terça-feira, 14 de março de 2017

Mensagens em tempo de crise




A segurança dos funchalenses 
e a construção em zona de risco

Tal como eu, estarão recordados do Sr. Presidente da Câmara garantir, ainda durante os incêndios, que iria dar a volta ao assunto, não permitindo a reconstrução de casas em zonas de risco.
Paulo Cafôfo disse inclusivamente que a CMF havia identificado meia centena de habitações que não podiam ser recuperadas após os incêndios exatamente por se encontrarem em zona de risco.
Caro Luís Calisto.
A questão é simples.
Conhecem-se as casas a não intervir?
Está o Sr. Paulo Cafôfo comprometido com as questões de segurança?
Sabe o Luís Calisto melhor do que eu e a maioria dos seus leitores que este tipo de mensagem passa muito bem em momentos de crise, mas tende a se esvaziar com o tempo.
As chamas, caro Calisto, estão extintas e as TVs do continente já cá não moram.
Precipito-me se concluir que o ímpeto do autarca teve o seu tempo e hoje é claramente inoportuno?
Fiquemo-nos então pelo conforto e segurança da confeitaria Felisberta. Aqui está um tema simpático a cultivar na imprensa.

Quanto ao nosso tema - por favor não melindrem o autarca.

João Pereira

5 comentários:

Anónimo disse...

onde para o Milhão de euros que o Turismo de Portugal , através da Secretaria de Estado do Turismo entregou á Camara do Funchal para acudir ás necessidades provocadas pelos incendios ? A CDU que por norma é tão diligente no emprego destas verbas nomeadamente na habitação nada diz ?

Anónimo disse...

A verdade é que com ação se responde às situações , 137 casas reconstruídas sem um tostão da geringonça nacional.. mas a moda Tb pega aqui na geringonça do Funchal , falam falam , andam para aí a tirar fotos , e nada fazem...

Anónimo disse...

As casas nos Viveiros que a Câmara vai fazer são para quem?
Casas em zonas de risco é o que mais há pelas encostas acima do Funchal.Mais as que trepam as encostas de Câmara de Lobos e do Estreito,etc.Foram décadas de desordenamento.Espero que não haja mais nenhum 20 de Fevereiro, nem incêndios, nem tremores de terra.
Espero que quem governa na Madeira e nas Câmaras tenha a capacidade de encontrar as melhores soluções.

Anónimo disse...

Nao se iluda nem tente iludir. Não são para famílias dos incêndios. Sabe porquê? Câmara não tem essa atribuição ou competência no processo incêndios.

Anónimo disse...

ó comentador das 2353 , a serio ? então a camara não tem a competencia de resolver os problemas de habitação provocados aos municipes por causa dos incendios , mas tem a competencia de comprar casas que arderam para fazer pastelarias ?
De facto com esta presidencia todos nós nos questionamos para que raio serve a camara.