segunda-feira, 18 de junho de 2018


Dr. Paulo Cafôfo 
“a mentira tem perna curta”


Ontem no telejornal da RTP-Madeira e na edição on line do DN-Madeira, ouvi e li afirmações do Dr. Paulo Cafôfo, presidente da Câmara do Funchal e assumido candidato do Partido Socialista à presidência do Governo Regional da Madeira, durante a festa das tosquias no Pico do Prado, que me obrigam a um comentário público, com o objectivo de ajudar os madeirenses a conhecer a personalidade do cidadão em causa:

- “Muitos que actualmente defendem o gado na serra só o fazem por mero interesse eleitoralista. Ao contrário, sempre defendi o gado convictamente”.
O autor destas palavras, que ontem andou a tosquiar ovelhas, no dia 07 de Dezembro de 2013, dois meses após a sua primeira eleição, participou numa plantação de espécies indígenas da Madeira organizada pela Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal e manifestou perante todos os presentes (testemunhas idóneas em caso de dúvida), que comungava dos princípios da Associação no que concerne à recuperação da biodiversidade da alta montanha sobranceira à cidade.

Dr. Paulo Cafôfo,  “a mentira tem perna curta”!

Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, 07.12.2013

Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, 07.12.2013

- O DN informa que o autarca sempre defendeu “o regresso de uma pastorícia regrada ou ordenada”, vincando que a “pastorícia regenerativa que nunca foi experimentada na Madeira”, traz vantagens a vários níveis.
Dr. Paulo Cafofo, por favor, explique-nos com fundamentos biogeográficos o conceito de “pastorícia regenerativa”, porque não nos contentamos com palavras soltas.

- Defendeu uma política que acautele os interesses dos pastores que querem uma abertura de acesso às pastagens nas zonas montanhosas, um processo que segundo o edil poderá “consolidar os solos”, evitando “eventuais deslizamentos de terras”, que já causaram “consequências graves na cidade” (DN on line -17.06.18).
Dr. Paulo Cafofo, estas suas afirmações têm tanto de científico como afirmar que o Sol gira à volta da Terra. Revelam que valoriza as sábias teorias dos criadores de gado e nega toda a investigação científica que conduziu à definição das reservas integrais e parciais do Parque Natural da Madeira, à delimitação dos Sítios da Rede Natura 2000, ao Plano Regional de Ordenamento Florestal (PROF-RAM) e ao “Estudo de Avaliação do Risco de Aluviões na Ilha da Madeira” (Fase 1 – Outubro de 2010; Fase 2 – Fevereiro de 2018).

Dr. Paulo Cafôfo não lhe vou recomendar a leitura dos meus estudos sobre a cordilheira central da Ilha da Madeira, publicados em livros e revistas especializadas em riscos naturais e induzidos pelas actividades humanas, porque esses são, para si e para a claque que era do PSD e agora é do PS, textos satânicos.
Recomendo-lhe o precioso livro “O Problema dos altos-chãos da Madeira: Floresta ou Pastorícia?” do Engenheiro Silvicultor Cecílio Gomes da Silva, publicado em 1996, pela Direcção Regional dos Assuntos Culturais.

18.06.2018

Raimundo Quintal

21 comentários:

Miguel Zebedeu disse...

Toma!!! Vai buscar....
O professor mentiras "edil da nossa cidade" sonha de noite, para contar de dia! Depois metem os pés pelas mãos!! A espinha dorsal do mesmo parece uma cobra, desliza para o lado que poderá ter mais votos!

Anónimo disse...

Dê-lhe forte e feio Drº Raimundo Quintal, pois aquela cabeça não tem nada, nem cabelo !

Anónimo disse...

Claro que as contradições são imensas e vão crescer à medida que o calendário eleitoral se aproximar...

Anónimo disse...

Dá-lhe Raimundo, que é da calheta.
Se houvessem muitos Raimundos nesta Ilha, este mentiroso compulsivo estaria a dar aulas.

Anónimo disse...

O pessoal das patuscadas, valem menos votos que que todos aqueles que não querem gado na serra, era retroceder muito e isso seria muito mau.

Anónimo disse...

É um mentiroso.

Anónimo disse...

Muito bem, já estás a ser apanhado nas tuas mentiras. Já agora, o Gabinete do presidente da CMF parece que foi todo de ferias, até a picareta está fora da região.

Anónimo disse...

paulo fôfo---Doutorr.?
Onde dá consultas?
A parolos e broquilas...
Temos o palacete á deriva
Meio pessoal na prateleira e outros tantos que viraram a casaca para manterem velhos costumes de mamanço. caso de frevreres e outros que acreditam no professor mamadu e bambu.
É o que está a dar é bater nas costa do pseudo doutor cremalheira dentuça.

