segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Autárquicas 2017, Câmara Municipal do Funchal,


O Grande Embuste


Quando Miguel Albuquerque deixou o Município do Funchal, deixou igualmente uma máquina administrativa bem “oleada” e a funcionar, ou seja, a sua lei orgânica de funcionamento, a estrutura dos departamentos municipais etc, tinha sido fruto de o resultado de uma evolução de décadas, até se apurar a melhor eficiência do serviços e um método de trabalho estruturado por objectivos, a orgânica da CMF resultou de um processo de evolução, avaliação e optimização de serviços, como da mesma forma acontece em muitas empresas e outras organizações deste género. Obviamente que à data de 2013, muita coisa ainda tinha de ser aperfeiçoada, mas a máquina da CMF funcionava de forma satisfatória na maioria dos seus serviços, e apenas eram necessários ajustes em algumas áreas e setores, conforme inclusive foi identificado no programa eleitoral de Bruno Pereira. Contudo e com a vitória do Projeto político “A Mudança” o paradigma da transformação assolou os Paços do Concelho, assim sendo, e numa primeira abordagem da nova filosofia politica prometida na época, Gil Canha era a bandeira máxima desse conceito da Mudança anunciada. Prometia que a "Mudança" fosse o libertar da câmara, das amarras dos grandes grupos de pressão e lobbys da construção ou económicos, bem como o colocar em prática de políticas mais modernistas, inspiradas nos países nórdicos, ditos mais civilizados em matérias como ambiente, urbanismo, património, mobilidade, fiscalização e cidadania em geral. Contudo a Historia hoje revela-nos que afinal, Gil Canha foi afastado por defender precisamente esse paradigma de “Mudança”, e ao que parece, e pelas acusações dirigidas recentemente pelo mesmo ao Presidente Paulo Cafofo, o mesmo afinal subjugou-se aos grandes grupos de pressão, e não sabemos na realidade a que preço, mas perante tais acusações, quase que nos parece, e a nós, pessoas normais, que por detrás de Cafofo, poderá estar uma história tipo Sócrates, mas à moda Madeirense, quem sabe? Contudo, qual foi então a Mudança operada por Cafofo? Dessa forma e após todas as denuncias de Gil Canha, já todos percebemos que Cafofo não mudou os primeiros paradigmas politico filosóficos da dita anunciada "Mudança", Cafofo, mudou sim toda a Orgânica da CMF deixada por Albuquerque, e destruiu todo o trabalho realizado pelo seu antecessor, conforme foi proferido por José Miguel Iglésias, o grande operador politico desta Câmara, que sempre afirmou que, da mesma forma como se passa no Continente, quando se muda de partido numa organização, tudo deve recomeçar de novo, o trabalho realizado para trás não importa, não obstante estarmos numa ilha, sem se medir o risco de ficarmos ainda mais atrasados. Ora bem, dessa forma, Cafofo, deitou abaixo toda a orgânica de funcionamento do Município criada por Albuquerque durante duas décadas, e criou uma nova máquina de funcionamento da edilidade, isto através da criação de novos megas departamentos, estruturados por uma empresa continental contratada para os devidos efeitos, que sem ouvir a maioria dos funcionários da Câmara, operou assim à destruição cega e brutal da anterior máquina e de todo o trabalho feito até então, até nos domínios da Informática, pelo que se sabe, todos os esforços feitos pelo PSD durante anos, para a chamada eliminação do papel, numa politica de “Papel Zero” foram destruídas, para assim se iniciar todo esse trabalho de novo, e depois se vender em propaganda politica, que finalmente a CMF está a fazer esse trabalho. Alias, essa tem sido uma das grandes sintomologias do guião político elaborado