quinta-feira, 5 de julho de 2018

Albuquerque ao ataque




"Temos de preservar e lutar pela Autonomia

seja lá contra quem for"


O presidente do PSD/Madeira afirmou hoje que a "vergonha" que se tem verificado com os cancelamentos da TAP é "a constatação daquilo que se pode esperar" de um partido socialista que fez a reversão da privatização da companhia e que voltou a colocar o capital do Estado como maioritário.
O resultado, sublinhou, é a opção da companhia pelos cancelamentos dos voos para a Madeira, por serem mais baratos, não olhando sequer para "a situação dos madeirenses que ficam jogados no aeroporto e que são tratados como gado". Mas nem mesmo perante isto "o Estado intervém para por a administração na ordem", apesar de ter um administrador madeirense.

Nos encontros com os militantes, que se realizaram hoje nas freguesias de Santa Cruz e da Camacha, Miguel Albuquerque afirmou que a missão do PSD "é dar combate político a esta gente", incluindo "um senhor que diz que vai ser candidato a presidente do Governo Regional", mas que "não abre a boca". E não o faz, referiu Albuquerque, porque se o fizer vai ter de se pronunciar sobre as questões da Região e "assumir posições".
"O que está na forja é a esquerda criar aqui um conjunto de bonecos articulados, telecomandados a partir de Lisboa, para atrofiar a Autonomia da Madeira de uma vez por todas", disse. Uma Autonomia de "custou muito a conquistar". "Em 40 anos nós conseguimos conquistar a nossa autonomia e nós temos de a preservar e lutar por ela seja lá contra quem for", referiu.
É por isso que desafiou os militantes a denunciar aquilo que está mal e, no caso de Santa Cruz, nada foi feito. Já o Governo, acrescentou, vai fazer mais neste concelho do que aquilo a que se comprometeu, incluindo um campo de jogos na Ribeira da Boaventura, o auditório da Escola do Caniço e a cobertura da escola primária, além de um parque, na zona do Garajau, com 15 mil metros quadrados com zonas de lazer, pista de skate e pista de corrida, para usufruto das famílias, assim como a rotunda para as Figueireinhas, além de outras obras já realizadas, como a nova variante para o Caniço.
Será também alargado o período de funcionamento de centro de saúde do Caniço.
Na Camacha, haverá um investimento de 3,5 milhões de euros, nos melhoramentos da estrada regional entre a Camacha e o Santo da Serra e serão realizadas obras no centro de saúde, tendo sido concluída recentemente a cobertura da escola.
Mas não é só em Santa Cruz que os compromissos estão a ser cumpridos. Miguel Albuquerque lembrou que tanto o ferry, como o avião cargueiro e o helicóptero de combate a incêndios já estão a operar, a par do crescimento económico da Região, de forma consecutiva nos últimos 58 meses, e da redução do desemprego, com a melhor taxa dos últimos sete anos. Isto além dos bons resultados no turismo, na agricultura e nas pescas. 
"Estamos a fazer aquilo que eles no continente não fazem", afirmou Miguel Albuquerque, salientando que foi prometida uma baixa de impostos pela 'geringonça', mas 2017 foi o ano em que se aumentou mais os impostos. "Desde há 30 anos que não se cobrava tantos impostos em Portugal", sublinhou.
Já na Madeira, recordou o presidente do PSD/M, continuou-se a fazer investimento público, ao mesmo tempo que se baixava os impostos, garantindo que estas "políticas são para prosseguir".
PSD-M

13 comentários:

Anónimo disse...

Finalmente Albuquerque ACORDOU.
Madeirenses estavam sem alma reivindicativa.
Opisição presa à geringonça não defende a Madeira.
Força Albuquerque

Anónimo disse...

O grande problema é que a reversão foi um logro, porque ficou acordado que a gestão seria dos privados.
Logo, para o governo tomar medidas, seria preciso destituir esta administração em assembleia geral de acionistas, e, substitui-la por outra nomeada pelo estado.
Mas isso não pode acontecer, porque também está estipulado que, a acontecer tal cenário, o estado teria que indemnizar os privados. E as indemnizações não são de pouca monta. Só de pensar, o ministro Centeno avisa logo aquele ministro que está sempre com cara de quem lhe comeu o almoço, e tutela a TAP, para nem pensar em qualquer esperteza. Depois, há os boys do primeiro Costa, que lá têm bons tachos para nada fazer, como o nosso jovem Trindade, cuja maior preocupação de momento é o Sporting.
Resumindo e concluindo. A reversão foi uma treta para enganar parolos, BE e PCP incluídos, com a agravante de ter passado para o estado a responsabilidade pela empresa, se a coisa der para o torto, uma vez que é o sócio maioritario. Mas mandar, nicles.
Que grande reversão !

Anónimo disse...

Chega tarde e mal. Albuquerque há muito que devia ter iniciado a anti-propaganda contra a República e os Cafofianos.

Anónimo disse...

