sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Opinião partidária



NOMEAÇÕES NA CULTURA 
À MEDIDA DO GOVERNO PSD

 
A respeito das recentes nomeações do Governo Regional, nomeadamente na Cultura, o Juntos pelo Povo (JPP) não pode deixar de constatar que este Executivo, liderado por Miguel Albuquerque, volta a evidenciar uma clara tendência para se contradizer.
Em abril de 2016, durante o debate mensal sobre Cultura, no Parlamento Regional, o JPP confrontou o presidente do Governo acerca da possibilidade de mudanças na orgânica da Direção Regional da Cultura para favorecer um clima de crispação, que era público. Em resposta a esta bancada parlamentar, Miguel Albuquerque afirmou: “Nunca será feito na Madeira, pelo menos enquanto nós estivermos no Governo, alterações orgânicas em função de birras pessoais, amuos, desentendimentos. Isso não.”
Passados oito meses, a realidade mostra-nos a contradição entre as palavras e os atos, mais uma situação que atesta a falta de rigor e a credibilidade de um governo desnorteado, que promove o “tachismo” em função do mérito.
Perante mais de 600 nomeações políticas do Governo PSD, desde que tomou posse, chega-se à conclusão que a taxa de desemprego no interior do PSD está a baixar, ao contrário do que acontece com o desemprego geral na Região Autónoma da Madeira.

Élvio Sousa

17 comentários:

Anónimo disse...

Infelizmente "o tachismo" impera em Portugal....

Anónimo disse...

Anonimo das 12.43. Aqui a Madeira lidera claramente o rancking.

Anónimo disse...

É por isso que é preciso correr com o pipidê dos corredores do poder, para ver se aumenta o desemprego nos senhores do governo e baixa o desemprego na população!

Anónimo disse...

Então a Brasão que até andou na campanha de bamdeira na mão e a gritar ppdppd, coitada, não haveria de ter um tacho ?
Vá lá, não sejam mauzinhos, é para a senhora ir melhorzinho para a reforma.

Anónimo disse...

Aqui nos Ferreiros é só rir. Nomeada sem concurso por urgência e conveniência de serviço. Ahahahah.
A Natércia até quase explode com o sapo que teve de engolir.
É a vida, como diria o Guterres.

Anónimo disse...

E porque esta gente não é séria e se demite? Tá tudo mal nesta DRC, os que chegaram e os que não deslargam armdos em insubstituíveis.

Anónimo disse...

«Connosco a cultura é uma prioridade», consta do programa de (des)governo albuquerquiano. E é realmente!! Primeira prioridade: colocar como diretora regional essa pessoa insigne da cultura madeirense, conhecida daqui, d’aquém e d’além-mar, de seu nome Carina Bento (resultados zero). Segunda prioridade: criar na orgânica da DRC uma direção de serviços para acomodar quem já há muito andava acomodada na esplanada do bar do teatro. Terceira prioridade: nomear desde logo essa pessoa com caráter de urgência para – repare-se o descaramento - «garantir o funcionamento do serviço». Isto é de loucos…….

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

ó Calisto, afinal sempre se pode insultar as pessoas por aqui?
Mamute????

Luís Calisto disse...

Tem razão. O volume de comentários é desusado e o insulto passou. Mas já cá não está.
Peço desculpa à pessoa visada e aos Leitores.

Anónimo disse...

Ah, afinal a Mamute picou-se... bem a remoção do texto demonstra claramente que a liberdade de expressão é também censurada por aqui.

Luís Calisto disse...

Anónimo disse...

Ai aí Natercia ... Tens os dias contados! Já falhaste com as ribeiras e andas preocupada com os eventos e com as jantaradas... Vais longe vais
Já agora porque é que a Drc terminou com o festival de música?

Anónimo disse...

Será que a DRC tem solução à vista?

Luís Calisto disse...

Liberdade de expressão, chama ele à ideia de vir aqui anonimamente chamar nomes aos outros!
Chamar elefante pré-histórico (mamute) a uma pessoa não é grave, mas caso o autor do mimo se identifique, para levar a resposta.
Diz ele que a liberdade de expressão aqui é censurada, por lhe ter sido cortado o comentário (anónimo) do mamute. Tenha vergonha na cara e mostre-se, para ficar em igualdade de circunstâncias.
Se julga que vai fazer deste espaço altifalante para as 'bocarras' que não tem coragem de apregoar de viva voz, pois claro que vai ser censurado.

Anónimo disse...

Realmente alguma coisa parece estar mal no reino da Dinamarca,melhor dizendo no reino da DRAC.A nomeação de T.B. já era esperada.Lamenta-se que, depois de uma péssima prestação como Directora da Cultura na Câmara, ao tempo do actual Presidente do Governo,passe agora a tutelar uma área importante da Cultura da RAM,agravada por ter levado atrás de si as duas funcionárias que a acompanharam no Teatro Municipal,que nem à revista Margem conseguiram dar continuidade. Irresponsabilidade,incompet^ncia e inércia foi o seu timbre.Mas os problemas na DRAC acumulam-se com uma Directora a ver passar navios ,pois o verdadeiro comandante,essa personagem digna de uma comédia tipo Arsénico e rendas velhas,que dá pelo nome de Clode é quem dá ordens.Mas a este exemplar voltaremos noutra altura,com mais detalhes. Urgente é resolver outros problemas ,como por exemplo a abertura urgente de concurso para Director do MUDAS,pois ao que se diz,depois da saída do antigo director,por motivo de reforma,o ambiente naquela instituição da Calheta é simplesmente de cortar à faca ,tornando-se diariamente irrespirável...

Anónimo disse...

A miss Campanário e o homem com nome de gás almejavam (vá-se lá saber baseados em quê senão pelo cartão do PPD e a capacidade de lamber botas sem fim) ser a cúpula da DRC. Falhou. Não deu Promoção. O senhor impoluto do "pão e vinho" é outro que não conseguiu. Por isso, toca de andar a semear notícias falsas e a cuspir veneno por todo o lado. Vão ao clube de turismo na parte da manhã e falem com a velha senhora. Pode ser que arranjem trabalho no topo do quebra costas. Na limpeza.