terça-feira, 26 de junho de 2018


Pela urgente requalificação das zonas degradadas da Cidade do Funchal


            A CDU esteve hoje na Freguesia de São Pedro, na Levada do Moinho a apontar a urgente necessidade de requalificação das zonas degradadas da cidade do Funchal, nesta iniciativa a deputada municipal da CDU, Herlanda Amado, apontou que:
            “A Cidade do Funchal tem um conjunto de áreas degradadas, que necessitam de intervenções urbanísticas urgentes.

            Estas intervenções podem ser chamadas de requalificação, reabilitação ou revitalização, mas independentemente dos termos utilizados, o que necessário e urgente é intervir.
            Nos processos de intervenção urbanística nestas áreas centrais degradadas é necessário garantir infraestruturas e equipamentos, garantindo a melhoria da qualidade de vida de quem aqui vive, porque em primeiro lugar devem estar as pessoas.
            Já há vários anos que estão identificados problemas nos chamados Centro Históricos da Cidade, como a degradação dos edifícios, a falta de acessos, falta de bocas de incêndio, habitações degradadas, falta de saneamento básico e de esgotos, exemplos estes das necessidades e do muito que ainda falta fazer.
            Quando em 2014 é aprovada a ARU (Área de Reabilitação Urbana), que visava reabilitar os Centros Históricos de Santa Maria, Santa Luzia, Sé e São Pedro, foram criadas muitas expectativas juntos dos moradores com promessas várias. A resolução dos problemas parecia estar para breve, mas a verdade é que até agora nada foi concretizado.
            Em 2017 o Presidente da Câmara caracterizava esta zona como sendo um navio encalhado, porque uma parte da cidade parou e estagnou no tempo, mas a verdade é que nada fez para resolver este problema. Não basta falar de requalificação ou reabilitação urbana. É urgente agir!
            Zonas como São João, Arrifes ou Moinhos, onde nos encontramos, são exemplos de núcleos com graves carências habitacionais, de acessibilidades ou mesmo de saneamento básico, mas até agora nada foi concretizado pelo Município.
            Apesar das reclamações e protestos dos moradores, inclusivamente com a entrega de abaixo-assinados, a verdade é que nem assim as pessoas são ouvidas.
            É urgente definir planos de intervenção com as medidas a tomar devidamente calendarizadas no tempo. Basta de palavras é preciso acção.”



 Pl’o Gabinete de Imprensa da CDU



Funchal, 26 de junho de 2018

1 comentário:

Anónimo disse...

Os habituais estão de fim de semana ou de férias?
Será que estão a sindicar as hospedeiras da TAP?
Deixem essa tarefa para o leão Relvas do sítio
Só o caixinha d`óculos a que apareceu hoje? Este merece meias solas novas nos sapatos e um par de óculos mais ajeitados