E o que faz a comunicação social madeirense que não atravessa um microfone à frente destes socialistas e fazem a pergunta pertinente?
Que raio de jornalistas são estes que propagam a democracia e estão coniventes com a ditadura de esquerda?!

Anónimo disse...

Uma vergonha uma empresa com maioria de Estado ser gerida por estrangeiros que não vivem a alma Portuguesa nem o Serviço Público. Apenas querem justificar lucros para constituir curriculum.
Um atestado de incompetência aos gestores portugueses que não são capazes de gerir um empresa de aviação?
Quanto aos slots e espaço no na Portela, trata-se de outra incmpetência do governo que não decidiu o aeroporto alternativo mesmo em período do maior crescimento turístico. Falta de planeamento e competência

Anónimo disse...

Ora nem mais, comentador das 09.41.
A campanha do inimigo externo, ainda melhor com o reforço do aliado interno, deveria ter começado dois a três meses após as autárquicas. Depois seria gerir o seu crescendo até às diversas eleições de 2019. E, diga-se na verdade, o governo da república tem dado variadas frentes e hipóteses para tal estratégia politico-eleitoral.
Mas, como já aqui tenho escrito diversas vezes, parece que "neste" PSD-M não há ninguém que perceba de política, e muito menos de ciência politica. São uns ignorantes, uns iletrados. É tiro no pé atrás de tiro no pé. Dou um exemplo. Agora na função pública o governo regional dará folga ao funcionário no seu dia de anos. Conclusão, contenta os funcionários publicos, e gera revolta na grande maioria que trabalha no privado, onde obviamente não existem estas mordomias. Matematicamente, ganha uns votos, para perder muitos mais.
E, veja-se. A oposição é um desastre, mas mesmo assim não precisa de grandes assomos para ir tirando vantagens.
Na oposição bastou aparecer um espertalhão em terra de cegos. Viu a realidade local, arranjou o ser mais vaidoso e ambicioso que por aí encontrou, como candidato perfeito.
Depois foi preciso pôr o PS-M a "funcionar. Daí ter boicotado ao máximo Carlos Pereira, o que também não era difícil. De seguida foi arranjar uma "jarra" para fingir de líder, e meia-bola e força. O caminho estava traçado.
O que não se percebe no PSD-M, é que, com tanta matéria prima, subsídio de mobilidade, juros, hospital, etc, etc, não tenha conseguido uma estratégia simples e eficaz.
São uns nabos. Uns autênticos nabos que não merecem as oportunidades que têm.
E o pior de tudo é que, com tanta asneira, arriscam-se a perder as eleições.
Felizmente começa-se a ver que do outro lado nem tudo são "rosas", para bem dos nossos pecados.
Mas recomendaria a toda esta malta. Leiam, leiam. Estudem um pouco. Nem é preciso muito para ver o óbvio.

Anónimo disse...

A anti propaganda contra? Então é a favor. Da república.Tá boa.

Anónimo disse...

Muito bem Miguel Albuquerque. Assim sim. Temos presidente. Bem haja

Anónimo disse...

Mas qual autonomia, seu alucinado? Pergunta ao teu amigo Passos Coelho ou ao do Quebra Costas o que fizeram da autonomia.
Agora fala grosso, deve ser da proximidade das eleições

SIA disse...

Lembro -me quando era criança de ver os homens irem a pé para o trabalho, com calças de ganga barata e remendos quadrados de cor mais azul.
Havia o homem das cestas magro muito magro com 20 ou mais cestas com o almoço que carregava às costas caminho abaixo até ao Funchal, descalço com rugas abertas nos pés, que impressionavam esta criança. Nesse tempo Lisboa mandava na Madeira, e tinhamos uns representantes, deputados, por lá. Depois do 25 de abril, uma das primeiras medidas do novo governo da Republica para com a Maseira foi a transferencia de 350 mil contos para acudir a fome que havia por aqui. Nem sabiam que aqui havia um estado de necessidade alimentar que parecia Africa. Mas tinhamos lá deputados, e um governo aqui obediente a Lisboa ou não fosse nomeado por eles.
Quando vejo o caminho que estes novos Messias estão a fazer fico asssutado.
Que sigam o caminho do PSD, do AJJ do Albuquerque seja como quisserem. Mas não se sujuguem a Lisboa, LUTEM PELA AUTONOMIA. NÁO ESQUEÇAM O HOMEM DAS CESTAS E A FOME DOS NOSSOS BISAVÓS.

Eu, O Santo disse...

A Autonomia só está a servir para encher indevidamente os bolsos de uns quantos e para criar duas castas: a dos laranjas e a do povo.

O nível de ridiculismo é tal que os comentadores defendem a luta contra um eventual inimigo em detrimento contra a luta contra reais inimigos da Democracia, da Legalidade, da Igualdade, etc...

A sorte destes comentadores é estar Cafofo do "outro lado da barricada". Se estivesse outro....

Anónimo disse...

Santa ingenuidade, ó Santo.

Anónimo disse...

Contra tudo e contra todos - vamos começar com os lobbies económicos! Sim, mesmo aqueles que pagam os carros de rally.