terça-feira, 26 de junho de 2018



Amílcar Gonçalves em Bruxelas para defender 
interesses das Regiões Ultraperiféricas

O secretário regional dos Equipamentos e Infraestruturas, Amilcar Gonçalves, participa em Bruxelas, em representação do Presidente do Executivo madeirense, nos dias 27 e 28 de junho de 2018, num conjunto de reuniões que surgem como a primeira reação política às propostas legislativas da Comissão Europeia ao Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, bem como aos projetos de regulamentos setoriais das diferentes políticas europeias.

Destaca-se no primeiro dia a reunião com o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, um encontro organizado no âmbito da Conferência de Presidentes das Regiões Ultraperiféricas (CP RUP), que este ano é presidida por Canárias.
No segundo dia, Amilcar Gonçalves participa em várias iniciativas, das quais merece relevo um encontro com o presidente do Comité Europeu das Regiões, Karl-Heinz Lambertz, bem como a uma apresentação das propostas da Comissão Europeia para as RUP após 2020, que conta com uma exposição por parte do diretor-geral da DG REGIO, Marc Lemaître.
Neste encontro será possível uma reação do presidente da Conferência dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas, Fernando Clavijo, bem como um debate com todos os representantes destas Regiões, cuja especificidade é reconhecida pelos Tratados e em defesa das quais têm sido desenvolvidas diversas iniciativas e intensos contactos.
Lembre-se que a Comissão Europeia apresentou o orçamento para o período que vai de 2021 a 2027 no passado dia 2 de maio de 2018, sendo que posteriormente publicou, de 29 de maio até 14 de junho, os diferentes regulamentos setoriais, os quais contêm muitas menções específicas às RUP. Contudo, relativamente à Política de Coesão e Política Agrícola Comum, os cortes estimam-se em 7% e 5% respetivamente, ao que acresce ao nível das taxas de cofinanciamento ser também proposto um aumento da comparticipação nacional, o que tem merecido a forte oposição do Governo da Região Autónoma da Madeira.
Funchal, 26 de junho de 2018

O Gabinete da Presidência do Governo Regional da Madeira

7 comentários:

Anónimo disse...

Este vai à caça do betão... vai dar com o nariz na porta! Acham que a UE é o perdigueiro que vocês fingem gerir???? Patos bravos!!!

Anónimo disse...

Enviam uma pessoa sem brilho e sem capacidade argumentativa... e aquela mania de fixar as pessoas nos olhos perante poderosos vai ser entendida como uma afronta.

Anónimo disse...

...imagino a risota em Bruxelas quando souberem que este cavalheiro é o responsável pelo pagamento duma avultada quantia a um gabinete de projectos que fez um estudo um estudo acerca das velocidades a praticar na "via rápida" cujo resultado foi o de "plantar" uns sinais (mais custos) risíveis. Estes cromos ainda não chegaram à conclusão de que a ELEVADA sinistralidade da "via rápida" vai-se manter ou até aumentar consoante o volume de tráfego devido ao PÉSSIMO TRAÇADO DA VIA (CURVAS COM INCLINAÇÃO DESADEQUADA...CURVAS APERTADAS EM DESCIDAS ACENTUADAS E NO FINAL DE LONGAS RECTAS...VIAS DE ACELERAÇÃO/DESACELERAÇÃO SUBDIMENSIONADAS...PÉSSIMA MANUTENÇÃO DA VIA COM ÓLEOS/GASÓLEOS IMPREGNADOS NO PAVIMENTO...ETC)

Anónimo disse...

Afinal, quem trata, neste Governo, dos assuntos europeus e dos programas de apoio comunitário? Não acham que é muita gente a mexer na panela!?

Anónimo disse...

Ó das 07.16, quem encomendou esse estudo foi o anterior secretário Sérgio Marques, e não Amílcar Gonçalves.
Quanto aos sinais, por si ditos ridículos, já existem em França há alguns anos, pelo que, presumo, a risota em Bruxelas será menor...

Anónimo disse...

oh das 11:19 de 27 de Junho
1º- não importa quem encomendou esse estudo...até podia ter sido o Zé Ganita … importa quem CONCORDOU E IMPLEMENTOU as conclusões do estudo !! … melhor explicando: eu se fosse confrontado com esse estudo mandava-o para o LIXO !!

2º- ADMITO E ACEITO que em França já existam estes sinais … mas GARANTIDAMENTE que se destinam a ACONSELHAMENTO dos condutores e NÃO PARA TENTAR CORRIGIR ERROS DE PALMATÓRIA DO TRAÇADO DAS VIAS ONDE FORAM INSERIDOS … funcionam como os "painéis luminosos de mensagens variáveis" ex:"acidente ao km x"..."viatura avariada"..."piso escorregadio"...etc...etc!!
3º- REAFIRMO que a sinistralidade na VR1 irá aumentar … a sinalização do Código de Estrada não foi criada para corrigir erros do traçado da via ou falta de manutenção da mesma
4º- já agora: consulte-se os dados da sinistralidade do antes e o depois da alteração dos limites de velocidade impostos na VR1...CARICATAMENTE houve uma REDUÇÃO nos limites … mas a sinistralidade AUMENTOU !!

Anónimo disse...

Ó das 10.25, quando você imputa a alguém o "pagamento de uma avultada quantia", interessa sempre a alguém. Em primeiro lugar à verdade dos factos, e, em segundo lugar ao visado de ter cometido um acto que afinal não cometeu.
Não sei qual a sua formação ou habilitação para mandar "para o lixo" um estudo sobre tráfego rodoviário. Mas, partindo do princípio de que tem alguma, seria mais importante para todos, se o comentador rebatesse as conclusões do estudo, informando-nos das razões da sua discordância, e explicando-nos as suas soluções.
Quanto aos sinais já existentes em França, existem para condições de alterações meteorológicas. Tanto quanto sei, aquilo que é proposto no estudo, é exactamente relativo à mesma razão.
E se existe sinistralidade na VR1, consequência de erros de origem, essa sinistralidade deve-se essencialmente ao excesso de velocidade. É um facto visível todos os dias.
Quanto ao GANITA, também terá a sua responsabilidade...