sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Festival da Luz: olho no fogão!


'Truques manhosos' do Secretário Eduardo Jesus


Foi publicado hoje no Diário da República II Série, Número 30, Sexta-Feira, 10 de Fevereiro de 2017, o anúncio do concurso público n.º 1067/2017, assinado por António Eduardo Freitas de Jesus, Secretário Regional da /Economia, Turismo e Cultura, relativo para contratação de serviços de conceção logística, coordenação, direção e realização do Festival da Luz 2017.

O ponto 9.2 do anúncio diz que as peças do concurso serão fornecidas por meio eletrónico utilizado a plataforma eletrónica acingov.pt, mediante o pagamento de  150,00 EUR .

Viram  bem, melhor dizendo, ouviram bem, 150,00 EUR para fazer um clique.

É claro que nós sabemos porque razão a disponibilização das peças do concurso custam tanto, é para restringir a concorrência, para que haja apenas uma firma a concorrer, quando até seria desejável que o acesso seria gratuito, em nome do interesse público.

A 'Conchita' também punha preços exorbitantes, teve até um concurso que durante 30 anos ganhou sempre a mesma firma, mas essa tinha muitos anos a assar frangos, agora este Secretário vai pelo mau caminho e não tem experiência em churrasco.

Cuidado que as coisas poderão dar para o torto. Estamos atentos.

João Neves

19 comentários:

Anónimo disse...

150,00 pelas peças é um absurdo. O sem malícia levou 50,00 pelo concurso publicado hoje também e já é muito caro.

Anónimo disse...

Todavia este ainda fez concurso público. Se fosse o "sem malícia" adotaria um concurso limitado por prévia qualificação.

Anónimo disse...

Deus é grande e um dia destes uma startup leva-o a ele e ao governo.

Anónimo disse...

Além desse problema e bem pior é a forma como trata os funcionários, acham que alguém vota neste PSD, eles não percebem que as pessoas têm família, e vamos ver no que vai dar a começar pelas autárquicas e mais não digo.

Anónimo disse...

Mas o Eduardo perde alguma coisa com isto????? Quem perde é o PSD e o Albuquerque o povo vai dando noticias....

Anónimo disse...

Nada de especial, acontece em todos os concursos públicos desde que o Estado resolveu inventar este negócio e dá-lo a privados. Paga-se para aceder, para registar, para despacharem-se a validar a empresa, para submeter proposta, para reclamar, etc
Ainda por cima plataforma acin, vortal e outras que existem à volta desta mama, funcionam todas mal, com tecnologia obsoleta e ridicula
Mas é assim, empresas que vivem de monopólios e com produtos de fraca qualidade depois são apelidadas de "inovadoras" e criam muitos postos trabalho de salários mínimos ou sem salário mesmo, oferecidos pela Rubina Leal!

Anónimo disse...

Há que pensar em obter receitas que beneficiem o erário público... AH AH AH AH

Brincalhões!

Anónimo disse...

Sr. Anónimo das 13:34. O Código dos Contratos Públicos estabele como regra a disponibilização das peças a título gratuito. Todavia, se a entidade pública quiser pode por um preço razoável para disponibilizá-las. Quando se põe a 150,00 euros é para afastar as empresas. Pensava que a Administração Renovadinha se ia debater pela moralização da vida pública, afinal enganei-me. Nas autárquicas é preciso por esta gente na ordem.

Anónimo disse...

Bem feito! Devia ser 1500 euros para ver se esta viloada abre os olhos e afasta estes laranjinhas do poder!

Anónimo disse...

ainda por cima o concurso dá apenas 12 dias de resposta. isto é mais um esquema completo para dar a alguma empresa amiga da ECAM e do barrigudo irmão do secretário ?

Anónimo disse...

Como se fazer concurso público fosse a garantia de ser feito tudo bem. O concurso limitado por prévia qualificação também é legal.

Anónimo disse...

O dinheiro dos outros é fácil de gerir.

Anónimo disse...

•••uma "vaquinha" para o Sílvio arranjar 150,00€ ... e temos de volta a firma da "Conchitas" de regresso😊😊😊

Anónimo disse...

Se o Albuquerque não muda governo e partido vai entrar pelas canas dentro e Manuel António vai avançar....isto está tudo a abanar e a Rubina vai-se lixar...

Anónimo disse...

150,00 euros pela disponibilização das peças do concurso é um indício de corrupção. Pede-se a atenção do Ministério Público e da PJ para o que poderá vir.

Anónimo disse...

Festival da Luz? Isso é uma inovação do Grande Empreendedor, quem sabe se para depois a coisa vir a cair no regaço
de "mão amiga", muito a propósito agora, depois da recente criação de uma mui próxima "nova" empresa
de luz & fogo? Olho no preço...

Anónimo disse...

O Miguelito e o Ruizinho não dizem nada sobre estas práticas manhosas que indiciam favorecimento e corrupção?

Anónimo disse...

Começa a "cheirar" a fim de ciclo.este nem deu pra aquecer. A coisa ta totalmente partida e a cofirmar.se o esboroamento em outubro(cada vez mais so um milgre de fatima inverte as tendências dada as divisões)temos mudança de protagonista que apenas ta a espera e a contruir alternativas paralelas. Apenas os iludidos nao estão a ver. Perigoso vao ser os mudanças de casaca aliados aos lambe.botas.

Anónimo disse...

Uma empresa que não tenha 150 euros para peças de concurso mais vale se virarem para cavar semilhas.