quarta-feira, 18 de janeiro de 2017


Crianças facebook

Neste mundo digital em que vivemos, totalmente absorvidos e viciados, é a prova que sem dúvida a internet “criou” uma nova nação global, sendo indubitavelmente as redes sociais as responsáveis pela “criação” de uma nova sociedade integrante dessa nova nação. Há quem defenda que esta foi a maior das revoluções depois da industrial, são aos biliões os usuários das redes sociais e são também aos milhares as dissertações, estudos, artigos, que reflectem o impacto e o crescimento desta nova sociedade, comparativamente com o chamado “velho mundo”, ou seja, o planeta em que se vivia antes desta grande revolução social e global. De fato, e hoje, as redes sociais permitem, e num mínimo espaço de tempo, via telemóvel, uma rápida participação, intensa e heterogénea, dos indivíduos no mundo todo, sobre todos os assuntos imagináveis, tudo numa questão de segundos e com um alcance global dificilmente medível. Perante isso e já avançado quase duas décadas deste novo século, com algum amadurecimento civilizacional sobre esta matéria, a humanidade, já possui, ainda que timidamente, e sobre esta sua sociedade digital, algumas regras e alguns manuais de conduta. Nesse sentido, e sobre esta temática, talvez o assunto mais debatido mundialmente, seja sobre a questão da publicação das fotos dos nossos filhos nas redes sociais, esse sim um debate cada vez mais na ordem do dia e com implicações graves nas famílias modernas, quem já não resistiu à tentação de meter a foto de um filho no facebook? Afinal eles são uma das razões mais profundas da nossa existência, eles são a prova e a razão divina da nossa imortalidade. Contudo, o debate premente prende-se cada vez mais sobre o facto de se os nossos filhos são ou não coisas ou objetos que usamos nas redes sociais, até que ponto podemos usa-los numa exposição mediática sem freio e ponderação, como crescerão eles após esse efeito? Quem serão essas crianças no futuro, cujo todo o seu crescimento foi exposto nas redes sociais? Aqui na Madeira, cada vez mais os sociólogos também se debruçaram sobre o fenómeno, isto à nossa pequena escala regional, pela observação das redes sociais, desde as “socialites” que usam os filhos para ostentar roupas e estilos de vida faustosos, até aos políticos que usam os filhos para esse efeito, como o famoso caso do Vereador da Mudança, que há uns meses em resposta à publicação que se tornou viral sobre o mau estado de conservação do jardim municipal, respondeu no seu próprio facebook com uma foto dos filhos a brincarem no mesmo espaço. Até que ponto a exibição dos filhos no facebook, ultrapassa o nosso campo afectivo enquanto pais, para o campo da sua utilização desmedida para colmatação dos nossos anseios e desejos pessoais ou profissionais? Isto para não falar obviamente de todos os perigos relacionados com pedofilia, “rapto digital” etc, hoje em dia, já temos caso em Portugal de famílias proibidas por tribunal de colocarem fotos dos filhos no facebook, ainda que em situações muito excepcionais e pontuais, mas a verdade é que surgirá no dia de amanha, toda uma geração de jovens, que para todos os efeitos, foram crescendo virtualmente, à vista de nós, pelas redes sociais, através exposição publica promovida pelos seus próprios pais, como serão esses jovens?Conseguirão viver livres, na sua intimidade e anonimato, ou serão vidas humanas condenadas à exposição virtual?Nem todo o manancial da ficção cientifica alguma vez previu este cenário. Veremos então.

 O Pregador Sem Rumo

4 comentários:

Raghnar disse...

O Grande Irmão, cada vez mais próximo e real. Uma sociedade onde os cidadãos são espiados na sua vida privada, em que o delito de opinião é cada vez mais uma realidade para quem foge dos cânones do politicamente correcto e onde somos todos iguais, mas uns mais iguais que outros.

A ironia é que a sociedade orwelliana se está a implementar sob a capa da "democracia". Matéria para reflexão...

Anónimo disse...

Mais grave que os pais publicarem fotos dos filhos é ver escolas, de todos os níveis de educação, inclusive pré-escolar, a publicarem fotos dos seus alunos, bem como associações desportivas e outras a publicar fotos dos seus atletas e/ou participantes nas suas atividades, sem qualquer pudor quanto à exposição dos menores...

Anónimo disse...

Para resolver isso temos o escriba do regime hoje no DN. No passado era so malhar no Governo agora sao so elogios. Era interessante saber que promessas ou meças a escolinha ds Barreiros e seus lideres recebem em troca para anunciar tal cenário cor.de.rosa. LOL

Anónimo disse...

Ainda não aprenderam que aqui na Madeira o que conta é a aparência, as redes sociais só vieram pôr a nu a tacanhice Madeirense.