pelo executivo político de Cafofo, a destruição de trabalho já feito pelo anterior executivo, para relançar de novo como se fosse a primeira vez! Contudo e neste cenário de recomeçar das cinzas, imposto pela interpretação da “Mudança” dos Cafofianos, será que a nova Máquina da Câmara funciona? A Nova orgânica? Claro que que não, não passa de uma organização e distribuição de serviços totalmente experimental que não funciona de todo, com a generalidade das orgânicas dos departamentos muito mal desenhada, misturando-se serviços de valências desconexas, de difícil gestão, e a prova é que a maioria dos funcionários da autarquia, com exceção de um pequeno grupo de escolhidos, vive numa total anarquia e desnorte em termos de objectivos e metas de trabalho, entregues às ordens de estagiários e amigos inexperientes do executivo, bem como muito do trabalho técnico, ao invés de ser elaborado pelos funcionários, é comprado às varias empresas “amigas” da máquina socialista. Só quem é “utente” da CMF sabe que a máquina deixou de funcionar, e o inferno que é concluir qualquer processo de natureza simples, isto nas várias vertentes dos serviços municipais. Toda a aposta do Município centralizou-se na propaganda politica ao nível do Diário de Noticias da Madeira e das redes sociais, o que quase transforma este projeto político num dos maiores embustes de sempre, em termos do que realmente é o funcionamento da organização e sobre o que é transmitido pela imprensa. Paulo Cafofo escreveu recentemente um artigo sobre a “Politica do Vale tudo”, e só pode, realmente, estar a falar sobre ele, ou então a gozar com a cara de todos nós, a “Politica do Vale Tudo” é precisamente a dele, que faz propaganda três e quatros vezes do mesmos projetos no Diário, projectos esses que muitas vezes nem os funcionários da autarquia têm conhecimento, para não falar que Cafofo só lhe falta “vender a mãe” para ganhar as próximas autárquicas, contudo não esquecemos, e teremos de avaliar todas estas ofertas propagandeadas no diário de noticias, afinal quantos medicamentos distribui cafofo à população? Quantas casas arranjou? Quantos dos inúmeros programas propagandeados no DN Madeira funcionaram? Fazer notícia que a CMF concorreu a um prémio qualquer Europeu, e que isso é logo um grande feito, é muito diferente de sabermos exactamente os resultados? Fazer grande notícia que se fez uma “Mega Operação” de Limpeza da Nazaré, leva-nos a pensar que se a limpeza fosse regular não seria preciso a operação da “Mega Limpeza”. Enfim Cafofo, na sua fúria de protagonismo à custa de qualquer preço, subestima a capacidade de interpretação de parte da população, e ainda que vivamos muito numa cultura de reality show, agora liderada pelo populista e estrela de TV Donald Trump, o Show de Cafofo começa a dar que pensar em muitos sectores da população. Até que ponto o papel de bonzinho e de “Zè Maria do Big Brother 1” lhe assenta bem? Enfim, posto isto, fica o enorme desafio dos candidatos oponentes a Cafofo nas autárquicas de 2017, sejam eles os candidatos a Presidentes como a Vereadores, que têm pela frente a titânica missão de voltar a por a máquina da CMF a funcionar, a começar pelos funcionários, sim a funcionar mesmo, na vida real, para a cidade e para os munícipes, e não a funcionar de forma virtual e embusteira para o Diário de Noticias da Madeira, isto para efeitos de garantir as próximas eleições. Boa Sorte a todos os novos candidatos às Autárquicas 2017 no Funchal, pois a missão será difícil e onerosa, pois estamos perante um dos maiores Flops e golpes organizados de sempre em termos de gestão de uma instituição publica na Madeira.
O Pregador sem Rumo

