sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Os bons velhos tempos dos jornais perdidos


JÁ CHEGÁMOS À MADEIRA!


Nós, sim, chegámos. Já quanto aos jornais 'i' onde se publica hoje a entrevista cedida por Jardim, perderam-se pelo caminho, ao contrário de todos os outros títulos distribuídos cá. É um 'acaso' que faz recordar certo procedimento dos tempos da Tabanca I...

Não é preciso ter BI muito velho para uma pessoa se lembrar dos tempos em que os jornais do Continente, em dia de reportagem com embaraços para o regime madeirense Tabanca I, desapareciam misteriosamente no aeroporto de Santa Catarina, fugindo à distribuição habitual. Assim, os assuntos incómodos não chegavam aos escaparates da ilha e muito menos à populaça.
Várias foram as situações em que tal expediente serviu. Governantes dessa pinturesca época houve que o utilizaram várias vezes. Quem não se lembra de 'O Jornal' e o 'Semanário' se queixarem do boicote feito cá? As edições eram pagas pelos visados nas investigações jornalísticas, os quais mandavam comprar os exemplares todos chegados a Santa Catarina. Então, não havia circulação pelos leitores.
A internet estava distante, à época...

Vai daí... não é que o 'i' de hoje, que publica uma grande entrevista cedida pelo ex-Rei da Tabanca I, com direito a manchete de 1.ª página, também não chegou cá?! 
Todos os jornais vieram hoje. Menos o 'i'!
Não vemos razão para a intrigante situação que não seja uma coincidência qualquer, caprichosamente talhada para acontecer logo neste dia. É que, mais confuso ainda, os jornais não chegaram a partir de Lisboa para o Funchal! O 'i' de hoje não consta da guia que acompanha os jornais entregues nas tabacarias!  
Uá!
Não fora sermos descrentes em matéria de bruxedo, estaríamos para aqui a fazer conjecturas misturando trilaterais com maçonarias, cruzes de alecrim com cabelos dentro de pastilhas, George Bush com Obamas e por aí fora.
Não acreditamos que o Blue Establishment esteja a responder na mesma moeda. Até porque a presente gentinha da Tabanca II, naquele tempo em que a Tabanca I boicotava jornais, estava muito bem aconchegadinha aos patrões laranja da altura, aplaudindo as sacanices feitas pelo Laranjal à oposição e à imprensa.
Esperemos que a estranhíssima coincidência permita à empresa do 'i' despachar os jornais de hoje nem que seja amanhã. Até porque a edição de hoje é válida para o fim-de-semana. Era bom que não ficassem pràqui os intriguistas a conjecturar sobre cobras e lagartos.
Ao darmos com esta hipóteses de trapaça recauchutada na distribuição de jornais chatos, nós ruminamos, salvo seja: os jornais 'i' de hoje não chegaram à Madeira; o que prova que nós já chegámos à Madeira e daqui não saímos. 

Para levantar uma ponta do véu, deixamos um resuminho resumido que o DN faz da entrevista ao patrão da antiga Tabanca.








Alberto João Jardim diz que Passos é inapto para continuar a liderar o PSD
Alberto João Jardim conta, em entrevista ao jornal i, que deixou o Governo Regional da Madeira "mal com o partido", e não poupa críticas ao antigo primeiro-ministro, que considera inapto para continuar a liderar o PSD. Assume ainda que não votou no próprio partido nas últimas eleições legislativas.
"Se ficar no PSD, o senhor Passos Coelho vai levar outro banho. Ninguém lhe vai dar uma maioria absoluta", augurou Jardim, que também não poupou nas palavras para caracterizar a postura do antigo chefe de Governo durante a intervenção externa a Portugal: "Passos acha prestigiante andar debaixo das saias da senhora Merkel", sentenciou.
Jardim falou ainda das obras feitas na Madeira, das dívidas acumuladas ao longo dos seus mais de 35 anos de liderança, explicou os motivos (falta de apoios e entrada em cena de Marcelo Rebelo de Sousa) que o levaram a desistir da ideia de concorrer à Presidência da República e descreveu a sua atual vida de "semirreformado".

11 comentários:

Anónimo disse...

Pinturesca? Isto é termo do novíssimo acordo ortográfico?

Luís Calisto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luís Calisto disse...

Nem por isso, senhor do novíssimo acordo ortográfico. Os dicionários do tempo de D. Afonso Henriques já traziam 'pinturesco' como sinónimo de 'pitoresco'. E os dicionários de hoje também trazem.
Meninas e meninos, podem ir para o recreio.

Anónimo disse...

Sr.Calisto, arranje lá a entrevista e coloque cá, se eu a conseguir envio para si.

Luís Calisto disse...

O 'i' não a colocou on line, por isso não a consegui publicar (com a devida vénia).
Se o Leitor a conseguir, agradeço que ma envie.
LC

Jorge Figueira disse...

Falou quem sabia e melhor escreveu no ex-JM em Fevereiro de 2012.
Klauss Friedrich garantia que a Merkel não percebia nada disto de dinheiro gasto para bem estar do POVO. Não se agachava a criatura!
Resta procurar o Klauss para ele dizer como é que vamos pagar o calote

Anónimo disse...

AJJ à procura das luzes dos holofotes. Não lhe bastaram 40 anos. Isto vai acabar muito mal para ele!

Anónimo disse...

É de facto triste quando alguém não sabe sair de cena. É o que distingue os grandes homens dos homens comuns.

Anónimo disse...

É importante saber sair de cena. Mas não menos importante é saber continuar a ter intervenção na sociedade. Como qualquer cidadão bem informado.Sair de cena, não é remeter-se para um canto.

Anónimo disse...

A Verdade é que o atual PSD está esfrangalhado , só invejas. calúnias, grupinhos, sedes fechadas, não há Motivação entre os Militantes e simpatizantes ,há um desnorte completo, basta verificar as palestras com alguns secretários com 20 a 30 pessoas ,falta um Grande Chefão a organizar o Partido.Com Jaime Ramos e Alberto João tínhamos sim um Partido Mobilizado e Forte no Terreno .Há que meditar e criar alternativas a atual situação ,para as Batalhas que se aproximam .

Anónimo disse...

Continuar a ter intervenção na sociedade não é o mesmo que ser oposição ao governo do próprio partido. Partido esse que até paga o ordenado do acessor Andre.