Anónimo disse...

Com tanta mentira o Cafofo prova que é a coisa mais postiça que alguma vez pisou a ilha, até artigos ele plagia e o desnorte da Câmara mostra mesmo que este senhor é incompetente.

Anónimo disse...

Quando não cópia o trabalho de outros escreve mal que se farta.

São erros de sintaxe à paulada. Para não falar do conteúdo porque recorre apenas a chavões e a ideias feitas. Ideias=0!

E pior é quando abre a boca ahahah é capaz de repetir a mesma ideia vezes sem conta e num português mal estruturado. Nem parece professor e de História. Muito mau mesmo.

Este rapaz é um zero à esquerda.

Anónimo disse...

Durante anos me orgulhei de nunca ter votado no ajj nem no ppd e vim cair que nem um pato na história destes artistas. Ter votado em 2013 neste senhor que dizia ser de mudança tornou-se para mim motivo de vergonha e embaraço. E pedirei desculpa a todas as pessoas a quem influenciei nesse sentido. Sempre fui socialista, mas para mim não vale tudo e se durante anos lutei contra o jardinismo não posso compactuar com algo tenebroso que se adivinha a ser ainda pior só por ser apoiado pelo meu partido.

Anónimo disse...

É essas contradições de Cafofo que deixam dúvidas no eleitorado.
O mais curioso é ver ***** que injuriavam Raimundo Quintal como "borda de água" agora a aplaudi-lo.

Anónimo disse...

É como o do Quebra Costas, levou 10 anos para tirar o curso e recebeu um doutoramento pelo correio.
E nunca sentou no tribunal, a não ser como arguido

Anónimo disse...

E os alunos continuariam a aprender nada com ele...

Anónimo disse...

Vamos ter gado no parque ecologico ou não? Diga alguma coisa seu engana cabreiros?!

Anónimo disse...

Ele não percebe nada de nada. Apenas anda a enganar as pessoas. Abram os olhos.

Anónimo disse...

Eu cá acho que no meio é que está a virtude.

Nem o fundamentalismo dos pastores que querem o gado solto na serra como antigamente, nem o fundamentalismo do Raimundo Quintal.

Há zonas na serra completamente dominadas por giesta e por carqueja. O que devia era haver uma forma de poder confinar um rebanho de ovelhas ou cabras a essas zonas para as libertar das plantas invasoras através de um pastoreio intensivo confinado. Quando uma área estivesse limpa da praga das invasoras eram plantadas as plantas que todos queremos ver na serra, maçarocos, estreleiras, uveiras e árvores verdes, castanheiros, carvalhos, loureiros, etc. Tinha que haver para cada área um plano sério dos locais adequados para cada espécie de planta e um plano de rega para os primeiros anos para evitar o que tem acontecido por toda a serra, ou seja, os exemplares plantados têm secado praticamente todos. É só ir à serra , vê-se isso por todo o lado. As plantas em crescimento eram protegidas com rede para que o gado pudesse voltar às mesmas áreas quando as invasoras começassem de novo a crescer à volta delas. Assim, o gado impedia que as invasoras sufocassem as plantas protegidas e ainda adubava os terrenos para que as plantas protegidas pudessem crescer melhor.

Quando uma área estivesse livre das invasoras e com as plantas protegidas já desenvolvidas, era declarada "área regenerada" e o gado deixava de poder lá entrar e era dirigido para novas áreas a tratar.
Ainda gostava de ver a serra verde e cheia de maçarocos e estreleiras, pintada de roxo e branco, mas para isso é preciso fazer diferente daquilo que tem sido feito até agora.

É a minha ideia.

Anónimo disse...

Proponho uma solução. Que os cabreiros sejam autorizados a criar gado nas Desertas.
Assim podem dedicar-se ao "pastoreio", e livramo-nos deles de uma vez.
É dois em um.

Anónimo disse...

Acrescento que não tenho nada a ver com política, não defendo o Cafofo, nem os pastores, nem o PSD-M, por isso evitem limitar a discussão a ataques de cariz político.

Anónimo disse...

Ó das 11.53, a carqueja e a giesta captam água das nuvens. Por isso são importantes.

Anónimo disse...

A carqueja e a giesta são tão importantes que a S.Prada mandou cortar elas no Paul da Serra. Se fossem importantes não iam para lá todos os anos gastar muitos milhares de euros a cortar giesta e carqueja.