quarta-feira, 13 de junho de 2018


REUNIÃO ENTRE O PCP 
E O GOVERNO REGIONAL



Da reunião com o Sr. Vice-Presidente, para apresentação da proposta do orçamento rectificativo para 2018, sobressaiu um conjunto de propostas que, aparentando serem benéficas para a população da Região Autónoma da Madeira, para já não passam de intenções, pelo que reservamos a nossa posição para a discussão que ocorrerá em breve em Plenário.

No entanto, o PCP no âmbito da rectificação orçamental ainda para este ano, também avançou com algumas propostas; a exemplo,   propôs que  houvesse cabimentação orçamental para a criação de um fundo especial para a construção de  habitação que acusa uma lista de espera de anos e de milhares de pessoas com contornos preocupantes; assim, propusemos não a construção de fogos já este ano, pois não daria tempo em 6 meses , mas sim a criação de um Plano especial para a habitação na Região para a aquisição de terrenos e realização de projectos, e programas de apoio à aquisição de habitação por parte de jovens casais. 
Por outro lado, julgamos o que é prioritário é também orçamentar a contratação de mais médicos de família, além da criação da figura do "enfermeiro de família", na Região, que pudessem contemplar sobretudo, para já, todas as crianças da Região, sem que nenhuma ficasse privada deste direito.
Por outro lado, tendo em conta a inversão da pirâmide demográfica e as centenas de altas problemáticas, também consideramos urgente começar a cabimentar projectos para a criação e construção de uma rede públicos de lares de idosos sobretudo de proximidade, para a RAM, a par de mais investimento no apoio domiciliário a pessoas da terceira idade. 
            Estas, entre outras medidas serão igualmente propostas pelo PCP em sede de discussão do orçamento rectificativo, que ocorrerá no próximo mês de Julho.  



Pl’o Gabinete de Imprensa do PCP

Funchal, 13 de junho de 2018

1 comentário:

Anónimo disse...

Todas excelentes propostas, exceto a do plano para habitação. Não acho correto andar a beneficiar uns em detrimento de outros! Conheço casais em que os dois membros trabalham e (não ganham mal!!!) e tiveram direito a habitação social! Atenção que não falo de um ou dois casos, são muitos...
Infelizmente em Portugal, vigora a Lei do compadrio e da partidocracia! É um triste facto.