22 comentários:

Anónimo disse...

E as obras ilegais patrocinadas pela ASA e por Albuquerque que prejudicaram municipes? Todas as chefias do urbanismo estavam a par dessas anomalias e fecharam os olhos, agora essas obras ilegais, prestes a ruir e cairem podem matar pessoas e destruir outras casas legais, se acontecer uma desgraça de quem sera a culpa? A ASA continua activa, com um familiar de Albuquerque a dirigir a mesma.

Anónimo disse...

Ouvi dizer que a anterior vereação deixou uma dívida de tirar o sono.Será verdade? É que sem dinheiro a coisa fica negra. Primeiro é preciso pagar as dividas.

Anónimo disse...

E preparem-se que a orgânica vai mudar outra vez. Ja á instruções: se os novos dirigentes não fizerem tudo o que os senhores querem é simples, mudasse a orgânica e eles são demitidos do cargo sem direito a indemnização

Anónimo disse...

A coisa esta tao má que mesmo os "escolhidos" estão ansiosos por largar o tacho
Sou funcionária da câmera a tantos anos e nunca vi nada assim. Distruiram tudo: orgânica, vontade de trabalhar, tudo. Os anteriores não eram santos mas estes São o demónio: ou tas comigo ou tas contra mim e se tas contra mim vais ser massacrado

Anónimo disse...

Se nao fosse tragico ate tinha piada. Quando leio isto faz.me lembrar o atual desGoverno. Sem tirar nem por.

Anónimo disse...

O que é o grande embuste? Não percebi.Muita confusão para a minha cabeça. Também não percebi aquela dos dirigentes.Se os novos dirigentes não fazem o que eles querem são demitidos? Mas em que serviço é que cada um faz o que quer? Cada um a querer mandar-se?
Deve ser mesmo difícil estar à frente da Camara.

Anónimo disse...

Se as pessoas pensam que os funcionários da Câmara estão bem, venham cá e falem com o pessoal. Nunca passamos por bandalheira assim, ninguém cumpre horários e até as chefias estão desmotivadas. ESTA É A VERDADE!

Anónimo disse...

No nosso departamento estávamos a trabalhar na desmaterialização, uma Cãmara sem papel como Oeiras e Cascais. Depois que outros vereadores foram corridos eles mandaram embora a dra. Filipa Teixeira e lá se foi o projecto com grande pena nossa.

Anónimo disse...

O Glésias trata os funcionário da camara como lixo e sem consideração o vereador Domingos nem cumprimenta a gente e o sr. Presidente mostra a cremalheira branca mas não meche uma palha.

Anónimo disse...

Todos falam dos funcionarios da autarquia e o pessoal dos Viveiros não é gente? Nós estamos para aqui abandonados e isto está tudo de canelas para o ar.

Anónimo disse...

Eu acredito que muita coisa esteja mal, assim como a anterior vereação teve muito que se lhe apontasse. Agora uma coisa é certa, se não fosse ano de eleições, estes assuntos não eram para aqui trazidos com tenta frequência. Até às autárquicas este espaço será um fartote de acusações com as máquinas partidárias a fazerem o que melhor sabem: denegrir!

Anónimo disse...

Bem oleada de calotes e casos de tribunal.

Anónimo disse...

O Cantor espanhol e os seus lacraios estão em força aqui para defender a sua dama

Já foste

Anónimo disse...

No tempo da outra senhora (a última)havia duas formas de por o pessoal a trabalhar e reduzir o nível de crítica pública; a cenoura e o chicote. Não há cenoura e os atuais líderes não têm experiência com o chicote. O que gosto de ver é técnicos superiores, chefes inclusive, a se desculparem pelo seu não trabalho com os líderes políticos. Falta-lhes chicote já que vergonha não têm. Se tivessem o emprego em risco organizariam os respetivos serviços mesmo sem terem os políticos a pressionarem.

Anónimo disse...

O Iglésias e seus muchachos não dão decanso nos comentários! Já se começa a ver um certo desespero! Mas afinal a sondagem não dava quase 50%? Ou foi apenas o resultado da encomenda ao DN e a verdadeira sondagem não foi feita?

Anónimo disse...

Artigo muito bem elaborado e faz todo o sentido, o cafofu só faz propaganda da grossa, penso que ninguém fica convencido e a derrota será fulminante

José Francisco disse...

Espero que os comentários escritos sejam de pessoas sem ocupação profissional porque é gravíssimo termos funcionários públicos que nem sabem escrever. E se de facto são funcionários públicos, ao invés de estarem cá a escrever parvoíces, deviam aproveitar esse tempo para se instruir e para trabalhar, que é para isso que são pagos.

Os funcionários honestos, sérios e leais, sabem que a Câmara Municipal está melhor do que estava. Agora, continua a ter problemas por resolver, continua a ter técnicos a quem foi tirado a chucha e agora amuaram, bloqueando o trabalho de outros, continua a ter que melhorar imensos procedimentos práticos. Tudo a seu tempo, caminhamos para uma melhor autarquia. Nem quero mudar a opinião de ninguém, cada um com a sua, mas é sempre oportuno registar a desonestidade dos pseudo comentários.

