sexta-feira, 21 de abril de 2017

Para voltar ao CDS


João Catanho recorre da expulsão 

Nota de Imprensa

     Na sequência da injusta e arbitrária expulsão que de fui alvo no CDS, apresento o meu recurso, com vista à minha reintegração plena no partido em que militei toda a minha vida.

     Os delitos de opinião não são admissíveis em Democracia, muito menos num partido democrático como o CDS afirma ser.



     Perseguir militantes contra a liberdade de opinião atentaria gravemente contra a Declaração de Princípios do CDS.

     É inconcebível, que o CDS/PP - Madeira, seja o patrocinador de inverdades e de ilegalidades - os tais meios “injustificados” para se atingir fins – todos eles violadores dos mais elementares direitos de um militante.

     Levarei até onde for precisa esta luta pela verdade, transparência e Democracia, para que outros não sofram o que estou a sofrer.

     Lutarei sempre e até ao fim por um Partido digno, capaz e suficientemente agregador do povo e dos eleitores desta R.A.M., nos princípios e valores que sempre presidiram ao CDS-PP, desde o momento da sua fundação em Portugal.

     Faço-o com tranquilidade, a mesma com que fui candidato a líder do CDS/PP-M em dezembro de 2015. Faço-o com determinação e esperança em ter de novo um CDS melhor, diferente, democrático, aberto, descentralizado, doutrinário (fiel ao humanismo personalista), feito com as bases e para as bases.

     Ser CDS, fazer CDS e afirmar o CDS nunca por nunca poderá ser expulsar militantes, ambicionar votos sem militantes e funcionar como uma espécie de clube ou associação recreativa de amigos.
    
     Luto por um CDS fiel a si próprio, isto é, um CDS fiel aos seus princípios e valores, um CDS respeitador da lei e dos estatutos, um CDS apoiado nas bases.

     Aqui fica o recurso apresentado para conhecimento de todos, ao vosso inteiro dispor, atenciosamente,
                                                                                                                           João Catanho da Silva

12 comentários:

Anónimo disse...

Qual é mesmo o partido?

Anónimo disse...

O Dr. Ricardo Vieira escreve bonito! Muito bem!

Anónimo disse...

O advogado de meia tigela que vive da intriga e que arranjou toda esta confusão tem os dias contados.

Anónimo disse...

Ó ANTA JÓ PINTO... Já não há paciência para aturar os seus comentários anónimos.
Seja corajoso e dê a cara. Já tem idade para ter juízo e não se refugiar atrás de um computador.

Anónimo disse...

Lamento informalo que a Direção que o paga é que tem os dias contados. Vá procurando emprego e enviando currículos. A CMTV,o Diabo, a Maria ajustam-lhe que nem uma luva...

Anónimo disse...

Não sei do que se queixa. Serviu de caixa de ressonância e fez o "trabalho sujo" de outros no Facebook, neste blog e noutros meios de comunicação, em vez de combater esta Direção nos locais adequados, a impugnar nos lugares próprios os Congressos e as decisões com que não concordou...
Bem ou mal, está a deitar-se na cama que fez...

Anónimo disse...

Este militante não tem assento em nenhum orgao do partido. Fez o que lhe competia e denunciou o que achou errado no facebook. Agora impugna a sua expulsão junto do orgao competente o conselho de disciplina. Queiria que ele fizesse o que? Que invadisse as reuniões da Comissão política ou dos concelhos regionais? Porventura um partido é alguma organização privada que não possa ser debatida publicamente por um cidadao que exerce o seu direito de participação na politica partidaria?? Você tem alguma coisa a esconder?

Anónimo disse...

O António Jorge Pinto foi a por coisa que aconteceu ao CDS. Raivoso, dono da razão, vingativo, De alguma maneira embala o presidente com o consentimento do Barreto que é quem manda no partido. Lopes da Fonseca claramente um erro de casting desprovido de qualquer réstia de carisma. Barreto, claramente uma decepção que tenta passar por entre os pingos da chuva que ele próprio criou.

Anónimo disse...

..E o Barrete sorrateiramente vai cumprindo os seus planos: fez a vida negra ao Zé, mina a actual liderança e afunda o partido para ir a congresso e sair de lá a liderar o CDS. Nessa altura já um partido de amigos e da Maçonaria.

Anónimo disse...

O Rui Barreto não me engana mais. Teve o meu apoio no ultimo congresso. Já nao o terá mais. É 'novo e tem tempo' mas ja nao será para o cds.

Anónimo disse...

Caro Anónimo de 22 de abril às 13:22

Eu cá não quero esconder nada. Não sou militante de nenhum partido (o que não quer dizer que não esteja atento ao que se passa na politica, para poder formar o sentido do meu voto), nem eu nem ninguém da minha família alguma vez viveu (ou ganhou um cêntimo sequer) à custa da politica e dos partidos. Duvido que a esmagadora maioria dos comentadores deste post (para não dizer deste blog) possa dizer o mesmo.
Agora, esse militante (e quem está por trás dele), se não concordou com o que se passou nos Congresso (lembro-me bem que na altura saiu na comunicação social que ele acusava que o Congresso estava cheio de ilegalidades), porque não foi impugna-lo para Tribunal, como manda a Lei? Não confia nos argumentos dele e nos Tribunais?
Ou não sabia como se faz? A lista dele tinha entre os apoiantes mais do que um advogado, pelo que de certeza que lhe davam uma consulta à borla para lhe explicar o que tinha de fazer (quanto mais não fosse por solidariedade familiar). A menos que não confie na qualidade deles...
Se houve alguma ilegalidade ou não, não estive lá para ver.
Quem quer escrever por linhas tortas, arrisca-se a que Deus não endireite o que escreveu

Anónimo disse...

O Rui Barreto é a causa da instabelidade do cds.
Desengane-se quem pensa que vai chegar a presidente do partido.