sábado, 18 de março de 2017

Jantar comício



96.º aniversário do PCP:
um partido virado para o futuro

 


Com mais de 600 participantes, no Jantar-Comício realizado nesta sexta-feira, 17 de Março, das intervenções políticas destacamos os seguintes vetores das palavras do Secretário Geral do PCP, Jerónimo de Sousa:

1. Sobre o aniversário do Partido

Um Partido virado para o futuro. Neste sentido 96º Aniversário aponta para a necessidade de uma intensa acção, articulando e aproveitando a concretização de todas as possibilidades de levar mais longe a defesa, reposição e conquista de direitos, com o objectivo essencial da concretização de um outro rumo para as políticas de desenvolvimento de Portugal.

2. Sobre os problemas centrais do País

Uma das maiores vulnerabilidades do País radica-se na sua dependência face a factores de conjuntura externa. Na medida em que o País está destituído de soberania monetária e totalmente dependente das opções do Banco Central Europeu ou da chantagem das agências de notação financeira, por consequência, Portugal tem maior dificuldade em dar resposta adequada aos graves problemas económicos e sociais. Assim, Portugal continua sem enfrentar a agenda de empobrecimento e declínio que os centros do capital querem impor ao País.
Para que Portugal não continue a reboque de imposições externas, que implicam a forte redução do investimento público, é urgente uma politica de ruptura com os caminhos que afundaram o País. Por isso o PCP se continuará a bater por objectivos opostos aos que conduziram Portugal ao declínio e empobrecimento.

3. Sobre as próximas as próximas eleições autárquicas

a) O projecto distintivo da CDU

A CDU apresenta-se com o seu com o seu projecto alternativo e com carácter diferenciador das suas propostas e opções. Os valores de Trabalho, Honestidade e Competência marcam a dimensão de alternativa clara à gestão e projectos de outras forças políticas, sejam PSD e CDS, seja PS ou BE.

b) O significado desta batalha política

Não só pelo que representam estas eleições autárquicas no plano local, mas também pelo que travamos nesta nova fase da vida politica nacional para melhor defender os interesses dos trabalhadores, do povo e do País, para dar mais força ao PCP e ao seu papel decisivo na concretização de um novo rumo para o desenvolvimento de Portugal.

Texto e fotos: PCP

4 comentários:

Anónimo disse...

É o que resta dos antigos regimes ditatoriais da europa do sec. XX!

Anónimo disse...

O que resta anda pela Madeira, o PSD, tem um governo ditatorial demais de 40 anos estes renovadinhos continuam a senda do antigo chefe.

Anónimo disse...

Falaram das maravilhas da roubolução bolivariana e no fim, ao menos, pagaram o jantar?

Anónimo disse...

quanto custou o jantar à organização do pcp? quantos estão la pela militância?