sábado, 6 de maio de 2017



ESTADO A DIREITO

GAUDÊNCIO FIGUEIRA

É a envolvente social dos adolescentes, na idade da ficção, que gera os sonhos. Sugiro-vos a leitura do texto abaixo para que, no final, cada um decida se estamos perante um sonho ou um pesadelo. A diferença é tão ténue! Porém, impregnada de valores morais.

Eu sou a Maria Boa Vida, tenho treze anos, vivo na Lombada dos Abençoados 3º Impasse à direita. Vivo com os meus pais e irmãos, a escassos metros da casa do meu avô. Ando na escola, e quero ser muito rica quando for grande.

Acho lindo o estado a direito em que vivemos. À Liberdade celebrada no fim de Abril seguem-se agora três semanas de festividades da flor. Comparar todo este bem-estar com os tempos tenebrosos que o meu avô descreve, em que não havia estrada nem luz, aqui em cima é a diferença entre o dia e a noite. Ele diz que vinha da escola a pé com os sapatos rotos, seguia pela vereda, entrava no trainel da levada e subia as “passadas” até chegar a casa. O pai, quando não venho no autocarro, traz-me no seu carro até à nossa garagem! Gosto de viver neste estado a direito.

O meu pai quando nasceu, quase que morria e, a minha avó passou muito mal por falta de médico. Graças ao estado a direito, assente na Liberdade e ao empenho de pessoas como os Srs. Drs. Alberto João e Miguel Sousa, entre outros, acabou a noite escura e, veio o sol da Autonomia. Retenho uma vaga ideia de ver o Sr. Dr. Miguel Sousa nos comícios, pondo a “Madeira em marcha”. Foi notável aquilo que se fez.

Vivo o ideal da Autonomia, daqui não me afasto. Não perco, às 5ªs. feiras, na RTP-M, o notável trabalho de divulgação daquilo que foi a luta para garantir o progresso da Madeira e Porto Santo. Foi lindo, ouvirmos o Dr. Miguel de Sousa explicar como perante a falta de dinheiro recorreu à Caixa Económica do Funchal para resolver o problema. Grande sabedoria teve aquele Senhor! Mas o Sr Dr. Alberto João não lhe ficou atrás, quando foi preciso dar vida à “Força de acreditar” do BANIF. Ai aquela conversa com os Srs. Horácio Roque e Joe Berardo no bar do Sheraton não me sai da cabeça! Era assim a união entre os grandes defensores da Autonomia, onde é de elementar justiça incluir o Sr. Dr. Paulo Fontes e a conversa a sós, na casa de banho, com o Sr. 1º Min. Tudo tão bem feito! Fossem doutros quaisquer estas afirmações, eu diria que mentiam, mas eles não. Eles não mentem!

Vou dedicar-me de alma e coração à Jota. Começarei pelos trabalhos mais humildes, sempre a pensar no melhor para o partido e para mim. Levantar-me-ei cedo, as vezes que forem necessárias, para acompanhar as pessoas nas concentrações determinadas pelo partido. O militante exemplar, para mim, é o Sr. Dr. Miguel Relvas. Aquele homem tem uma vida ao serviço dos outros. Desde os seus tempos de Jota que ele vem engrandecendo o partido, ao congregar à sua volta os militantes para garantirem apoio em votos aos chefes partidários. Num ápice chegou a Ministro, pois os dirigentes apoiados por ele não o esqueceram, quando foram eleitos para Funções de Estado. Esta lógica já eu percebi. “O meu avô é militante da primeira hora e o meu pai seguiu-lhe os passos”.

“Quero ser uma espécie de Isabel do Santos. O pai dela ajudou a Independência de Angola, o meu, a Autonomia da Madeira. Seduz-me ter um Banco! Estou ansiosa pelos próximos episódios da divulgação daquilo que foi a luta pela Autonomia, quero perceber muito bem as relações entre o Poder Político e o Poder Financeiro, já afloradas, mas ainda não totalmente explicadas. A minha ambição é grande, eu sei, mas vou lutar por ela. Confio totalmente na Autonomia e no estado a direito que a suporta.”

Restam-me duas dúvidas. Vou confessar-vos quais. Qual a diferença entre este estado a direito e o Estado de Direito de que, uns velhos, mais velhos que o meu avô, tanto falam? O que é o respeito pela Pessoa Humana? Porventura alguém é desrespeitado no estado a direito que a minha família ajudou a construir?  

14 comentários:

Anónimo disse...

