quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Opinião



As algas em Porto Santo



Quem teve a pachorra de observar a minha vida pública, sabe que a falta de vocação masoquista traz-me a não ficar passivo ante ataques ou omissões dolosas.
Excepção quando se trata de garotos, de doentes psíquicos ou de raivosos, pois o desprezo a que se os deve votar, civicamente recusa-lhes a notoriedade que buscam com ansiedade.
É bom esclarecer a questão das algas em Porto Santo, pois não falta por aí a obsessão "estratégica" de omitir ou de rebaixar os trabalhos da Social Democracia durante décadas.
Face à percepção de que a produção de biocombustível, só por si, não era economicamente sustentável do empreendimento, o que é diferente de se dizer que é inviável a produção efectiva de combustível, avançou-se para um valor acrescentado. A produção de substâncias ricas em Omega 3 e 6, destinadas à alimentação, quer humana, quer animal.
Opção avalizada por dos melhores especialistas mundiais nesta matéria e que aguarda breve licenciamento burocrático-legal pelas competentes Entidades regionais.
Assim, a Empresa de Electricidade da Madeira mantém e cumprirá os objectivos iniciais de responder bioenergeticamente às necessidades de Porto Santo, a par de uma maior valorização da matéria-prima, o que sustentabiliza o projecto.
Mas será que ainda tenho de ser eu a vir explicar as coisas?!...

Funchal, 19 de Janeiro de 2017
Alberto João Cardoso Gonçalves Jardim

7 comentários:

Anónimo disse...

E já agora Alberto, explica lá porque obrigaste a EEM a chamar os Sousas, para a rede de gás natural, quando já havia no consorcio a Galp.

Anónimo disse...

pior que errar é persistir no erro.
AJJ contribuiu indiscutivelmente para o progresso da Madeira , mas ao longo do seu percurso cometeu erros graves , nem que tenha sido por omissão.
Agora continuar a persistir e a tentar transformar porcaria em ouro é sinal de pouco discernimento mental.

Anónimo disse...

É UMA ALDRABICE CHAPADA!

E não vale a pena continuar a negar quando foram advogados-políticos (o Sr e o seu Vice incluídos) a engolirem uma vigarice que qualquer estudante de físico-química de 11º ano sabe tecnicamente inviável de todo! E ainda havia o bónus de captar o CO2 da central térmica para alimentar as alguinhas, vejam só!
Num País decente, já haviam espanhóis e madeirenses acusados de burla e do desbarato de milhões de euros em dinheiros públicos regionais e comunitários! Com uma justiça célere já haveriam até condenações, devolução de verbas e quiçá, detidos! Mas na Madeira, o mais provável será Sua Excelência descer o Quebra-Costas para me acusar de calúnia ou de imbecilidade! Das duas uma...
Quanto a esse assunto, continuarei a rir (e acima de tudo a pagar) para não chorar...

P.S.: Posts colocados na página do autor de tão faraónica e inútil obra (mais uma...) por mim, Luís Oliveira que as pago, como todos os madeirenses, através de impostos e na conta da electricidade mensal!

Anónimo disse...

Apareceu por aqui um artolas a dizer que o AJJ cometeu "erros graves" no seu mandato. O futuro o dirá. O que seria de nós se desde o 25 de Abril os medíocres da oposição estivessem à cabeça dos nossos destinos?

Anónimo disse...

A sopa do caldo verde serviu apenas duas pessoas. A que vendeu os tubos e a que decidiu comprar.

Anónimo disse...

Ainda me lembro de dizerem que o Porto Santo seria auto-suficiente em termos energéticos com a energia produzida através das algas. Mas como isso foi um flop da Madeira Nova agora arranjaram um fim alternativo que veremos se não terá o mesmo fim. E entretanto gastaram-se milhões de euros naquele elefante branco. E como dizia o outro: e ninguém vai preso?

Anónimo disse...

Pior do que depender do AJJ para explicar as coisas loucas que se passam na EEM, é o Miguel Albuquerque insistir nessa anormalidade. O Projecto é inviável, insustentável e economicamente ruinoso! Os profetas vão comer e exportar algas?
Se fosse assim tão bom, acham, mas acham que os Espanhóis iam deixar ser implementado no fim de mundo que é o Porto Santo, quando eles já tinham uma estrutura montada numa cimenteira em Espanha.
A coisa é simples de ser dita, o Governo actual, o Secretário do Turismo com a tutela e o Presidente do Governo têm o rabo preso com o Rui Rebelo, caso contrário, numa terra de gente de juízo e que soubessem fazer contas, essas algas já tinham fechado e meia dúzia era presa.
Quanto ao Sr. AJJ, óbvio que tem de defender o Cunha e Silva e o Rui Rebelo e a sua Administração, o Xuxalista Mario Jardim Fernandes e o Pedrito de Sousa de Santa Cruz, afinal a EEM endividou-se em 400 Milhões de euros com o aval do Governo de Jardim para fazer face a dívidas do mesmo e não cobrou mais de 135 milhões de euros a empresas públicas (Sociedades, Via Expressa, Via Litoral) e amigos privados (Sousas, Camacho, Sá).
Tudo isto de conhecimento público e bem à frente do nariz de todos os Madeirenses. Acordem!!