quarta-feira, 4 de julho de 2018

Madeirense Justo implica com Hibernado Trindade



TAP poupa na Madeira para pagar a Administradores 
- Viva o Sporting!




Os cancelamentos continuam. O administrador madeirense Bernardo Trindade continua a falar em ventos e em controladores de tráfego aéreo quando as razões ditas operacionais são da exclusiva responsabilidade da TAP. E nem se consegue saber o que são. Hoje sabemos que sai mais barato à TAP  cancelar certos voos do que faze-los. E esses voos sãos os da Madeira. Já se sabe, que se lixem os Madeirenses. A TAP tem de poupar nos nossos voos para poder pagar 60 mil euros por mês de senha de presença em meia dúzia de reuniões. É esta a TAP apoiada por Paulo Cafofo e António Costa. 



E este atrasos são na verdade cancelamentos. Muitas vezes colocam os passageiros dos dois primeiros  voos num só e dizem que é atraso. O Voo das 8:45 de hoje partiu às 12:26. E o das 16:00 já assinala um atraso previsto de hora e meia.  Para Bernardo Trindade, tudo em ordem. Que se lixe a Madeira. Viva o Sporting!




Madeirense justo

9 comentários:

Anónimo disse...

por decisão da UE os estados membros NÃO podem subsidiar companhias aéreas por forma não distorcer a livre concorrência. Ora esta gentinha (da administração da TAP e do governo da república)tomando-nos todos por parolos injectam milhões de euros na TAP via "subsídio de mobilidade" (dinheiro arrecadado através dos impostos pagos por todos contribuintes)mais o dinheiro que vão buscar directamente aos bolsos de quem viaja da/para Madeira. Ora p****!!

Anónimo disse...

Tal empresa do estado tem de dar orientações de serviço publico à TAP nomeadamente de não cancelar aviões para uma Região Autónoma (não é estrangeiro)e limitar os preços a um teto médio nunca superior a 300 euros ida e volta para o residente Português. Os Portugueses da Madeira e os do Continente estão impossibilitados de fazer férias na Madeira e no Continente.
de fora estão os Açorianos que podem viajar sem estes problemas. Será porque têm um governo socialista lá. Dia Sr Bernardo Trindade

Anónimo disse...

Parece que a Sta Casa da Misericordia da TAP tem tendências para acabar. Isto já era previsível e este Des governo do PSD/Renovadinhos anda a assobiar para o lado e nada faz.
Desde o dia em que o Governo do PSD de Passos Coelho/Paulo Portas (não fui eu, não foi o Benfica nem foi o Cafofo)vendeu Portugal a pataco e a retalho que esta situação era previsível, hoje a TAP tem uma administração privada e como todos os privados o objetivo é números e lucro, nada de esmolas, social e doações.
Quanto a Madeira representa em termos percentuais para a faturação e lucro da Empresa? Nunca uma empresa a trabalhar com o coração contribui com mais valia empresarial.
E se a TAP apenas praticasse os serviços mínimos com apenas 2/3 ligações diárias para a Madeira e não com mais de uma dezena como hoje acontece. O Governo Regional deveria ter-se acautelado e formado uma Companhia Regional mas infelizmente quer é tudo feito e a borlex, esta coisa de admitir pilotos não é a mesma coisa que ir ao fundo de desemprego e com o cartão do partido resolver a questão. Querem é a cama feita para se poderem deitar.
Porque o seu amigo Pestana que deteve e mantem interesses indiretos e também seria para seu beneficio nunca colocou na rota da Madeira a EuroAtlantic? Trabalhem vadios sejam poupadinhos empreguem bem o dinheiro dos nossos impostos e deixem-se de andar sempre na gosma.
A maioria dos Madeirenses já os conhece e no próximo anos os dirá.

Anónimo disse...

Pouca Vergonha o que a TAP faz com os Madeirenses, onde tem um ADMINISTRADOR MADEIRENSE que Ganha uma fortuna para gerir os seus próprios negócios. Ainda Hoje veio o Ministro dizer que a culpa e do governo anterior ao que chegamos!!. Pior que isto só na Venezuela.

Anónimo disse...

Ó das 13.32h Não foi este governo que privatizou a TAP mas sim o anterior do tenebroso Passos Coelho do PSD mesma cor deste governo regional, o mesmo acontece com os CTT, parece que o tempo das beneses já lá vai, agora é tudo privado, não foi o que fizeram e pretenderam? Borlix acabou, façam acordos com outras companhias ou criam a sua.

Sinceramente não sei como não se entra em negociações com a SATA para retomar esta rota com altos valores prestados antigamente e atendendo aos preços exorbitantes praticados era uma maneira da Companhia Açoreana aliviar o seu deficit, aqui era só lucro.

Anónimo disse...

esse tonto ainda não entendeu que está também prejudicando os negócios do pai?

Anónimo disse...

Ó das 15.34, não foi este governo geringonceiro que reverteu a privatização para ficar com a maioria do capital social da empresa ?
Então se o estado tem a maioria porque não manda nela ?
Ou terá sido uma reversão para português ver, e enfiar o barrete no PCP e BE, tendo combinado com o consórcio que ganhou a privatização que não meteria o bedelho na gestão da empresa ?
E ainda meteu lá uns boys do PS, com uns tachos principescamente pagos !

Anónimo disse...

A TAP tem obrigações com serviços mínimos para a Madeira? Julgo que não! Atenção que hoje as viagens da TAP já são praticamente o MEIA/MEIA tal a frequência com que é efetuada. A Sta Casa parece ter acabado e vão bater a outra porta porque a TAP já não contribui com benesses para a Madeira, esse tempo de vacas gordas já passou agora é uma Empresa de Administração Privada.
Aquilo que a Madeira quer é CONTROLAR E TER INFLUENCIA NA TAP em que não comparticipa com um cêntimo. Atenção que o Subsidio de Mobilidade é pago na totalidade com os impostos dos cubanos para os Madeirenses andarem a passear dia sim/dia não.
O subsidio de mobilidade deveria ser pago apenas METADE do valor gasto, aí os Madeirenses iriam passar a serem novamente poupadinhos e marcarem viagens com antecedência e escolhendo as horas mais favoráveis.

Anónimo disse...

Ó das 14.24, nem vou comentar a sua saga anti-madeirense, porque não dou para esse peditório.
Mas sobre marcações com antecedência, só lhe digo que em Maio marquei passagem Lisboa-Funchal para 17 de dezembro com regresso a 3 de janeiro. Paguei 452 €, e na concorrência os preços eram semelhantes, numa estranha coincidência que acontece, e, nunca fiscalizada pela autoridade da concorrência.
Estamos conversados.