terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Opinião




TRUMP AO FIM DE UM MÊS



GAUDÊNCIO FIGUEIRA


Tendo ganhado as eleições Mr Trump achou que governar era coisa simples. Tudo, em sua opinião, se resumia a duas coisas: dar ordens; manter os eleitores galvanizados pelo discurso, como se a campanha eleitoral se mantivesse durante todo o mandato. Se mal pensou, pior executou.

Veio da área privada, onde ele dava uma ordem e a hierarquia da empresa levava-a por diante, sem preocupações com conflitos de Poder. Na esfera Pública não é rigorosamente assim. Constituir o Governo, para Trump, foi o cabo dos trabalhos. O mundo assistiu à novela, em vários episódios, do nomeia-não-nomeia o responsável pela Segurança do Estado. Desistências, também as houve.

Trump, um demagogo, populista inveterado, governando para o “seu Povo” – o povo que facilmente engole a retórica imbecil que lhe servem - cedo mostrou àquilo que vinha. Ignorante, desconhece os mais de duzentos anos de história dos EUA, e querendo mandar, julgando isso possível, iniciou o seu quero, posso e mando. Leis, limitando Poderes, compatibilizando-os tendo em vista a prossecução do Bem Comum, - aqui cabe quem votou e quem não votou no avejão - só atrapalham, logo, mandem-se essas retrógradas as leis às malvas.  

Porém, o novo chefe de Estado não contava com a suspensão judicial da medida com que pretendia barrar a entrada de estrangeiros. No cumprimento da lei, dentro dos limites impostos à autoridade do Pres. dos EUA, o Tribunal suspendeu a medida com que Trump pretendia punir sete Países de maioria muçulmana ainda antes de completar quatro semanas no cargo. Viu também o primeiro membro da alta cúpula da Casa Branca – Michael Flynn, conselheiro de Segurança Nacional – cair por causa do relacionamento com a Rússia.  

Contestado, dentro e fora dos EUA, o bom senso aconselharia que parasse para pensar. Mas há egos onde isso não colhe. Humanos desta índole só conhecem a linguagem do medo. As ameaças aos juízes avançaram de imediato “comiciando” para o “seu Bom Povo” de que estavam ali os seus Inimigos. Convém que o “bom Povo” acorde depressa pois, caso demore, pode ser tarde de mais, pois a lei, a partir de certa altura, pode ser unicamente a que for gerada por debaixo daquele penteado laranja.

No crescendo do autoritarismo seguiram-se as ameaças aos jornais e jornalistas. As “inventonas” baseadas em factos falsos, potenciadas numa governação sem GPS – o homem não sabe para que lado fica o Norte – feita no Twitter não augura nada de bom. Aos prosélitos aconselha-se mais prudência nas manifestações de fé à criatura.

10 comentários:

Fernando Vouga disse...

Ao estilo, já todos estamos habituados aqui na Madeira... Mas esta criatura exagera!
Esperemos que dentro em breve, com tanta e tanta asneira pegada, dê com os burburinhos na água, como se costume dizer. Caso contrário, quem vai dar com eles na água somos nós.

Jorge Figueira disse...

Já cá deviam estar os mentecapto do costume, com o estafado estribilho, com que há 20 anos, tentam amedrontar-me. Cansaram-se, está visto!
Concordo, ele tem andado muito perto naquilo que respeita ao estilo mas julgo que ainda não chamou bastardos, para não dizer outra coisa...aos jornalistas.

Eu, O Santo disse...

Duvido muito que Trump caia, pois continua a ter legitimidade politica pois não anda a trair quem nele votou. Será que Albuquerque poderá dizer o mesmo?

Há dias um individuo a certa altura disse-me:
"- O Albuquerque deve ser a única pessoa que acredita que está a haver Renovação."

Outra conversa que assisti num café foi a seguinte:
"- Aqueles 14 Milhões para fazer uma levada sabe-se em que bolsos vão parar..."
Para mim é claro que isto significa que Albuquerque já perdeu a legitimidade politica e seja lá o que ele faça, será entendido em sentido negativo e pejorativo pela população...

Fernando Vouga disse...

A legitimidade política e a competência para a governação nunca andaram de mãos dadas.

Raghnar disse...

Concordo completamente com O Santo pois, goste-se ou não, foi isso que os americanos escolheram. Para já, está confirmado o falhanço das previsões catastrofistas sobre o "diabo" proteccionismo económico, previsões essas muitas vezes fundamentadas em pressupostos que carecem de verificação empírica.

Entretanto, por cá, reina um manto de silêncio mediático em relação à governação renovadinha e ostensíveis divergências entre a maioria da opinião publicada e o que se vai ouvindo na rua. Também se fez uma lei de "incentivos" à comunicação social, mas certamente eu sou muito paranóico e não existe qualquer relação entre essa legislação e o tom cor-de-rosa com que se pinta a realidade nos media...

Anónimo disse...

Raghnar onde é que já viste confirmado o falhanço das previsões catastrofistas do proteccionismo económicos?
Tem calma, pois o Trump ainda só fez discursos sobre o tema.

Anónimo disse...

Um referendo, agora, à atuação do Trump e a legitimidade ia à vidinha.

Na Madeira há dificuldades e incompetência para resolver alguns dossiers anunciados e prometidos...

Mas a Oposição não tem feito melhor que prometer em grandes cartazes aquilo que era inimaginável ...
50% disto e ajudámos naquilo...Mas onde? Grande lata

Muita Demagogia oposicionista e falta de competência política e coragem na decisão na área do Poder com muita ingenuidade das inexperiência que lá estão..

Enfim mal servidos de Uma Ponta a Outra.

Agora nem Comunicação Social temos.

Tudo encolhido e vendido aos interesses comerciais.

Muito mal esta vidinha..

Raghnar disse...

Bem, estava a me referir aqueles oráculos que previam um crash bolsista imediatamente após as eleições. Essas previsões catastrofistas falharam redondamente, ou não fossem os oráculos partes interessadas na eleição...

Indesmentíveis também são as crises sistémicas do actual sistema económico, baseado no crescimento e na eficiência. E que o crescimento infinito em que assenta todo o sistema económico é uma utopia irrealizável e, na minha opinião, não é compatível com objectivos supostamente declarados pelas elites mundiais de sustentabilidade ambiental.

"Confirmado, confirmado" só a morte do ser humano. Noutros campos nada o é...

Fernando Vouga disse...

"E que o crescimento infinito em que assenta todo o sistema económico é uma utopia irrealizável"

Totalmente de acordo. Mas ninguém, quer saber...

Jorge Figueira disse...

É isso meu Caro Fernando. A Economia começa por aí, na escassez dos recursos. O Homem inventou a moeda, essa sim, é sempre possível ter mais. Andamos nisto...