sexta-feira, 10 de agosto de 2018



UM GOVERNO DE “REAÇAS”

José Vicente Gomes

Estive muito tempo calado, Sinal dos tempos: o que está a dar é ser calado. Calado, manda-se em tudo: nas aquisições, nos pagamentos, nas promoções… Calado é que é bom e é o que está a dar!
No entanto, este governo que nos calhou na rifa, não sabe estar calado. Contratou a eito alegados especialistas em comunicação. Consta que há dois por secretaria e quatro na Presidência. Só pode ser má-língua porque não se nota nada. E ainda há mais gente a falar desde a sede da rua dos Netos, a propósito e; a mais das vezes, a despropósito.
Tanta gente a falar só podia dar confusão: uns porque falam de coisa nenhuma; outros porque falam a destempo; outros ainda por falarem do que não devem ou com tanta inabilidade que mais valia estarem calados, como o Outro…

De tudo o que é dito, porém, ressalta um ponto comum: são sempre reações. Este é um governo que reage. Nunca vai à frente. Só reage, só diz que não é bem assim. Não se lhe reconhece iniciativa. Apenas responde: diz que fez ou vai mandar fazer. São “reaças”. Não do ponto de vista ideológico (até porque, tirando os raros arroubos neoliberais do senhor presidente quando está para aí virado não se conhece uma vírgula ideológica de qualquer outro membro do elenco governamental ou sequer dos próceres parlamentares que o apioam). São “reaças” porque apenas reagem. Nada apresentam à frente., E os outros, com demagoga e descaramento q.b., à falta de argumentos sérios, vão marcando a agenda política.
Passados três anos de governação renovadinha ninguém trouxe para a ribalta os temas mais importantes da Autonomia:; o envelhecimento populacional que ameaça a prazo a nossa existência enquanto região; a monocultura do turismo que ameaça a nossa sobrevivência; económica; a míngua de instrumentos fiscais que nos permitam políticas diferenciadoras. Continuamos a viver como uma mega autarquia, resolvendo questões pontuais, mas adiando o debate do nosso futuro. E, entre Albuquerques, Cafofos e Jardins, vivemos de intrigas e maledicências, reagindo sempre ao que vão dizendo e nunca fazendo nada de novo pela vida.

3 comentários:

Anónimo disse...

E que tal continuar calado?
Se não tem nada para dizer, não é obrigatório falar.

Anónimo disse...

De facto é isso! E eu como não me consigo manter calado diante de tanto sonso manipulador, não obtenho respostas nem do Calado nem dos seus apaniguados.

Anónimo disse...

Caro José Vicente Gomes, a sua análise sobre este Governo acéfalo está muito bem feita.
É flagrante a inércia e falta de iniciativa do atual Governo Regional no que toca à execução de projetos estratégicos sustentáveis e inovadores, como sejam iniciativas ligados ao Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, à Economia Circular com vista à criação de riqueza e emprego num contexto com poucos recursos; à Inovação Social por via do desenvolvimento de soluções inovadoras para a melhoria das respostas a problemas sociais,tanto ao nível do dinamismo e sustentabilidade da economia social como da inovação nas políticas públicas regionais...
No Continente por exemplo, este tipo de iniciativas prolifera às centenas mas, infelizmente por cá, nem dos conceitos se ouve falar.
São inúmeras as oportunidades perdidas pela Região no atual período de Financiamento de Fundos Comunitários, fruto da ganancia e enorme irresponsabilidade governativa.
Continua-se a apoiar mais do mesmo, a financiar a fundo perdido projetos que nunca o deveriam ser, pondo de parte iniciativas sustentáveis e inovadoras que poderiam contribuir para a criação de riqueza e, sobretudo contribuiriam para a necessidade (urgente) de mudança de mentalidades.
É preciso ter presente que o próximo período de programação (2021-2027)vai impor a lógica do financiamento reembolsável para grande maioria dos projetos de iniciativa privada porém, contudo, o Governo prefere soprar para o lado e governar como se não houvesse amanhã.
É disto exemplo a encenação que promove, a um ritmo quase semanal, das sessões para a "atribuição" (sabe-se lá do quê?) aos empresários regionais que beneficiaram dos Sistemas de Incentivos (maioritariamente) Funcionamento.
É bom esclarecer que este Sistemas de Incentivos vigora desde 2010 e só este ano passou a ser agraciado com um ridículo beberete presidencial.

Tudo isto acontece pela tremenda falta de bom senso e visão estratégica deste governo PSD que age apenas em função dos resultados que espera alcançar nas eleições de 2019.