partidos da Situação a comemorar… os quarenta anos da actual Constituição da República Portuguesa!
Até eu, claro adversário do sistema político-constitucional vigente, tenho sido convidado para as festas e nalgumas intervindo para desgosto dos corifeus do regime, mesmo protegidos estes pela censura selectiva que impõem - diferente do meu tempo em que havia confronto.
Não há qualquer dúvida que o 25 de Abril, que também permitiu as Autonomias Políticas insulares, fez um País muito melhor do que antes.
O problema é a Constituição do regime que se implantou - “implantou” porque não houve referendo constitucional.
Para além da anarquia ideológica que A caracteriza - mescla do marxismo, corporativismo e  liberalismo, para equilibrar pacificamente os interesses dominantes post-abrilismo - a Constituição da República Portuguesa não acompanhou a prodigiosa evolução do planeta nos últimos quarenta anos. Estruturou um País rígido, burocratizado, congelado nos dogmas aberrantes e ultrapassados dos séculos XIX e XX, não atrai investimento externo e interno sobretudo graças à Administração Pública e à Justiça que procriou, pactuou com a desregulação financeira que nos transformou num Protectorado internacional de Banca falida ou quase toda em mãos estrangeiras poderosas.
Em vez de crescimento e consolidação, a Economia é subsidiada, aumentando assim a precariedade das Empresas e do Emprego.
A classe média vem sendo destruída e a instabilidade fiscal, bem como dos Direitos Sociais, com os respectivos pesos agravados, tornam impossível a recuperação rápida e acentuada da Economia.
Os números oficiais do final de 2014, mostram que 20% da população portuguesa se encontra em risco de pobreza, mesmo após já se terem concretizado as transferências sociais existentes.
Vinte mil milhões as dívidas à Banca com pagamentos atrasados. Vinte e oito mil milhões as dívidas ao Fisco e à Segurança Social.
O PIB “per capita” português, apesar dos Fundos Europeus, encontrava-se ainda a 77,4% da média da União Europeia (UE). A dívida pública portuguesa é a terceira maior da UE - 133% do PIB - e ainda tinham a lata de falar da Madeira (à volta de 80%).
O mercado de Trabalho português é o menos qualificado de toda a União Europeia (UE). 44,5% dos Trabalhadores por conta de outrem não possuem ensino secundário, o mesmo sucedendo com 61,1% dos por conta própria.
22% dos Trabalhadores encontram-se na situação de trabalho precário. Piores na UE, só Espanha e Polónia.
Temos a electricidade mais cara da UE em paridade de poder de compra.
Só 45,1% dos Portugueses entre os 25 e os 64 anos possuem ensino secundário completo. Na UE, pior só Malta.
Este é o Portugal da Constituição de 1976 que se anda para aí a comemorar.
O Portugal chegado a este estado de coisas, que os cinco partidos da Situação - PS, PSD, CDS, “bloco” comunista e partido comunista - andam a comemorar embevecidamente.
Festividades que eu gozo com tristeza.
Quem quiser acabar com isto, conta comigo.

Funchal, 6 de Dezembro de 2016

Alberto João Cardoso Gonçalves Jardim


8 comentários:

Anónimo disse...

Isto mesmo tio Alberto. Falta acrescentar que os atuais engomadinhos regionais prometeram mundos e fundos de alteração e ja estão tao "velhos" como o regime que dizem terem mudado. Zero de ideias e ideais, zero de competência, zero de mérito

Anónimo disse...

Mais do mesmo...a culpa de tudo é da Constituição, até o triste estado a que chegou o nosso arquipélago.
Não há pachora

Anónimo disse...

Muito bem tio Alberto infelizmente depois de si só resta caca sem visão nem estratégia e só uma canalhice de negociatas e interesses gente sem ideologia ou pensamento só ratos de esgoto muitos dos quais vc pôs na beira do prato uma corja. Tem razão sim senhor quanto ao regime o que raio deu ele na educação na saúde na justiça e o lodaçal que se vê. Conte com o povo para qualquer alternativa a está tristeza que vai no país e na região

Anónimo disse...

Lê e aprende. Se não gostas vai cantar para outro lado.

Anónimo disse...

Usaram a conversa da oposição para ganhar o tacho e tripudiar o seu trabalho e agora estão a provar do veneno. Vexa trabalhava o resultado aparecia e inaugurava agora estão aqui e ali paleio paleio e não aparece nada de jeito. Tb acho graça a conversa da dívida como se não existisse dívida no país e como se nao fosse existir sempre a sua ao menos serviu para desenvolver e há obra feita. Volte que o povo precisa que esta gente só quer viajar e mamar

Anónimo disse...

Respeito a opinião e o artigo está excelente, pena não ter feito no seu governo e limado as "asneiradas" feitas começando pela marina do Lugar de Baixo, e tantas outras, Sociedades de Desenvolvimento, com dinheiros públicos mal geridos, ou melhor bem geridos para os bolsos sabe-se lá de quem, não tenho provas de nada, por isso não devia acusar, peço desculpa, mas que as há, há, para não falar nas piscinas em locais nunca utilizados, etc, etc, etc....
Sem essas contas que temos para pagare como pode o governo atual melhorar ou recuperar, apesar de muita coisa a limar.

Anónimo disse...

e o buraco da Madeira incluso da sua autoria

Anónimo disse...

E preciso desmontar esta coisa da dívida tio Alberto que tanto serve esta canalha renovadinha E da autoria do governo de triste memória do passos e do portas que para dar cabo do estado social usaram a tanga da dívida e afinal deixaram o país com mais dívida que tinha e daí o costa estar a fazer um brilharete e ainda há quem apoie essa gente que apesar de ter tirado o curso aos 34 anos e nunca ter feito um corno na vida se achar neo liberal enfim políticos da treta mercenarios da merkel. E urgente desmistificar está falácia da dívida e de toda a tanga que lhe está associada de se como exemplo a dúvida externa do EUA e tirem as conclusões que quiserem.