terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Rádio Comercial | Mixórdia de Temáticas - Asilo político semi-chalupa




Humorista propagandeia Coelho à borla


Ricardo Araújo Pereira e divertidos companheiros do programa 'Mixórdia de Temáticas', da Rádio Comercial, trataram do asilo político pedido por José Manuel Coelho ao Príncipe do Ilhéu. Na circunstância, o bem cotado humorista diz achar que tanto o deputado Coelho como D. Renato, 'o Justo', são semi-chalupas.
Fénix acha que, daquele modo, não é tão mau assim ser semi-chalupa. Veja-se o caso do chefe do PTP: disse umas verdades a Garcia Pereira e a outros figurões de nomeada, daquelas verdades que dão prisão (neste País), e lá vai ele mesmo cumprir prisão, se acaso o asilo na Pontinha for abortado por alguma operação militar portuguesa. 
E então? 
Então é que a pena judicial aplicada a José Coelho consiste em meter o alegado semi-chalupa 'dentro', a comer de graça e a dormir em cama com roupa lavada, livrando-se o condenado da companhia dos chalupas-totais que enchem a cidade aqui fora!
Assim também eu quero ser semi-chalupa. Mas aviso já: se me meterem lá dentro só ao fim-de-semana, faço uma patifaria para ficar todo o tempo na Cancela. 
Se me vejo livre destes chalupas que por aí andam... 
Há com cada um!...
Sugiro, portanto, a Ricardo Araújo Pereira que reveja a forma de analisar a situação. Felizmente, ele também sabe ser semi-chalupa quando é preciso. 

PS - Não vou falar da propaganda gratuita que Coelho está a conseguir em ano de eleições, para não estragar o negócio ao homem. Diacho, agora vejo que está em título...




                                

16 comentários:

Anónimo disse...

Grande erro do Ricardo Araújo Pereira.
Sua Alteza Real é D. Renato l e não D. Renato ll. Uma imprecisão histórica.
Já agora, alguém sabe dizer que é aquele cromo no meio dos dois semi-chalupas ?

Anónimo disse...

O do meio e conde mas n e familia do conde Castelo Branco este impoe respeito fica impavido e sereno no meio das duas individualidades historicas sua alteza real D Renato I o Justo e deputado Coelho.
O conde veio diretamente da Franca pra assistir ao asilo historico e sui generis do deputado Coelho.
Parece um seguranca. Tem cara de poucos amigos.
Nunca um video do Coelho teve tantas visualizacoes em poucas horas. Esta acao do deputado Coelho foi objecto de varias reportagens. Varias equipas televisivas pediram autorizacao ao Principe D Renato I pra entrarem em territorio autonomo o Principado da Pontinha. Este video tem sido partilhado em todas as redes sociais.
Coelho vai levando a agua ao seu moinho.
Coelho nao se importa que o chamem de louco ou semi chalupa....o que importa e que falem dele e das suas batalhas.
Dou os meus parabens a quem esteve por detras disto tudo que grande encenador ate houve toque de trombeta.
Parecia que estavamos em plena Idade Media epoca das trevas.
O video ja vai em 50 mil visualizacoes.
Os madeirenses mais famosos da nossa Madeira CR7....Rei Jardim e deputado Coelho.

Anónimo disse...

Tendo em conta que o Príncipe está a ser executado em tribunal e que já lhe penhoraram o 'território', que em breve será vendido em hasta pública, para onde vão os dois "chalupas a 100 por cento"? Para as Berlengas?

Anónimo disse...

O Coelho e o Príncipe Renato escolheram a maneira mais inteligente para rebentar e gozar das instituições que passam a vida a gozar de nós.

Anónimo disse...

Coelho devia ter feito este "teatro" na altura das eleições presidenciais....

Anónimo disse...

Ja dizia o Gil Vicente Ridendo castigat mores....a rir se castigam os costumes e instituicoes.

Anónimo disse...

O humorista enganou.se no que respeita ao titulo de Sua Alteza Real D. Renato...
Com este video o grau de loucura entre Sua Alteza e Sua Baixeza entre aspas tornou.se semelhante. Qual destas duas individualidades os madeirenses levam mais a serio?
Coelho e um monstro politico.
Penso que este vai ser o video mais visto do ano.
Saldanha disse que o garcia era agente da Xia e Coelho por dizer umas verdades irrevogaveis foi condenado sem pena sem agravo.
Neste pais os ricos figuroes do regime no jargao do Coelho safam.se os pobres nao tem muitas hipoteses.

Anónimo disse...

A sátira bem executada como foi este caso, "rebenta" com a postura dos tribunais que só se preocupam com os "pilhas-galinhas" e fecham os olhos à grande corrupção! Se isto fosse um país decente a corrupção no porto do Funchal nunca teria sido arquivado, por uma magistrada no último dia de se "pirar" da mamadeira!

Anónimo disse...

Coelho parece corajoso e vai aceitar bem a cadeia a fim de de dar o passo seguinte na sua brilante carreira, e se provar que está sendo perseguido ainda chega, no minimo, a deputado Nacional

Anónimo disse...

O que o RAP não sabe é que numa terra que vive ferozmente da propaganda renovadinha em tudo o que mexe ( c excepção do fênix até ver ) e onde até o humor é condicionado não há dúvida de que está encenação do coelho e um golpe de ousadia e uma excelente tirada de humor só por isso já merecia um prémio lollll

Anónimo disse...

Não tenho dúvidas de que à luz do direito internacional, o Ilhéu da Pontinha não faz parte do território Português, porque foi alienado.

Anónimo disse...

Se o enclave for penhorado, podem viver no palacete -ALM, afugentam as baratas desmioladas que administram o dito cujo e instalam o seu reino.

Alexandre Fernandes disse...

Como madeirense, senti-me envergonhado!!

Anónimo disse...

O anónimo ficou envergonhado com o Coelho, mas não se envergonhou com as mal-criações de Jardim nem com os ladrões que roubaram os pobres do emigrantes no BANIF. Vá pentear macacos envergonhadinho...

Anónimo disse...

A Madeira tem de se "pôr a pau" com aquele Renato de la trampa ...pois a qualquer momento manda o seu exército(de lagartixas)invadir esta Madeira indefesa. Haja paciência. O que nos preocupa é o Nacional em vias de extinção.Até têm uma trupe e ensaiar no Estádio dos Barreiros....daqui não saio...daqui ninguém me tira .. onde é que vou parar"

Anónimo disse...

este ricardo araujo não é um que era amiguinho do Sócrates ?

diz-me com quem andas dir te ei quem es