sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Carlos Pereira ao contra-ataque


Líder do PS-M aconselha direita a deixar o que está bem e a queixar-se a Marcelo da Assembleia Legislativa da Madeira

O líder do PS-Madeira e vice-presidente do grupo parlamentar do PS na Assembleia da República, Carlos Pereira, sugeriu ao CDS que mudasse o rol de queixas que hoje vai apresentar ao Presidente da República (PR).

O socialista lamentou que o CDS e o PSD sejam tão lestos a criticar o funcionamento do parlamento nacional e tão coniventes com o que se passa na Assembleia Legislativa da Madeira, onde as coisas efetivamente não funcionam. “O decreto legislativo regional que enquadra as comissões de inquérito na Assembleia Legislativa da Madeira é de 1978”, lembrou o parlamentar. “Esta Assembleia é a única que ainda não atualizou esta legislação e por isso a oposição está impedida de ter audições potestativas ou não pode falar à imprensa”, apontou.

Carlos Pereira recordou ainda que há uma comissão de inquérito para avaliar as responsabilidades da construção da Marina do Lugar de Baixo que custou 120 milhões e nunca funcionou. “Essa comissão terminou há seis meses e ainda não há relatório”, afirmou. E não é só. “Por outro lado foi instalada uma comissão de inquérito para avaliar as responsabilidades do Governo Regional na falência do Banif, que só fez quatro audições e ainda está em curso - sem haver conhecimento de quando termina- depois de estar em funcionamento há um ano”, prosseguiu.

“Podíamos encarecidamente ao CDS que vai reunir com Presidente da República que aproveite para levar este assunto”, disse também. E ao líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro, aconselhou a olhar para o seu próprio partido na Região Autónoma da Madeira antes de falar em asfixia democrática. “Na verdade estamos certos que nenhum destes representantes dos partidos da direita aceitam a existência de um país com dois sistemas”, afirmou. “Se é para colocar em causa a democracia como fator para justificar a incapacidade política, julgo que é muito pouco e acaba por aterrar na baixa política e no oportunismo partidário que não ajuda nada para melhorar a vida em Portugal”, terminou.
Texto PS-M

3 comentários:

Anónimo disse...

Tem toda a razão na ALRAM nada funciona democraticamente, é tudo camuflado e controlado pelo Jaime Ramos, que passa as ordens do edifício da frente para o filho que domina e manda naquela casa.

Anónimo disse...

Que se olhe primeiro para a Região.A democracia é para ser feita em toda a parte.Não pode ser dois pesos e duas medidas.

Anónimo disse...

Por isso tudo continua mal na ALM, todosos serviços controlados e a funcionsr mal, trabalhadores descontentes, inclusive deputados, e as coisas pioraram a todos os niveis
Perseguem trabalhadores, deputados, computadores, mails e telefones, espiados. Leis obsoletas, incluindo a lei organica, regimento, estatuto do deputado. Sugiro que os partidos unem-se para alterar estas leis. Na Assembleia o que fazem bem: festas, comes e bebes, concertos e show off para as fotografias, nem as visitas guiadas sabem fazer, falam alto, falta bom senso na linguagem que usam com os visitantes, repreendem os visitantes. Como podemos ver, muito tem de ser alterado na ALM!!