terça-feira, 19 de junho de 2018


As Responsabilidades do Governo Regional 
nas Agressões Ambientais



A CDU realizou hoje, junto à Ribeira da Metade, Freguesia do Faial no Concelho de Santana, uma iniciativa política para denunciar mais um atentado paisagístico e ambiental na nossa Região com o consentimento do Governo Regional e da Câmara Municipal de Santana. 
Os negócios das pedreiras e britadeiras e a extração de inertes, em particular na Ribeira da Metade, abafam todos os deveres da governação quanto àquela que deveria ser a obrigatória defesa dos valores ecologistas no desenvolvimento local e regional.
Esta situação torna-se mais grave pois acontece em plena Reserva da Biosfera.

O Concelho de Santana, foi reconhecido como Reserva Mundial da Biosfera pela UNESCO a 29 de junho de 2011. Este programa tem como finalidade a conservação do património natural e o desenvolvimento das sociedades, aliado sempre à sustentabilidade. A manutenção de pedreiras e britadeiras no leito da Ribeira da Metade, não só colide com os princípios inerentes a uma Reserva Mundial da Biosfera, mas também representam um grave atentado ambiental e paisagístico.
É também do conhecimento público que recentemente intensificaram-se nesta Ribeira a extração de inertes inclusivo em propriedades privadas sem o conhecimento nem o consentimento dos proprietários.
O Governo Regional e a Autarquia Local continuam subjugados aos lóbis da construção civil, pondo em causa a maior riqueza da nossa Região que é o património ambiental e paisagístico.   

Pl’o Gabinete de Imprensa da CDU


Funchal, 19 de junho de 2018

3 comentários:

Anónimo disse...

Arre onde já vão...
Andam na volta à Ilha de bicicleta ou à camarada ( a pé)
Passaram pelos burracheiros do Porto da Cruz?
Estes iam de bordão ou a bico de ombro?
Com o bordão a que fazia mossa

Anónimo disse...

Lá estão eles em mais uma jornada de luta
Agora que podem passar à Ribeira aparecem
No tempo dos aluviões, não saem do casulo

Anónimo disse...

Ribeira da AMETADE. Querem fazer politiquice ao menos saibam o nome das coisas.