Dr. Gaudêncio,

Fartei-me de rir. E metade do grupo parlamentar do PSD é isto.

Anónimo disse...

Ou e demasiado inteligente ou demasiado embaciado pela cegueira a croniqueta não faz sentido nenhum nem sequer é perceptível fora a questão da relação com o sistema financeiro as vezes a cegueira de um objectivo tolda nos a noção da clareza das ideias em todo o caso quanto às jotas elas são todas assim fiéis cópias da menoridade das seniores. Ou diz claramente o que quer dizer ( qye toda a gente já sabe) ou não se canse

Anónimo disse...

Isto é uma mera vingança e ajuste de contas com o passado ou já e algo patológico tipo síndrome de fixação. Já não há pachorra. O que o cavalheiro pretende evitar e inevitável como o destino e só aguardar por dezembro eheh o que vale vale sempre o que não tem préstimo nunca o terá como se pode ver passados dois anos..,

Anónimo disse...

Até parece o Gaudêncio que queria ser grande .....

Anónimo disse...

Ficaste aflito anónimo das 18:48?
O homem já não é ressabiado e incompetente? Já concordas com ele?
Prepara-te que vais engolir mais sapos. Lembraste do Klauss? Esse é um elefante do tamanho do Grande Líder

Anónimo disse...

Grande parte dos anónimos que por aqui anda deve dedicar-se a ler, exclusivamente, as Crónicas da sexta-feira de ex-S. Exª., Sr Dr. João Cunha e Silva. Aquilo é que vos enche a alma. Vocês afinam com as críticas aos vossos mitos.
Ele, Cunha e Silva, até descobriu que havia "mamanço" em Venezuela com os Adecos e Copeianos. Grave é que se distraiu com as investigações e não deu conta daquilo que acontecia na Marina do Lugar de Baixo, na Piscina do Curral (é verdade têm notícias dela?), Aterro do Funchal, Lagoa do Santo, heliporto etc.

Fernando Vouga disse...

Já que se fala aqui de competência, convirá esclarecer que o sentido do termo varia muito com o contexto. Num contexto normal, digamos assim, tem a ver com a capacidade de usar a cabeça. Num contexto jatdinista tem a ver com o uso da língua. Se for para lamber as botas ao chefe, é competência. Se for para dizer umas verdades é incompetência.

Anónimo disse...

Dr. Gaudêncio, já reparou as vezes que o Klauss Freidrich vem aqui comentar ?
Você faz-lhe comichão. Continue.

Jorge Figueira disse...

Meu Caro Fernando Vouga, acabou de deixar aqui uma grande verdade. A competência para muitos anónimos, bem como alguns - poucos é verdade, mas com elevado estatuto - com cara e nome estampado no ex-JM, é medida pelo lambebotismo e servilismo.
Para mostrarem serviço andam e insultar-me desde 1996. Incompetente e ressabiado é o primeiro degrau na escala do insulto.

Anónimo disse...

O anónimo das 09:36 acho que não tem razão. Os leitores gostam dos texto com factos alternativos - as mentiras que para os ignorantes parecem verdades - aqui, o Gaudêncio, fala de coisas verdadeiras e eles ficam como rato que comeu raticida. Ficam sem saber onde andam

Anónimo disse...

Querem melhor exemplo de jotinhas incompetentes sem profissão que tomaram o poder que o passos coelho e seus seguidores??? Disso não fala o articulista é preciso e bater no jardunismo p branquear a renovação

Anónimo disse...

Parece me que aqui ninguém insultou o articulista menos ainda o chamou de incompetente que justifique esta vitimizacao o que me parece ter se criticado foi a agenda do senhor e a sua eterna fixação no passado cujos contornos não estão claros e quica para branquear um presente alucinado e incompetentes dos regedores renovados

Anónimo disse...

Mas que jotinhas é que você conhece, para falar assim deles?!
Fala-barato... Não tem nada de jeito para falar, então ataca... Triste! Ignorante!
Força PSD!

Anónimo disse...

Alguns animais de carga tem palas nos olhos para ver num só sentido mas quer explicação eu explico o vosso líder e o pior primeiro ministro que este país teve e que se esquecia de pagar a seg social foi jotinha até aos 36 anos data em que acabou um curso e foi arranjar emprego nas empresas do correia etc o resto é conhecido quer mais exemplos de jotas memoráveis? Ou tem alguma dúvida de que a jota e uma agência de emprego para os medíocres? Destape a pala