sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Reflexão



“Descodificando o Estado 
de uma Autarquia Madeirense”

Recentemente vi o fabuloso e polémico documentário datado 2015 do Canal Odisseia denominado por “ Descodificando o Estado Islâmico”, para quem nunca viu, fica a dica para as mini férias do Carnaval, é efetivamente imprescindível ver este documentário que explica precisamente como funciona a enorme máquina de propaganda do projeto politico “Estado islâmico”, que conta com uma máquina de mais de 100 técnicos ocidentais e 40 empresas profissionais de produção audiovisual que fazem chegar todos os dias à Internet centenas de vídeos cuidadosamente produzidos e editados, até parece mesmo filme. O Documentário explica que a Propaganda é uma das maiores e mais agressivas armas desse movimento político, assim como a paixão pelas bandeiras, existe uma obsessão enorme pelas bandeiras nesse Estado, um culto assumido e que também faz parte da sua grande máquina de propaganda, da mesma forma é muito bem explicado e descodificado, a forma como o Estado trata os seus dissidentes, discordantes em suma, aqueles que são considerados traidores em geral, as famosas execuções filmadas e propagandeadas, por fim fica bem claro que para este novo Estado, foi muito importante, e imbuídos de um assumido verdadeiro ódio visceral, apagar e destruir quase tudo do passado, de arte, livros, historia etc. Dessa forma, e após visionar este polémico documentário, fiquei a pensar, e aqui sobre a nossa terra, que autarca Madeirense usa da mesma forma a Propaganda como arma de arremesso politico, com uma agressividade tal que repete duas e três vezes os mesmos projetos na comunicação social? Que autarca Madeirense hasteia bandeiras sobre mobilidades e afins para a sua cidade, sem nunca realmente ter conseguido esses títulos? Que autarca Madeirense inaugura placas com o seu nome, sobre obras que não foi ele que fez? Quer autarca Madeirense destruiu, com um verdadeiro ódio visceral, todo o trabalho antes executado pela autarquia que conquistou? Que autarca Madeirense fez de tudo para perseguir pessoas que trabalharam para outros executivos, numa autêntica caça às bruxas, destruição de carreiras e vidas? Que autarca Madeirense eliminou todos aqueles que causalmente discordaram com alguma ideia sua, rotulando-os de traidores e expulsando-os? Que autarca Madeirense já pediu demissão de diretores de órgãos de comunicação social apenas porque falaram naturalmente sobre ele? Que autarca Madeirense mandou destruir arquivos, sistemas informáticos e tudo o que significasse obra positiva feita no passado? Pensem nisso, porque apesar de ser Carnaval, e ninguém levar a mal, a agressividade e a violência mascarada de bondade, andam à solta pela Região! Não se deixem recrutar.

O Viajante da Paz

6 comentários:

Anónimo disse...

Este tipo de atitudes do Sr. Cafofo, recorda-me o nosso antigo presidente do Governo, o Alberto João Jardim. Cada vez vejo que são mais parecidos. Ambos são muito populares, gostam de falar com o povo e têm muito à vontade no trato com as pessoas mas são lobos em pele de cordeiro, porque têm atitudes muito pouco democráticas e que deixam muito a desejar.
Por um lado penso que apesar destas atitudes do Sr. Cafofo, seria bom que continuasse um partido ou movimento da oposição a governar a Câmara do Funchal, para o PSD não ficar novamente com o poder todo concentrado, pois seria bom para a nossa democracia mas por outro lado cada vez me identifico menos com esta forma de fazer politica do Sr. Cafofo e acho que era melhor outra pessoa à frente da nossa Câmara.

Anónimo disse...

Cafofo é o maior embuste da Madeira. Repete vezes sem conta a mesma notícia. Foram as 12 estradas alcatroadas quando ainda vivemos num oceano de buracos, foi a redução da dívida, quando a autarquia faz empréstimos de milhões. Uma barrigada de mentiras.

Anónimo disse...

Para não falar que recentemente cafofo queria produzir mais nove vídeos promocionais deles mesmo!

Eu, O Santo disse...

O GR não gasta dinheiro em jornais. Se calhar até não tem um jornal, nem criou leis para apoiar financeiramente a comunicação social... Caro viajante, se vai criticar em termos gerais: critique todos os que fazem. Se quer mostrar uma situaçao especifica, mostre à vontade.

Quanto à demissão de laranjinhas, tenho a dizer o seguinte: quem criou leis para não ter que fazer concurso publico para nomear dirigentes foi Albuquerque; não foi Cafofo.
Se calhar o próximo presidente do GR tem que manter lá os homens de Albuquerque para não dizerem que está fazendo uma "caça às bruxas".

E, quanto ao regime de impunidade mantido por Albuquerque às violações disciplinares dos dirigentes do GR?
E, quanto à manutenção o cargo de diretor do individuo que quase colocou um processo disciplinar a um funcionário por este ter pedido apoio juridico relacionado com tarefas do seu âmbito de competência?
Isto não e grave? Não deve ser criticado?
Ou o senhor "Viajante da Paz" é dos que alegam que a lei não é o que está lá escrito.

"Que autarca Madeirense eliminou todos aqueles que causalmente discordaram com alguma ideia sua, rotulando-os de traidores e expulsando-os?"
~"Que autarca Madeirense mandou destruir arquivos, sistemas informáticos e tudo o que significasse obra positiva feita no passado?"
"Que autarca Madeirense eliminou todos aqueles que causalmente discordaram com alguma ideia sua, rotulando-os de traidores e expulsando-os?"
Gostaria que identificasse os autores das supracitadas situações.






Anónimo disse...

Se a assembleia municipal não aprovou orçamento para os vídeos, há remédio fácil.
É falar com o Câmara do DN, este contrata uma empresa de realização de vídeos, e depois vai faturando de forma diluída nos cadernos cafofianos que o DN publica.

Não estou caluniando nem insultando, pois não ?
É só para rir !

Anónimo disse...

Um partido, ou militantes desse mesmo partido, que destrói centenas de milhões de euros comprovados, por exemplo mas não apenas, como as fotos que podem ver mais abaixo neste blogue, deveria ter vergonha para não publicarem artigos caricatos como este. lol