sexta-feira, 31 de março de 2017

Com a nau socialista já cheia de rombos





Carlos Pereira
decide voltar à Madeira


A trama traiçoeira que nestes dias envolveu Paulo Cafôfo, Filipe Sousa e António Costa é uma oportunidade caída dos céus que Carlos Pereira, aposto, vai desperdiçar



O chefe socialista, que tanto gosta de falar, mesmo quando está só, continua 'calado como um rato'. O gato comeu-lhe a língua?



Perante os últimos desenvolvimentos políticos na Região, altamente penalizadores para o PS-Madeira, o líder dos socialistas decidiu deixar muito em breve o lugar em São Bento para se dedicar exclusivamente à vida partidária regional. Será desnecessária, pois, a iniciativa nesse sentido preparada por um dos membros da Comissão Regional para levar à reunião de mais logo.
Finalmente, Carlos Pereira reconhece que as suas diligências e os resultados que possa ter alcançado na Assembleia da República não compensam o desfalque deixado nas suas funções de liderança do partido. Quase não se lembram dele. Se não tivesse uma sondagem para ir mostrar ao camarada...
O chefe perdeu positivamente o controlo do PS-Madeira. Precisa de voltar urgentemente por causa das eleições autárquicas do dia 1 de Outubro e da mixórdia de mais uma visita do primeiro-ministro António Costa, dentro do processo eleitoral. Primeiro-ministro que, como se sabe, desatou a negociar as eleições no Funchal. Com o chefe JPP. Presidente de Santa Cruz. 
A mando de quem? 
De Paulo Cafôfo.
Obviamente.
Apenas Jaime Leandro se indignou com a marginalização do PS no caso do encontro diplomático, atacando pública e desabridamente o líder nacional e demitindo-se de chefe do grupo parlamentar socialista. E Carlos Pereira? Um homem que tanto gosta de falar, que quando não lhe dão oportunidade para debitar ideias arrebata o microfone seja lá onde for - como se explica este silêncio à desautorização que António Costa lhe aplicou à bruta? O gato comeu-lhe a língua? 

Carlos Pereira vem tarde para a Madeira. Os novos gurus da política regional já voam alto. Brilham que nem pirilampos. Albuquerque pelo cargo que ocupa. Cafôfo pelas lantejoulas da farda. Rubina pela expectativa do que lhe possa acontecer.
Mas Carlos Pereira podia ainda bater com o punho em cima da mesa de maneira a mandar estilhaços da Praça Amarela para todo o espectro político-partidário regional. Bem vistas as coisas, os espertos Costa e Cafôfo entregaram de bandeja a grande oportunidade para o líder regional dos socialistas se livrar do fenómeno Cafôfo e tornar o PS num partido capaz de fazer o seu caminho livremente.
Carlos Pereira podia chamar Cafôfo a contas (se não lhe atendesse o telemóvel, fazia-lhe uma espera à saída de alguma sessão fotográfica). Avisava-o de que, com o 'inimigo' JPP não haveria coligação no Funchal, a não ser com os socialistas de fora. Cafôfo teria de se definir: ou JPP ou PS. A ceder na encruzilhada, escolhendo o PS, ficava tudo esclarecido sobre quem é que manda. Se o edil optasse por virar as costas aos socialistas, Carlos Pereira assumia o 'divórcio' (que sempre desejou) e refundava uma candidatura do PS, que, coragem das coragens, poderia passar por ele próprio - e enfrentar os novos e tresloucados ventos que entontecem a política regional.
A escolha dos candidatos é competência das concelhias. No caso do Funchal, é mais do que conhecida a engrenagem montada: cafofismo a potes que vai da concelhia à Frente Mar. Passando por algumas juntas de freguesia. E por famílias madeirenses, na prática pseudo-importantes, pouco receptivas ao estilo e às políticas de Carlos Pereira. Mas há uma particularidade que muitos desconhecem: em caso de coligações, a Direcção do partido tem uma palavra a dizer. E mesmo que não tivesse, a Direcção retirava a confiança política a quem apoia outras linhas de actuação.  
Às tantas, poderia haver a ideia de um congresso extraordinário para clarificar o estado de coisas. Cafôfo não poderia concorrer à liderança, por causa dos 6 meses. Mas poderiam enfeitar um candidato afecto ao Mayor do Funchal que lhe abrisse ainda mais facilmente os portões do PS e o acesso à candidatura regional, em 2019. São riscos que Pereira teria de enfrentar, desprendidamente.  
Resgatando o Partido Socialista do sequestro actual, Carlos Pereira, provavelmente mais maduro, menos autista e agora presente, como que assinaria uma refundação socialista. Um novo partido que não permitisse aos Costas de Lisboa virem cá palpitar e indicar caminhos. Nem aos ambiciosos da política, absolutamente legítimos mas outsiders, usar a vaga partidária da Praça Amarela para os seus intentos individuais.
Carlos Pereira não irá por este caminho. Conhecemos-lhe coragem. Bem como a competência técnica. O problema é quando se torna necessário aquele clique indispensável para dar grandiosidade ao partido e ao seu próprio currículo. 
Assim sendo, a reunião da Comissão Regional de hoje não trará nada de novo - a não ser que Carlos Pereira anuncie já a data do regresso à base. O que também não será novo a partir deste momento.
O PS continuará a sua vida como até aqui, mais focado no debate sobre a corrida interna Cafôfo-Pereira (se Pereira sobreviver às autárquicas) do que na luta contra o poder regional instalado. Tudo com muito ruído em fundo. Jaime Leandro revoltou-se contra Costa e Costa já pediu pouco barulho ao PS-Madeira. Jaime Leandro mudou ontem a fechadura da sede partidária e espalharam-se os rumores de assalto por facções adversárias da vigente. Quando, afinal, a fechadura foi mudada porque alguém perdeu uma chave identificada. Conspira-se também contra vice-presidentes do PS-M, que estariam com uma mão em Pereira e outra em Cafôfo. Murmura-se sobre a presença de Sofia Canha na maldita inauguração da loja do munícipe. Quantos autarcas funchalenses apoiam a Direcção do partido?
Carlos Pereira vai falhar com a baliza escancarada. Mau para ele. Desportivamente falando, é raro as equipas mistas ganharem títulos.
[Recordamos que Adelaide Ribeiro está a seguir a Carlos Pereira na lista PS para a AR, pelo que, se tudo correr normalmente, avançará para S. Bento a protagonista da revolta contra uns cartazes do PS que ficaram célebres.]

