segunda-feira, 13 de março de 2017

Férias na Madeira


A Grande Viagem de Pereira

Houve um tal de Pereira que veio passar férias à Madeira e por mero acaso decidiu escrever uma carta de leitor para o DN.

Então um Pereira vem de férias à Madeira e está preocupado com o ferry.

Um Pereira vem de férias à Madeira e fica alarmado com os preços que encontra no supermercado.
Um Pereira vem de férias à Madeira de férias e fica indignado por só haver um centro de inspeções para automóveis?
Bizarro.

Eu diria que há um Pereira que passa mais tempo em Lisboa do que na ilha, mas que deve levar vida de turista em terra própria. Preparei estes cartazes só para ele. Boa Pereira!



Mariana Martim Velosa

17 comentários:

Anónimo disse...

Será uma mijinha?

Anónimo disse...

Esse Pereira, que se calhar nunca saiu da Madeira, escreveu umas coisas que podem fazer sentido.
Perde-se na tentativa de mostrar que não é de cá, o que só revela o quão patético será o personagem.

Anónimo disse...

É difícil ver as verdades ,porque com as mentiras eu já me acostumei. Assim vamos....

Anónimo disse...

A carta do leitor do DN, revela unicamente a verdade, que grande maioria dos madeirenses tentam ignorar, se o dito senhor esteve em casa de amigos madeirenses que falaram de muitos assuntos da Ilha, claro quando voltou a Coimbra resolveu a escrever sobre esses assuntos. O que este texto do fenix revela e deturpa essa carta do leitor de domingo passado no DN, fazendo um teatrinho e colocando outro Pereira como o protagonista dessa carta do leitor. Concordo com tudo o que esse individuo de Coimbra relata sobre a Madeira, um povo encolhido, amedrontado perante um poder politico que tudo controla, as criticas no facebook, e no dn revelam isso mesmo, um povo acanhado, descendentes de escravos, que acham tudo bem na Ilha, aceitam que o poder politico coloque os pezinhos em cima...

Anónimo disse...

Anónimo das 12:36, subscrevo na integra o seu comentário. Acrescento o seguinte; Vivemos numa ilha onde a pobreza "escondida" é crescente, no entanto, não se vê nenhuma noticia bem trabalhada sobre essa matéria. A RTP Madeira, sendo um canal pública, pouco jornalismo faz, não é transversal quanto às classes sociais, muito pouco faz no sentido reportar os problemas sociais desta pequena ilha. Limita-se a transmitir uns programas sobre a classes dominantes, etec...etec....etes...

Anónimo disse...

anonimo até concordas que o tempo é mau ?

eu para mim foi escrito por um jornalista do diário

Anónimo disse...

Sou madeirense e também acho que aquela carta do leitor diz algumas verdades. Claro que o autor exagerou um pouco em algumas coisas. Mas é verdade que as coisas aqui na Madeira são bem mais caras, não há alternativas para viajar, não há verdadeira concorrência, existem monopólios que lesam a população. É verdade que os cargos públicos vão para os amigos e cunhas, etc, etc, etc.

Mas destas coisas o turista que fica cá uma semana nem se apercebe. Por isso que não percebo porque é que a maioria dos madeirenses reagiu furiosamente contra aquela carta. São verdades! Não é a pior terra para se viver mas a Madeira tem muita coisa podre e algumas são as que o tal Pereira falou.

Parece que nós os madeirenses, como povo, ainda temos uma mentalidade fechada, bairrista. Vi muitos que preferiram insultar o autor da carta do que admitir que temos graves problemas. Enfiar a cabeça na areia não vai resolver a corrupção na Madeira, os preços caros, os monopólios, as viagens caríssimas, as mentiras eleitorais, a falta de um barco, etc. Tudo isso é verdade. Não sei porque é que tanta gente ficou sensível e reagiu mal a essas criticas. Até parece haver algum complexo de inferioridade. Caros conterrâneos essa coisa de "Povo Superior" foi uma coisa inventada pelo Alberto João para ultrapassar um certo complexo de inferioridade das gentes desta terra. Não somos superiores nem inferiores, não é preciso a malta ficar tão eriçada com uma opinião menos favorável de alguém sobre a nossa terra.

Anónimo disse...

Anónimo das 12:36, concordo completamente com o seu comentário principalmente quando diz "um povo encolhido, amedrontado perante um poder politico que tudo controla, as criticas no facebook, e no dn revelam isso mesmo, um povo acanhado, descendentes de escravos, que acham tudo bem na Ilha, aceitam que o poder politico coloque os pezinhos em cima".

Raghnar disse...

Exacto, até porque é necessário encarar os problemas de frente para se poder resolvê-los. Enterrar a cabeça na areia e atacar o mensageiro até pode ser eficaz como manobra de diversão, mas não ajuda em nada a resolver o problema.

