terça-feira, 27 de junho de 2017


UM LANCE DE FUTEBOL


João Barreto


"80 minutos de jogo. Mais uma tentativa de contra ataque da equipa multicolor.
Bola em profundidade lançada pelo defesa central. Já sem fôlego, o avançado duvidou que lá chegasse. Mas o tempo avançava inexorável e era absolutamente necessário alcançar no mínimo o empate. Estava em jogo o título.
Tocou no esférico mas não o conseguiu dominar. A bola escapou-se-lhe completamente. O defesa adversário ia limpar facilmente a jogada. No entanto, mesmo em cima da linha da área, sentiu um bafo no pescoço. Sem pensar duas vezes, atirou-se de alma e coração, mergulhando no rectângulo fatal.

Penalti!- reclamou em coro a claque multicolor, imediatamente levantada como um só homem, enquanto a estrela do time se contorcia no relvado como se atingida em cheio por uma manada de elefantes. 

Pelo canto do olho, viu o árbitro aproximar-se do local, com a mão no bolso já à procura dos cartões.

Logo se levantou, esquecidas dores e contusões, reclamando o vermelho para a defesa adversária, incapaz de jogar conforme as regras: "por pouco, não o tinham inutilizado para sempre; um golpe daqueles pelas costas...!"

Qual não foi o seu espanto, quando reparou que  todo o estádio, à excepção da sua claque, ria à gargalhada, enquanto os seguranças tentavam apanhar um indivíduo vestido de palhaço que fazia slalons no meio do relvado.

Logo lhe explicaram que o intruso havia entrado em campo, vindo das bancadas, aproveitando uma distração dos guardas e que dirigindo-se-lhe pelas costas, lhe tinha dado um apupo nos ouvidos.

Ainda aturdido, presenciou o árbitro mandar reiniciar o jogo: bola ao solo como mandam as regras. 

Logo reclamou: "então e o amarelo para o defesa adversário?"

"- amarelo, ora porquê?"

"- ...porque se estava a rir de mim, ... quando eu estava no chão, cheio de dores."

" - pois amarelo deveria levar você pelo mergulho para a área que deu sem ninguém lhe tocar! Nem sequer o palhaço! Mas deixe estar que, acabando o jogo, vai levar um vermelho por se armar em parvo. Mas quem lho vai dar é o público!"

Qualquer semelhança  com um recentíssimo episódio da campanha eleitoral para o município do Funchal, é pura coincidência.

2 comentários:

Anónimo disse...

Parece o Fugitivo a se escapar à Justiça Venezuelana.

Anónimo disse...

Esta analogia de futebol merecia ser mais explorada:
E quanto à equipa adversária, cujo avançado apresenta um fraco rendimento numa "selecção regional" que revela-se uma desilusão.
E uma facção dos adeptos dessa mesma equipa e selecção, que agitam lenços brancos e pedem a cabeça do treinador e jogadores e o regresso do velho "ponta de lança"? Até aplaudem as jogadas da equipa multicolor!

Este campeonato está minado, bem haja os intrusos e invasores de campo !!