domingo, 26 de março de 2017



JPP AJUDA CIDADÃOS A AVANÇAR
COM PETIÇÃO
NO SETOR DA PESCA

O Juntos pelo Povo (JPP) está a apoiar os pescadores na formulação de uma petição contra os atuais regulamentos da pesca lúdica. Esta manhã, em Gaula, Élvio Sousa alertou a população para a situação e incentivou à assinatura deste documento, em defesa dos interesses dos pescadores.
“O decreto legislativo regional que regula a pesca lúdica na Madeira e no Porto Santo foi feita por técnicos de gabinete, sem ouvir os pescadores. É fundamental, proceder à alteração de situações, que atualmente estão a trazer muitas dificuldades aos pescadores, que utilizam a pesca lúdica para alimentar as suas famílias”, informou o secretário-geral do JPP.
A insatisfação dos praticantes de pesca lúdica prende-se com várias situações, nomeadamente com “os limites diários impostos pelo Governo PSD, por praticante, das capturas por espécie e por local de pesca – desadequadas à pesca que se pratica na Região”.
Élvio Sousa realçou que “a pesca lúdica é uma forma importante de sustentabilidade de centenas de famílias madeirenses e o que o governo fez, sem ouvir os pescadores, foi copiar modelos de outras regiões sem olhar às especificidades regionais”.
O JPP apela, assim, aos cidadãos da Madeira e do Porto Santo “a lançar e a assinar uma petição pública em defesa dos pescadores da Madeira e do Porto Santo, por forma a obrigar a Assembleia Legislativa Regional a corrigir essas injustiças”.
Texto e foto: JPP

3 comentários:

Anónimo disse...

Pelo que me parece, com o novo regulamento a quantidade diária de peixe que é possível apanhar aumentou, em comparação com a situação anterior. E é preciso, também ter presente que o que é regulamentado é a pesca "lúdica", que é aquela que é realizada como divertimento, como passatempo, logo tem toda a lógica que se limite as quantidades a apanhar.

Anónimo disse...

Será que a JPP sabe que as taxas na Madeira são as mais baixas praticadas em todo o territorio nacional???
Desculpem, mas política assim..... não.

Anónimo disse...

não eram estes que criticavam o ir pregar para os adros ?