sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Opinião


Reforçar a solidariedade 
entre os advogados ¹


“Governo ou CMF devem ceder imóvel à Ordem”. Li esta declaração do bastonário da Ordem dos Advogados e fiquei perplexo. Devem, porquê? Para o bastonário “a Ordem dos Advogados, tem de ter uma dignidade própria, que é também física” pelo que pergunta: “o Governo Regional ou a Câmara Municipal do Funchal não tem imobiliário suficiente para atribuir por comodato um espaço digno para a Ordem exercer a função importante da defesa do Estado de Direito?”.
Ainda não refeito da perplexidade, no dia seguinte leio “Advogados reivindicam sede para Conselho Regional”. Desta vez a reivindicação foi feita pelo presidente do Conselho Regional da Ordem dos Advogados na Madeira, na sua tomada de posse, que acrescentou “é tempo de dar à Madeira uma sede condigna, à altura da nossa advocacia e da nossa história”.
No seu discurso de posse, aproveitou a presença dos destinatários da reivindicação para afirmar “estou convicto de que o senhor presidente do Governo Regional da Madeira e o senhor presidente da Câmara Municipal do Funchal estarão ambos motivados e sensibilizados para juntamente com a Ordem dos Advogados trabalharem, no sentido de encontrarem um espaço digno que possa representar a advocacia portuguesa”.
Admito que para alguns isto possa fazer sentido. Para mim não faz qualquer sentido. Com estes argumentos, todas as associações profissionais (médicos, engenheiros, economistas, psicólogos, etc.) podem, igualmente, reivindicar ao Governo Regional e à Câmara Municipal a cedência de um espaço digno, à altura da dignidade da profissão. Mais, estes argumentos podem, também, ser utilizados por associações setoriais e empresariais, sindicatos, etc., etc., etc.
Em contraste com esta reivindicação, lembro-me que, em 2014, o governo regional teve uma iniciativa no sentido de retirar espaços cedidos a umas Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e de passar a cobrar rendas a outras IPSS.
Voltando à reivindicação do Conselho Regional da Ordem dos Advogados na Madeira, se os 450 advogados e 20 estagiários que existem na Região defendem a tão ambicionada sede, provavelmente não terão dificuldades em apelar à solidariedade dos advogados e pagar os custos de um espaço digno, sem necessidade de recorrer a exigências desajustadas da realidade social de uma região que tem graves problemas sociais a resolver, como é o caso dos milhares de desempregados que se viram obrigados e entregar as suas casas aos bancos devido à crise financeira, dos desalojados dos incêndios de agosto de 2016 e das famílias pobres que vivem em condições sem nenhuma dignidade à luz da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Será que a prioridade do Governo Regional e da Câmara Municipal do Funchal é encontrar e ceder à Ordem dos Advogados um espaço digno que possa representar a advocacia portuguesa?
¹ Estatuto da Ordem dos Advogados, alínea f) do artigo 3º

Augusto Lima

11 comentários:

Anónimo disse...

Ordem dos Advogados passou em 10 anos do "mais olhos que barriga" para a miserável "pedincha costumeira"!
O Palacete do Conde Canavial, à Rua da Carreira, já esteve em vista para esse introito, pois foi...
Mas a muito Pedagógica Crise de 2008, fê-los descer à terra, como bem lembra este artigo da época:
http://www.dnoticias.pt/impressa/hemeroteca/diario-de-noticias/82338-ordem-dos-advogados-com-nova-sede-em-2008-GSDN82338

Anónimo disse...

Os advogados já têm uma sede...ou está tudo louco? Na avenida arriaga e pelo que sei até tem auditório... seria melhor se andassem a fiscalizar advogados aldrabões que existem, falcatruas nos tribunais ou tomadas de posição sobre temas importantes para a Madeira em vez destas baboseiradas pedinchonas de protagonismo

Anónimo disse...

Se a Câmara der uma sede aos advogados tem de dar uma sede também aos carpinteiros, padeiros, cantoneiros, prostitutas, chulos, etc.

Anónimo disse...

Foi cedida alguma sede à Ordem dos enfermeiros, ou dos médicos, economistas, engenheiros, etc etc etc. ???? Advogados, sempre os mesmos oportunistas.............

Anónimo disse...

Ceder instalações para a ordem dos advogados? Mas porquê? Não faz qualquer sentido. É preciso dinheiro? Que tal aumentar as quotas?

Anónimo disse...

A grande diferença entre a ordem dos advogados e a dos enfermeiros e que a primeira e de homens formados numa licenciatura desde há mais de 400 anos desde os cânones e leis e da fundação das universidades não licenciaturas artificiais criadas por decreto cuja ciência autónoma se desconhece e que nos recentes primórdios se contentava prosaicamente com dar injecções e fazer pensos com a 4 classe tudo o mais e encher chouriços a pala da quantidade de gente poder de reivindicação e imbecilidade do sistema estas coisas que ninguém tem coragem de dizer

Anónimo disse...

Senhor Augusto Lima diz: "li esta declaração...". Leu isso onde? Não vi nada disso. Leu onde?

Anónimo disse...

Tristeza, gente mal formada, cabulam umas sebentas, copiam, dormem de dia e bebem à noite, grande formação, nem às aulas precisam ir, depois apanham se com o canudo e isto é tudo nosso, 1o estavam entrincheirados nos tribunais, agora tomaram conta de tudo, administração publica e autarquias, e vê se o resultado do país, cada vez pior, santa ignorância, quem não os conhece?

Anónimo disse...

Quem produziu essa afirmação foi o presidente regional!

Anónimo disse...

Nas antigas instalações do palácio da justiça havia duas salas, com duas funcionárias, com electricidade e água pagas pelos tribunais. Depois dessa chulice parece que esses senhores querem outra vez o bem bom. Vão trabalhar malandros!

Anónimo disse...

Calisto,

Você não publicou o meu comentário a solicitar ao governo ou à câmara que me arranjasse também uma sede, para eu jogar às cartas e tomar uns copos com os compinchas, sem a patroa a chatear.
É por que se é para arranjar uma sede para os advogados que têm muito mais dinheiro que eu e os companheiros da bisca, porque não uma sede também para nós ?
Não ofendi ninguém, pois não ?