segunda-feira, 28 de maio de 2018



Rui Barreto deixa a Câmara
para liderar o PP



A grande prioridade de Rui Barreto é catapultar o PP a um lugar cimeiro na política madeirense, tendo em vista as regionais do próximo ano. Depois de uma falsa partida mal recebida dentro e fora do CDS-PP, o congresso de Julho é o momento. Confirmado



Rui Barreto vai cumprir o que anunciou há um par de anos: dentro de dois meses, em finais de Julho, apresentará a sua candidatura à liderança do PP-Madeira, no Congresso do partido. 
Barreto foi dado como claro favorito à presidência dos populares em anterior reunião magna. Parte da grande popularidade de que então desfrutava decorria das suas posições em defesa da Madeira, no Parlamento nacional, que por serem contrárias às orientações da bancada dos populares, lhe valeram sanções internas.

Possuidor de um discurso que gera facilmente empatia, tudo parecia encaminhado para Rui Barreto se impor como sucessor de José Manuel Rodrigues na liderança do PP. Mas o jovem político surpreendeu militantes e não militantes já em cima do congresso, ao concordar com a estratégia de adiar o seu lançamento, deixando que Lopes da Fonseca exercesse o cargo durante um mandato.
Muito criticado por essa cedência, Rui Barreto concorreu entretanto à vereação da Câmara do Funchal (Outubro 2017), sendo eleito pelo seu partido. Entretanto, desempenha o lugar de deputado na Assembleia Legislativa Regional. Agora que o cenário político regional se alterou significativamente, será curioso perceber até que ponto Barreto consegue fazer 'tábua rasa' da sua anterior decisão - quanto a nós péssima - e recuperar o tempo perdido.
O futuro líder do PP está decidido a repor o seu partido num lugar mais influente da vida regional. Para começar, abandonará o mandato de vereador na Câmara do Funchal, por entender que o lugar do líder de um partido oposicionista com ambições de poder é no palco parlamentar. 
O pré-candidato já anda no terreno, concelho a concelho, preparando as hostes para apoiarem em peso o seu projecto. 
Nos meios afectos ao CDS-PP, acredita-se que a candidatura, embora serôdia, ainda é a única em condições de reunificar o partido e congregar grande fatia da sociedade civil.

6 comentários:

Anónimo disse...

Pode ser que seja surpreendido por outra ou outras candidaturas. O seu tempo de avançar caducou em Dezembro de 2015

Anónimo disse...

Popularidade?
Não há dúvida que fez a sua vidinha, na aprovação do PDM.
Será que os CDS(s) estavam todos de acordo?
Esclareçam...
Aqui se faz, aqui se paga.

Anónimo disse...

Que venha outro vereador mais honesto...

Anónimo disse...

E quem é o próximo?

João Sousa disse...

uma boa pasta seria a das finanças. da maneira como vão as contas internas do pp parece que teríamos festa o ano todo

Anónimo disse...

Será o futuro Vice Presidente do Governo Regional da Madeira, seja o PSD ou PS a ganhar (sem maioria) vão precisar do CDS para ter maioria necessária...