quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Cultura Fundida


A propósito da 'peça de teatro' teclada logo abaixo desta peça pelo nosso K-Kultura, recebemos de uma Amiga do ABM (novo nome da Biblioteca-Arquivo na Penteada e não Associação de Básquete da Madeira) enviou-nos um comentário que reproduzimos aqui na página principal do Fénix. Este retrato da nossa Cultura, parente cada vez mais pobre das desgovernações que o povo escolhe, não só merece como exige muita reflexão. A ver se os protagonistas do sector são libertados para poderem devolver dignidade e qualidade à Cultura de que a Madeira precisa urgentemente, tão fundida que está.
Eis o texto:




Fundidos e mal pagos estão alguns… os funcionários deste milénio do ABM, esses com certeza que estão! Porque os funcionários do milénio passado estão muito bem, chegaram ao topo de carreira em menos de 15 de serviço e ganham milhares de € sem fazer 1/10 dos que os novos fizeram e continuam a fazer, os jovens funcionários ganham o mesmo que há 10/15 anos... mas isso é outra história.

Outra história é também o facto dos funcionários do fundido ABM terem controlo de assiduidade com 2 cartões, registo biométrico (impressão digital) e câmara de videovigilância na porta de entrada. E os funcionários da cidade, quer da DRC quer de outros serviços públicos? Esses passam o cartão e o dedinho (nos serviços onde se faz esse controlo) e voltam a sair para fazer as suas “voltas” e quem sabe ganhar mais algum na placa central. 
Tá-se bem na cidade!

Outra história é a orgânica cambada da DRC. Então a Secretaria Regional da Economia e Turismo…. e Cultura, já me esquecia da Cultura (perdão… mas outros também se esquecem!) tem direcções regionais com 5 e
6 direcções de serviço e mais o dobro das chefias de divisão, mas para a Cultura, apenas 2 direcções de serviço e 5 chefias de divisão: a direcção dos museus com as 5 chefias de divisão e a outra direcção (ABM) fica coxa sem nenhuma chefia intermédia. Pois é....para o ABM, um serviço com mais de 90 funcionários (meu Deus, há direcções
regionais com metade dos funcionários), apenas um director de serviço e recauchutado!!!
E ainda por cima há serviços no edifício sede da mesma Secretaria que quase têm mais
chefes que funcionários! É uma vergonha (querem efectuar cortes? que o façam em
todos os serviços e acreditem que há muito por onde cortar... que tal começar pelos "funcionários" que nunca colocaram os pés nos serviços e recebem o seu no dia 25...porque ex-secretários regionais os colocaram no payroll, mas esta é uma outra história).
Mas uma vez mais, o ABM foi bem fundido e com O bem grande!! 
Na cidade é que se está bem!

Tudo isto serve a alguém certamente… para quê que se quer um serviço de Cultura capaz e que funcione? A verdade é que em terra de povo superior, não se quer que ele seja culto! Seria demais se o povo pensasse também! Uma heresia!

Só o facto de, desde quase sempre, este sector ter estado dependente do Turismo (??!!) já diz muito das mentes iluminadas dos anteriores e dos actuais (des)governantes desta ilha.

Relembro que no passado ganharam-se eleições à custa dos votos dos funcionários públicos aqui na Região, suspeito que nas próximas eleições a história não se vai repetir... e mais não digo que o comentário já vai longo.
Precisamos de Cultura e não de CUltura!

Amiga do ABM

5 comentários:

Anónimo disse...

Fusão com decisão acertada.
Haja coragem , sempre.

Anónimo disse...

Em relação ao primeiro parágrafo, se fôssemos a contar com a quantidade de gente nova que faz trabalho de Técnico Superior e tem as mesmas responsabilidades, sendo apenas Assistente Técnico e recebendo como tal, só porque se licenciou e não abrem concurso para subida, aí é que iam ver como é ainda mais relevante o facto de haver gente no topo que nada faz e vive do trabalho de quem está por baixo. Já agora, verifiquem nas orgânicas das secretarias quais são as direções de serviços que têm uma única chefia de divisão. A educação é farta nestas!

Anónimo disse...

Na educação vale tudo, menos aquilo que devia prevalecer Educaçao. No presente e dovmais fraquinho que ha memória e nas escolas andamos a nora com a sensação que tudo depende do continente e a autonomia morreu.RIP

Anónimo disse...

É geral: para os laranjinhas as benesses; para os outros os deveres, obrigações e impostos.
Os inimigos e malfeitores da população madeirense e portossantense estao claramente identificados.

Anónimo disse...

Quem é a nova directora da ABM?

Na Biblioteca já vi gente muita gente licenciada na categoria de Assistente Técnico.....não vai abrir concursos tão cedo...este Governo não parece ter essa sensibilidade de valorizar os recursos humanos...na Biblioteca vi uma senhora Técnica Superiora que não fazia trabalho nenhum e tinha sempre uma má cara para com a sua colega Assistente Técnica.....esperemos que com a nova direção empossada certas injustiças que por lá teimam em existir desapareçam.

A Biblioteca de Culturas Estrangeiras prestava um bom serviço para os estrangeiros que residem na ilha. Tenho um amigo que veio da Afríca da Sul madeirense TODAS AS semanas ia levantar livros em inglês para se entreter...dizem que os livros da Biblioteca de Culturas Estrangeiras continuam lá em cima todos em caixotes. Em poucos meses a Cultura na Madeira foi e lamentavelmente continua a ser muito maltratada. Não se vê melhorias nos próximos tempos. Devia estar à frente da DRC uma pessoa ligada às artes e que fosse uma pessoa com postura dialogante e não uma pessoa fechada em si mesma na sua Torre de Marfim.