Vosso problema é terem demasiado tempo livre. O PSD está à rasca para sair vitorioso nas próximas eleições, o trabalho no Governo Regional está a ser um fiasco, uma enorme desilusão e o povo vai saber avaliar bem quem sabe trabalhar, quem trabalha bem e quem se esforça por dar alternativas. Convém o PSD entender que as eleições ganham-se com esforço, com trabalho, a falar com as pessoas e a resolver problemas.

A Mudança vale o que vale. Podiam ter feito mais e melhor, podem sempre o fazer. Se de facto há insatisfação, têm a oportunidade em eleger outros políticos. Cheguem-se à frente e escolham quem melhor vos serve. Temos quatro anos de trabalho da Mudança, temos um Governo Regional PSD, nunca houve tanto feedback como o que temos hoje, para poder decidir.

Abraço a todos, especialmente os que se escondem atrás de um teclado e nem têm capacidade para escrever um texto minimamente coerente e sem erros ortográficos.

Anónimo disse...

Olha um professor cafofiano! Até parece que escrever mal o português retira às pessoas o seu direito a comentar e criticar a bandalheira cafofiana.

Anónimo disse...

Sr. Professor comentarista - Vá pentear macacos! está em português correto?!

Anónimo disse...

Governo tresloucado, oposição desgovernada. E é o que temos.

Anónimo disse...

O Grande Fiasco, a Grande Desilusão chama-se Paulo Cafôfo. Uma pessoa que parecia honesta e afinal saiu-nos um ditadorzeco que manda e desmanda no burgo dos Paços do Concelho, com o sr. Iglésias a destratar quem lá trabalha.
Será que esta é a hora certa para uma funcionária da CMF fazer um comentário? E o português está bom ou o comentador das 14h52 quer dar uma achega? Será que também acha que temos demasiado tempo livre para vir ao blogue do Sr. Calisto comentar ou o tema e o timing não lhe convém?
Não lhe convém que nós comentemos, que nós falemos! Mas o tempo da ditadura já lá vai. E o sr. presidente também irá em setembro porque quem trabalha na CMF não votará nele! Há sempre as excepções - os que estão agarrados à cadeira do poder.

José Francisco disse...

Caros comentadores, tanta agressividade sem qualquer necessidade ou razoabilidade. Estão à vontade para comentar o que bem entenderem, fazer em bom português é o mínimo que se exige. Quanto ao conteúdo, é mais do mesmo, falta de meio-termo, é tudo mau, é tudo um fiasco, a Câmara do Funchal está parada (esta é mesmo a que mais gosto, sobretudo quando dita pelos marmanjos do PSD-M), falta de honestidade, bandalheira.

Caramba, acreditam realmente naquilo que escrevem? É desonesto afirmar que está tudo pior. Desonesto e mentira. Aceito que esteja a ser uma desilusão, cada um saberá quais as expectativas que tinha, mas convém que sejam sérios, nem tudo é mau e nem tudo é excelente. Podiam e deviam ter feito mais em algumas áreas, a cidade continua a ser um deserto, comerciantes a fechar lojas, era e é preciso mais pelo comércio. Houve projectos sociais que falharam (Câmara à Porta), outros que foram bem sucedidos (Formação e Ocupação em Contexto de Trabalho / Pagamento de Rendas / Complemento ao abono familiar). Baixaram o IMI. O investimento público, em redes de esgotos e de águas, a gestão das estradas municipais, a limpeza de terrenos abandonados, foram e são áreas com uma pobre intervenção. E muito mais haveria a dizer.

Cada um poderá e deverá votar em consciência. São livres de votar noutro partido, noutra pessoa, noutra política, noutro projecto. Há muita vingança preparada, a Mudança prometeu mexer em muitos interesses, mexeu com alguns (vocês sabem que eles ao provocarem mudanças nas chefias, compraram uma guerra, mas estão sendo vitoriosos, vemos novas pessoas nos cargos ou melhor, algumas novas pessoas), outros simplesmente nem conseguiram lá chegar.

Ditadura? Só disse que podiam escrever sem erros ortográficos. Tanto nervosismo que há por aqui, os meninos do PSD estão nervosos? Calma. Eu compreendo que cheira a novos tachos, mas vão ter que primeiro ganhar as eleições e nem será nada fácil.