14 comentários:

Anónimo disse...

Uma óptima radiografia ao estado actual do PS.

Anónimo disse...

Um artigo para imprimir, guardar e chapar na cara de alguém dentro de 6 meses. Não sei é de quem vai ser essa carinha...

Anónimo disse...

O PS-Madeira foi, é, e continuará a ser sempre um saco de gatos, sejam quais forem os protagonistas. Portanto para este partido os últimos acontecimentos não passam de business as usual. LOL

Anónimo disse...

Excelente análise.

Anónimo disse...

Excelente radiografia, Luís Calisto.
Esta trapalhada, bem vistas as coisas, caiu que nem ginjas do colo de Carlos Pereira.
Não sei é se ele é arguto o sificiente para tirar partido dela.
Era já e em força, três iniciativas:
- apresentar lista própria, com pompa e circunstância, em S. Cruz;
- recusar qualquer coligação ou apoio da JPP no Funchal, e obrigar Cafofo a escolher, ou PS ou JPP;
- regresso à Madeira e à ALM para ter palco político regional, poque esse é que interessa. A presença na AR não dá votos na Madeira.

Veremos se líder tem cabeça e cojones para fazer isto.
Entalava Costa, Cafofo, Sousas de S. Cruz, Vitor Freitas e respetivo grupelho, e, mais importante, ganhava o partido reforçando a liderança, e ganhava o respeito de militantes e adversários.
Se Carlos Pereira pensar bem, foi-lhe dada uma oportunidade de ouro.

Anónimo disse...

Pereira vai comer e calar. Provavelmente oferecem-lhe um tacho qualquer no Governo da República para não levantar ondas. Mas não passarão de promessas, pois aposto que tal nunca se concretizará. Daqui a uns dias já ninguém quer saber disto e Pereira, já em rigor mortis, será enterrado. A única solução para dar a volta por cima é exatamente a que o sr. Calisto explana. Mesmo que falhe, não ficará com a fama de agachado. Poderá passar pelo deserto, mas não morrerá politicamente. Leia bem isto caro Pereira. Antes esmalmado mas vivo, que bonitinho de fato dentro do caixão!

Eu, o Santo disse...

Há uma grande tentativa para provocar clivagem no PS. Talvez Pereira tenha razões para estar aborrecido... Mas agora é altura de combate com o PSD-M.
Se vier a curto prazo, poderá ajudar com seus conhecimentos técnicos, jurídicos e políticos ajudar os candidatos do PS em background, é assim talvez ganhar seus favores.
No dia 2 de outubro é que começam as lutas pelas quais é Pereira que está na linha da frente.

Anónimo disse...

Isto cairá que nem ginjas, é no colo do PSD/M e não como argumentou, o anónimo das 13h14m. O Miguel Albuquerque já pode contratar a banda e encomendar os foguetes.

Anónimo disse...

Anónimo das 14.21,

Repito que caiu que nem ginjas no colo de Carlos Pereira, se ele souber dar utilização.
Se não souber usar, aí sim, é festa para o PSD-M.
Cá para nós, que ninguém nos houve nem lê, o ideal para Carlos Pereira seria uma derrota de Cafofo para Rubina Leal. Isso até dava para fogo de artifício.

Anónimo disse...

Como socialista, ainda tive esperanças que o carlos pereira fosse alguma coisa de jeito mas neste momento já posso dizer com toda a certeza que não tenho pena nenhuma nenhuma dele. Aqueles Conselhos Estratégicos que granda banhada por amor de deus.

Anónimo disse...

E a questão é esta: o que vão fazer os presidentes de junta eleitos pela coligação ? Apoiam o seu líder partidário ou o seu líder "de factum" ? Estou a falar de 5 militantes ativos e conhecedores dos meandros do PS-M, também próximos do Vitor Freitas...

Carlinhos: manca-te, rapaz ! Já "fostes"...

Anónimo disse...

Como o António Costa tinha uma cópia da chave do PS/M, então o Jaime para lixar o Costa e com inveja, mandou trocar a fechadura do PS/M.

Informaram-me de fonte segura que a matança do Porco vai ser antecipada para a Pascoa.

E também encomendaram um Busto ao autor que fez a do Ronaldo, para que fizesse um busto parecido com a do ainda Secretario Geral do PS/M, só que existe um grave problema, não sabe se vai colocar gravata ou não!

Anónimo disse...

Penso que vem tarde......... já não restam paredes em casa...

Anónimo disse...

O,JPP nao tem ninguem no Funchal. Desta vez o estratega geringonço do Costa enganou-se.
JPP nao vale nada. Ja se evaporou e o Costa foi levar uma massagem de lagrimas choradinhas o coitado do Filipe Sousa que não quer nada em troca.
Mas quem vai nisto?