domingo, 5 de março de 2017

Opinião




“LENDO” UMA NOTÍCIA
  

GAUDÊNCIO FIGUEIRA


Acreditando no DN, bem como no Sr. Emanuel Rosa, vou decifrar o texto publicado na edição de 2 de Março.
O tema abordado – uma dívida de 8,3 milhões de euros reclamada pela AFAVIAS ao CSM – já fora noticiado na véspera. O DN dá-nos a versão do Marítimo pela boca do seu Pres. Sr. Carlos Pereira. Temos, depois, dois destaques. Num deles, fonte não identificada da AFAVIAS, dá-nos a sua visão dos factos, e no outro, nova “fonte”, transmite a posição do actual GR perante o problema.

Não sou juiz, mas ouso “sentenciar”: Fica, cada um dos 250.000 madeirenses, constituído na obrigação de pagar mais €33 de impostos. Assim honraremos o compromisso assumido por Homens Públicos eleitos por nós. 200 mil madeirenses acharão que pagam impostos para terem: Segurança de Pessoas e Bens; Escolas; Hospitais etc. Nos restantes 50.000 haverá uns 20.000 “religiosos” para quem a Bola merece tanto como o cumprimento daquelas Funções do Estado. Vai sendo necessário os eleitos perceberem isto, dado que passou o tempo em que foi possível manter esta “religiosidade”. Os restantes 30.000, não ligam a nada.

Cito o Sr. Carlos Pereira: “nada foi alterado no projecto da obra do complexo de Stº. António, […] pelo que estamos perfeitamente à vontade para discutir a acção. O meu amigo Avelino […] sabe que tudo foi tratado […] para que possa ser discutido […]  com […] o Gov. Reg., que autorizou a alteração ao projecto para a construção do colégio do Marítimo, […].” Por isso: “nunca vai abdicar […], de chamar o Governo a esta acção, porque é a ele que compete esta responsabilidade”. “Penso que tudo será resolvido em comum acordo”.

Falando, Carlos Pereira, também para sócios e adeptos, não faltou o apelo ao “inimigo” na pessoa do advogado Filipe Silva. Assim alimenta os egos maritimistas naqueles casos extremos em que “Ser Marítimo” ocupa a totalidade dos neurónios. Leia: “Como presidente [Filipe Silva] remunerado de uma SAD, que mantém rivalidade com o Marítimo, este ilustre advogado eticamente estava impedido de o fazer.” “Trata-se de uma vingança pois não é verdade que o Tribunal da Relação de Lisboa tenha anulado o pedido de arresto da AFA.” Abaixo o CFU, já!  

Aqueles dois sócios do CSM a 2/7/2003 contrataram obras no valor de 4,8 milhões de euros. Até aqui tudo se fez no respeito das regras do direito e da economia. O caldo entornou-se quando, em 2005, entra em cena um terceiro sócio do CSM na altura Pres. do GR. Aí surgiram as obras “já agora” – “já agora”, que estamos a mexer, vai mais um colégio – que não cabendo no contrato-programa, ficou na nuvem.

Nesta barafunda – política, não jurídica nem económica – não admira nada que os tribunais se sintam incompetentes, como afirma Carlos Pereira. Nos EUA, Trump governa pelo Twitter, por cá, mandavam-se bocas em inaugurações. Ter maiorias absolutas acarreta que o “inimigo” una, internamente, as paixões do CSM, CDN e CFU. Assim sendo, há um facto que convinha ser explicado. Entre 2005 e 1 de Fev. de 2012, o Pres. do GR, em exercício ao tempo, poderia ter satisfeito as expectativas criadas recorrendo a um contrato-programa que o BANIF financiaria, ainda que, mais tarde, acabasse em imparidade. Qual teria sido a razão para não o fazer?
Será que hoje, quando temos um empréstimo de 1.500 milhões para pagar, o GR em exercício, para controlar as paixões, vai assumir ainda mais estes 8,3 milhões de dívida? A minha “sentença”, vai nesse sentido.

Sinceramente, espero enganar-me! A razão é simples, já andam demasiados nossos conterrâneos a “poupar” na renda da casa – vemo-los a dormir pelo chão nos espaços públicos – e no supermercado – basta estar atento aos peditórios de bens alimentares. Mais disto? Não, Obrigado.

7 comentários:

Anónimo disse...

É a total rebaldaria que nesta terra de gente pouco exigente se viveu, enquanto A. J. Jardim foi presidente do governo.
Eram encomendadas obras só pela teimosia de alguém.
Acho bem que o Marítimo não pague até à AFA mostrar o contrato da empreitada. Se lá não estiver o dito colégio, o amigo Avelino que vá à Pedro Jose de Ornelas a ver se o seu anterior amigo lhe paga.
É que agora já não dá para mandar com o Santos Costa.
O cobarde do costume mais o medricas do Garces quiseram passar-lhe as responsabilidades totais da rebaldaria, mas esqueceram-se que ele é machiqueiro.

Anónimo disse...

A AFA sempre pode penhorar os Barreiros... LOL

Anónimo disse...

O colégio do marítimo? Aquele ao pé da bomba de gasolina? Então não foi o marítimo que pagou?

Anónimo disse...

E o que mudou ou vai mudar agora? Pfffff

Fernando Vouga disse...

Estão aqui implícitas acusações muito graves. Espero que no "renovadinhos", seja tudo muito bem explicado...

Jorge Figueira disse...

Meu Caro Fernando o "renovadinhos" sabe pouco - às vezes tem uns lampejos - sobre o passado, ele só existe desde 13 de Maio de 2015, por isso bom seria sabermos a razão por que não foi elaborado novo contrato-programa que contemplasse o colégio. A 1 de Fev. 2012 foi a "capitulação" mas antes tiveram tempo mais que suficiente para enfiarem mais uma imparidade no BANIF.
Já a coisa fina da Madeira Nova! Qual escola rafeira que o clube teve no Almirante Reis no tempo da Madeira Velha.

Anónimo disse...

O Renovadinhos não é do Jardim.
O Pravda já deu indicações há uns dias sobre os responsáveis!