Se preferirmos, podemos continuar a acreditar que "mais camas, mais hotéis e mais turistas" é sempre igual a mais dinheiro no bolso dos madeirenses. Mas a vontade de acreditar nas coisas bonitas pode ser um obstáculo no diagnóstico do estado de saúde da galinha dos ovos de ouro.

Eu não digo que ela esteja em fase terminal, mas também não me parece que ande em grande forma, como nos diz a propaganda, digo a informação...

Anónimo disse...

o tiro do diário saiu mal

Anónimo disse...

Acho que a carta de leitor em causa é esta aqui http://www.dnoticias.pt/leitor/cartas/artigo-KF1043826.

Fico admirado como o povo ficou bravo com o homem. Ele só disse umas boas verdades.

Para aquilo que ganha a maioria da população madeirense os preços são sim exorbitantes. A Madeira tem preços para ricos mas a população não é rica. Principalmente quando comparamos com o continente que tem alternativas bem baratas para muita coisa, principalmente para os bens essenciais. Aqui não temos o LIDL, nem o JUMBO, nem podemos abastecer o depósito de gasolina a preços muito mais baratos nos super-mercados, etc. Não há concorrência.

Também não é mentira nenhuma que "Meia dúzia e políticos sugaram tudo e controlam tudo. Estão na política, são presidentes de câmara, deputados na assembleia regional, no Governo Regional, ao mesmo tempo mandam em bancos na Madeira, têm tachos por todo o lado, nos clubes de futebol, empresas privadas, clínicas, sucatas, segurança, etc". Mas pelas respostas no facebook e no DN parece que os madeirenses querem continuar a ser controlados por alguns poderosos que dominam a politica e a economia da ilha. Pior do que sermos pobres é sermos burros e continuarmos submissos a este sistema que oprime a população madeirense.

Daquela carta do leitor só não concordo quando ele diz que a comunicação social é zero mas que o DN é uma excepção. É que mesmo o DN está cada vez pior. Tem muitas noticias que até parecem encomendadas pelo Governo Regional e pela Câmara do Funchal. E mesmo os comentários dos leitores às noticias do dia-a-dia foi dificultada ao máximo pelo DN. Antes havia muito mais participação dos leitores no DN. Até a imprensa arranjaram maneira de controlar. Andam a tentar calar as pessoas. A RTP Madeira também não investiga nada que mexa com os interesses dos poderosos que controlam os monopólios da ilha nem com o poder politico. A minha opinião sobre a Madeira está portanto mais próxima da opinião desse Paulo Pereira do que a da maioria dos comentários dos "madeirenses com o orgulho ferido" que podemos ler lá nos comentários do DN.

Anónimo disse...

De muito mau gosto, Mariana Velosa.

Anónimo disse...

O "conimbricense" leitor do DN e autor do texto em causa escreveu: «E as inspecções dos carros que só existe uma empresa quando nós lá tem várias e há concorrência e não há abusos!».
Este uso recorrente de formas verbais no singular ("existe", "tem") é muito comum na oralidade madeirense e encontra-se amiúde nas cartas do leitor do DN.
Apesar de ter disfarçado no resto do texto, a máscara de Coimbra caiu. Para este artista, "do Choupal até à Lapa" refere-se, por certo, a uma festa em que se chupa a cana e se comem umas lapas...

Sofia disse...

Há sempre solução, não está bem, vá viver para Coimbra com o Pereira...sempre viveria com pessoas pouco acanhadas, descendentes da realeza, que não aceitam a vontade do poder político por eles escolhido. Encolhido é identificar-se como anónimo...

Anónimo disse...

O mau artista continua a desempenhar o seu papel fraquinho. Assim não chega aos Óscares. Mais uma vez, fugiu-lhe a pena para a construção frásica 'a la Madeirense': "não voltarei a me exprimir sobre o que for"...
Ai senhor, que nem aldrabar sabe. Colocar o pronome reflexo antes da forma verbal é um clássico por cá.
Sugeria ao artista que peça a um amigo para lhe escrever os textos. Se for do Alentejo carregue no gerúndio e se for mesmo do Norte troque os vês pelos bês.
PS - Não misture frigideiras e aloquetes no mesmo texto ou também vai parecer falso.

Anónimo disse...

O Paulinho é tão de Coimbra como o bailinho da Madeira...
Ah povo enganado, que ainda vais atrás de provocadores baratos.

Anónimo disse...

Menina do PSD ou JSD, seria muoto melhor viver no Continente, onde existe liberdade, e custo de vida mais baixo, a menina sim deve ser acanhada ou a palavra certa AGACHADA ao poder politico regional, que persegue tudo e todos os que lhe fazem frente, por isso neste blog todos comentam dessa forma: Anonima, o regime que tanto defende, vinga-se e persegue...