domingo, 4 de março de 2018

REABILITAÇÃO RUMO A 2019



2 comentários:

Anónimo disse...

Tenho pena de não ter o dinheiro para investir na reabilitação destes e de outros edifícios com fachadas tão interessantes que existem na cidade. Aposto que as vendia rápido ou então metia no Alojamento Local com bons lucros. Outra ideia, em vez de se fazer bairros sociais de raíz, era preferível reabilitar prédios deste tipo e realojar as pessoas neles. Garanto que a sua integração na sociedade seria muito mais rápida e eficaz que a guetização que atualmente existe. Com a vantagem de se reabilitar património histórico e diminuirmos as ruínas. Mas eu não mando nada...

Anónimo disse...

Quem tem prédios em ruínas paga o triplo do IMI, para obrigar as pessoas a reconstruir. O problema são os inúmeros herdeiros e suas complicações...
Um exemplo: o prédio em ruínas, a muitos anos, junto ao Gimnodesportivo, o pavilhão da Jaime Moniz, conhecido por Amazónias, deverá pagar, também o triplo do IMI.