quarta-feira, 7 de março de 2018



Para quê os seguros 
na subsidiolândia???




Caro Luís Calisto,

Ontem fiquei espantado quando vi nas noticias que o governo da Madeira ia pagar os prejuízos aos agricultores.
Em primeiro lugar quero deixar claro que considero lamentável o que acontecem, em especial na Ponta do Sol. Mas também não posso deixar de dizer que considero que a agricultura é uma actividade económica. Pelo que deve gerar receitas, lucros mas também fazer face aos prejuízos, como todos os outros empresários o fazem.
Acompanhei com algum distanciamento, mas fui seguindo a informação que me chegava da novela dos seguros de colheita, que não havia, que nenhuma seguradora o fazia, que o governo ia arranjar e que finalmente, e apresentado com pompa e circunstancia, passou a haver uma seguradora que fez um protocolo com o governo para que passe a haver uma apólice de seguros de colheitas.
Logo, logo apareceram agricultores a dizer que já tinham feito o seguro e que agora é que ia ser uma maravilha. Os que ouvi falar cultivavam todos bananeiras.
Apesar se nunca ter chegado a compreender se havia algum contrato com o governo para subsidiar este seguro, pensei cá para os meus botões: "Agora finalmente quando vier o mar lá para aqueles lados, pelo menos os tipos têm seguros e assim se vier o vento para aquelas bandas, já têm como pagar os prejuízos".
Mas estava muito enganado, pois quem paga os prejuízos somos novamente todos nós.
Então explique-me, Luís Calisto, por que raio precisam eles de seguros de colheitas. O seguro somos sempre nós que pagamos sempre que estes senhores têm prejuízos ou já agora excesso de produção, como foi este ano na vinha.
Não entendo como podem achar que os meus impostos em vez de irem para a saúde ou para a educação vão pagar aqueles que tendo a oportunidade de ter um seguro optaram por não o fazer.
Assim pensando, vou deixar de pagar o seguro do carro e quando bater vou à quinta vigia pedir um apoiozinho para o meu prejuízo.

Cumprimentos,

Adelino Marques

15 comentários:

Anónimo disse...

É preciso acabar com esta vergonha da subsídio-dependência.
Existem seguros, façam-nos. Não fazem, assumam os prejuízos.
Quem tem uma oficina, um restaurante, ou outra qualquer actividade económica, se tiver prejuízos de vido a temporal, se tem seguro está defendido. Se não tem, lixa-se. Não está à espera do governo.
Já chateia uma terra onde está toda a gente de mão estendida para o governo resolver os seus problemas.
Raio de mentaludade que se criou com esta autonomia. Assim não é autonomia, e dependência total.

Anónimo disse...

Reclamo a quem as minhas ,7 bananeiras derrubadas ?

Anónimo disse...

Isto é uma paródia, dizem que há seguros de colheitas, mas isto é a prova de que não funcionam.
Ninguém abre os olhos?
E agora, com este anúncio, para quê fazer tal seguro, se o Governo se agacha e intervém em tudo!?
Isto é de gente louca e que não percebe patavina do assunto. Mas é o que temos e, se calhar, o que merecemos.

Anónimo disse...

Sempre o mesmo a pagar, o povo.

Anónimo disse...

O Senhor Presidente veio dizer que era necessário o subsidio porque o seguro ainda estava em transição.
Mas o senhor Secretário já anunciou o seguro de colheitas há dois anos. Disse em várias entrevistas. Afinal está ainda em transição ou em permanente incompetência Senhor Secretário?

Anónimo disse...

Expliquem lá melhor, uma medida para pagar o prejuízo pela quebra de rendimento e outra com apoio dos fundos comunitários, nem dizem qual, para "repor o potencial produtivo... "
E aqueles que ficaram sem o seu estabelecimento, como no Garajau ou Ponta de Sol, por exemplo, nada...?
Isto é que é Governo e governar..
Falta muito para 2019?

Anónimo disse...

Ao comentador das 20:31, o Secretário anunciou o seguro de colheitas o ano passado e não há dois anos. E garanto lhe que os Seguros estão a funcionar e muito bem!

Anónimo disse...

Medida 05. Restabelecimento do potencial produtivo

Submedida 5.2. Apoio a investimentos destinados à recuperação de terras agrícolas e ao restabelecimento do potencial de produção agrícola afectado por catástrofes naturais, fenómenos climáticos adversos e acontecimentos catastróficos
Portaria n.º 407/2015, de 29 de dezembro - Regime de aplicação da submedida 5.2 Apoio a investimentos destinados à recuperação de terras agrícolas e ao restabelecimento do potencial de produção agrícola afectado por catástrofes naturais, fenómenos climáticos adversos e acontecimentos catastróficos pdf

Portaria n.º 421/2016, de 10 de outubro - Altera a Portaria n.º 407/2015, de 29 de dezembro - Regime de aplicação da submedida 5.2 Apoio a investimentos destinados à recuperação de terras agrícolas e ao restabelecimento do potencial de produção agrícola afectado por catástrofes naturais, fenómenos climáticos adversos e acontecimentos catastróficos pdf

Portaria n.º 399/2017, de 10 de outubro - Procede à segunda alteração à Portaria n.º 407/2015, de 29 de dezembro - Regime de aplicação da submedida 5.2 Apoio a investimentos destinados à recuperação de terras agrícolas e ao restabelecimento do potencial de produção agrícola afectado por catástrofes naturais, fenómenos climáticos adversos e acontecimentos catastróficos.

Anónimo disse...

Senhor das 22.40,
Va aos arquivos dos Jornais e vai ler que esses seguros ja estao anunciados ha mais de dois anos.
E se estão a funcionar muito bem, não sera necessario avançar com subsidios desta natureza. Porque nao acionam os Seguros?

Anónimo disse...

Vê-se!!

Anónimo disse...

Ó das 22.40, se os seguros estão a funcionar muito bem, porquê os subsídios ?

Anónimo disse...

Como diz o outro:
"Cavasses!"

Anónimo disse...

Para os 80% do prejuízo qual a portaria ? Será a olhometro ????

Anónimo disse...

O Secretário disse que havia seguro. Se há seguro, quem não o fez que se desenrasque como todos os outros que sofrem prejuízos. Se não há seguro, o Secretário demita-se e pague os prejuízos do seu Bolso.
O Dinheiro dos contribuintes não é um seguro para cobrir incompetentes.

Anónimo disse...

https://proderam2020.madeira.gov.pt/apoios-proderam-2020/seguro-de-colheitas-animais-e-plantas.html