quinta-feira, 12 de julho de 2018

Gil Canha no Parlamento



"Governo regional é jogador
de jogo-do-bicho"




Depois da discussão deste orçamento rectificativo e da definição da forma de distribuição das verbas dos jogos sociais, ficamos a saber que o Governo Regional é de facto um grande jogador… do Jogo do Bicho.
Quando iniciou funções, este governo apostou no Camelo. Isto é, meteu o povo madeirense a vaguear pelo deserto, carregando no dorso uma dívida colossal de 6 mil milhões de euros, fora uma albarda escondida de mil milhões. E como a besta de carga não estava bem carregada, ainda lhe meteram em cima da bossa, as Parcerias Públicas Privadas, uma mão cheia de Nababos monopolistas, um Centro Internacional de Negócios, as mercadorias mais caras da Europa e todo o Jackpot parlamentar.

 Prometeram ao bicho resignado toda a série de promessas, avisando-o, que se trotasse bem, chegaria rapidamente a um oásis renovado, cheio de água e palha de fartura. Pelo doloroso caminho desértico, o Camelo foi perdendo os filhos, que aproveitaram a escuridão das noites geladas, para fugirem para outras paragens mais atractivas e férteis.
Mas o Camelo triste e paciente continuava a acreditar que chegando ao destino lhe aliviariam a carga e lhe saciariam a fome e a sede. Ora, a meio do deserto, veio a tempestade-de-areia das autárquicas que desorientou completamente o seu condutor governo.
Quando a ventania amainou, o pobre do animal descobriu horrorizado que lhe tinham montado em cima do lombo, mais carga, além daquela que já trazia. Isto é, carregaram-no com pesadíssimos sacos de cimento, bidões de alcatrão, ferro de cofragem, um ferry boat vazio, uma investigação de Bruxelas às isenções fiscais na Zona Franca e uma indemnização milionária a uma empresa de inspecções automóveis.
O Camelo vacilou e quando se preparava para ajoujar com tanto peso em cima, o condutor governamental segredou-lhe carinhosamente ao ouvido:
- Camelo, alegra-te, vamos dar uma medalha de mérito ao teu antigo dono, que te tratou tão bem, e para que chegues mais rápido ao destino e não desvies a tua rota por maus caminhos, vou construir um hospital novinho para ti, vou reservar uns dinheirinhos para a tua velhice e para as casas de todos os camelos, vou dar mais emprego aos teus filhos desavindos, e vou aliviar-te um pouco a carga, com este Orçamento rectificativo. Mas, por favor, querido Camelo, não me abandones nem me troques por aquela maldita raposa pelada, que nos tem perseguido desde que iniciamos esta penosa travessia no deserto!
E o Camelo olho para o cimo de uma duna, e viu espantado uma raposa alegre, com os dentes alvos como marfim, que lhe acenava lascivamente com um diário e lhe dirigia uma encantadora melodia, muito semelhante aos cânticos das sereias. 
E o Camelo estacou, baralhado, sem saber o que fazer da sua vida… 

5 comentários:

Anónimo disse...

Vou ver o que o Camelo vai fazer mas ele sempre se lixa

Anónimo disse...

Grande Gil
Sempre com o pé no acelerador
É preciso abri os olhos do Povo para se protegerem do miguelito queque caracol e do careca mentiroso,

Anónimo disse...

O pior é que faça o que fizer, quem se lixa é o camelo !!!

Anónimo disse...

O Gil tem ainda muito para dizer do mentiroso e do engumadinho blue
O próximo artigo de opinião estará virado para o Dubai do Amparo e das Torres dos abichanados

Anónimo disse...

Este povo camelo não merece outra coisa! Carrega camelo para os mamões continuarem na engorda com o suor e as lágrimas da tua canga!