domingo, 5 de agosto de 2018



Travessia Açores-Madeira em moto náutica

GOVERNO LOUVA REZENDE 



O Governo Regional da Madeira vem manifestar o seu contentamento e admiração por mais um feito de Frederico Rezende. Um homem que junta o muito que faz pela Madeira na sua vida empresarial à promoção que, destemidamente, realiza da nossa Região.
Fazer a travessia marítima entre os Açores e a Madeira não é fácil, quanto mais fazê-lo numa moto náutica. Ainda por cima, realizar tal proeza de forma notável, em cerca de 39 horas, menos do que as 48 horas previstas.

Não é a primeira vez que Frederico Rezende protagoniza feitos dignos da nossa maior admiração. As suas travessias entre o Porto Santo e o Funchal e entre Lisboa e o Funchal foram outros casos notáveis de coragem. Da mesma têmpera revelada pelos nossos antepassados, que abriram caminhos para a África setentrional e para as Índias, bem como chegaram ao Brasil.
Frederico Rezende é desses homens que nos habituaram a ter sucesso. Porque lutam para tal. É um exemplo de arrojo e determinação a seguir. Por todos nós.
Mas, esta travessia tem ainda a particularidade de estar associada à comemoração dos 600 Anos da Descoberta do Porto Santo e da Madeira. Em 1418 foi trilhado o primeiro rumo de outros que levaram os portugueses a fazer história.
Seis séculos depois, continuamos a ser um povo de marinheiros, de audazes. Mas, Frederico Rezende é, sem dúvida, dos mais audazes, dos mais corajosos.
Neste momento de celebrar a concretização de mais um sucesso, o Governo Regional não poderia deixar de ser o porta-voz do sentimento de orgulho dos madeirenses por mais esta proeza, fazendo questão de louvar publicamente o engenheiro Frederico Rezende.


Funchal, 05 de agosto de 2018

O Gabinete da Presidência do Governo Regional da Madeira

9 comentários:

Anónimo disse...

Ai o engenheirinho Frederico Rezende...
O último parágrafo faz lembrar a escrita propagandística do Estado Novo.
Que feito patriótico do queridinho engenheiro Frederico...
Valha-me Deus. .

SIA disse...

Não é para qualquer um, mas tambem não estamos a falar de um qualquer atleta. Reconhecidamente excelente feito. Muitos parabens.

Anónimo disse...

O Rezende até teve uma "empregada" do governo à espera. A Sr. Cabaço lá estava a prestar vassalagem.

Anónimo disse...

Só por isto, já vamos arranjar mais umas obrazinhas no sesaram para entregar à tecnovia madeira

Anónimo disse...

O engenheiro F.Rezende, da Tecnovia, teve apoios do governo para essa travessia? De quanto?
O povo tem que saber muito bem as relações que existem entre certos empresários que dominam os negócios na Madeira e os dinheiros públicos.

Anónimo disse...

Ó das 21.29, você acha que o Rezende precisa do apoio do governo para uma travessia ?
Agora se me disser que a Tecnovia apoia o PSD-M e o PS-M, aí já faz mais sentido.

Anónimo disse...

O Governo agora vai apoiar o Calado e o seu piloto a andar por esse Mundo fora tipo o Filho do Luis Sousa mostrando que a Madeira existe pois será o complemento da enorme procura dos turistas pelo Museu do Coche/Sucata idealizado pelo GRANDE ex Secretário da Mobilidade e dos Barquinhos Voadores. Só que cada entrada no Museu terá direito a uma cagadela de gaivota regional. E por aqui lá vai o dinheiro dos meus/teus/nossos impostos. Porra 2019 nunca mais chega para colocar esta gente borda fora.

Anónimo disse...

Com jeitinho ainda vai pavimentar este tajecto...

Anónimo disse...

Tem razão amigo, eu cá também gostava de saber se o Eng.Rezende foi subsidiado pelo governo. Se o governo dá todos os anos 300 mil euros ao rali e milhões ao futebol, não me admirava nada que também tivesse inventado um subsidio qualquer para as aventuras náuticas do Eng. da Tecnovia Madeira. Foi muito dinheiro para combustível e para ter um barco de apoio durante todo o percurso.

Este ano até vimos o Calado a dar mais 45 mil euros ao rali. E depois ainda ganhou a prova que ele próprio subsidiou.
A ordem deste governo continua a ser esbanjar o nosso dinheiro. Querem fazer provinhas e aveturazinhas, tudo bem , mas que não seja à nossa custa.