terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Amuados ausentes







Assim não, Barça!


Entre as simpatias desportivas da vida, e com o Marítimo sempre ao alto, porque é um caso à parte, o Barcelona está lá. O monumental Clube tem uma história brilhante, faz o contraponto republicano com os monárquicos de Madrid e dá corpo ao espírito rebelde catalão contra o centralismo espanhol. Só desviei um pouco a agulha de 'adepto à distância' porque o madeirense Ronaldo escolheu outras cores - aliás branco com branco - e então é por aí que vou navegando atrás das transmissões televisivas, até CR7 mudar de ares, se é que muda.
No entanto, a simpatia pelo Barça não morreu. É uma admiração que não abala. O que não me inibe de condenar a atitude dos jogadores blaugrana de boicotarem a consagração de Ronaldo, mais uma, como o melhor do mundo - e a minha opinião é igual ao litro para o Barcelona que nunca soube nem saberá da minha existência. É um desabafo.
Francamente, julgava que o profissionalismo ao mais alto nível que tomou conta do futebol não inviabilizara o fair-play que Messi e mais alguns do Barcelona pedem no conhecido spot 'no al racismo' - da FIFA, acho eu.
Os catalães sabiam que a vitória em 2016 só poderia ser de CR7. Por todas as razões e mais uma, todas elas decorrentes dos méritos do nosso rapaz de Santo António. Foi uma ausência ostensiva, descortês, imbecil e desapropriada àquele nível, a dos craques em questão.
Ninguém gosta da derrota e o próprio Cristiano Ronaldo também não é de bom perder. Mas ontem ninguém gostou daquilo. Maradona, compatriota de Messi, lamentou. CR7 não escondeu a mágoa, disse-o na cerimónia.
Luís Henrique, 'a posteriori', teve declarações e esgares altamente desprimorosos para Ronaldo. 
Sem moralismos tontos, acho que foi uma atitude triste que entristece os desportistas. Messi nunca teve compromissos de jogos que o obrigassem a ficar ausente da cerimónia quando se sabia antecipadamente vencedor do prémio. Considero Messi um futebolista de outro planeta. Como homem, é um pusilânime que se descaiu ao fugir às consequências de mais uma derrota da Argentina, anunciando então o adeus à camisola nacional do seu País. Para mais, dando depois o dito pelo não dito.
Iniesta retractou-se da ausência. Tarde.

2 comentários:

Raghnar disse...

Nestas coisas, se queremos condenar, devemos fazê-lo sempre pela mesma bitola e não apenas quando nos parece conveniente.

http://www.jn.pt/desporto/interior/ronaldo-e-mourinho-nomeados-mas-ausentes-da-gala-da-bola-de-ouro-2229055.html

Quando ganhamos é fácil repartir lições sobre "saber perder", em que o Barcelona também era fértil nos seus tempo áureos. Cada vez mais saltam à vista as enormes similaridades entre os dois craques futebolísticos do planeta, desde o "saber perder", ao "cumprimento fiscal" e até no rendimento desportivo seguem a mesma linha. São bandeiras dos nossos tempos...

LG disse...

Para a AZIA é aconselhado compensan, e aos jogadores do Barça deve ser urgentemente administrado este medicamento. Mais comentários para quê ? Viva o NOSSO RAPAZ DE STº ANTÓNIO, CRISTIANO RONALDO "THE BEST" , o resto é conversa...